SIM Swapping: o que é e quais os riscos?

A Check Point alerta para as ameaças associadas à duplicação de um cartão SIM, que incluem fraude, roubo de dados, usurpação de identidade e envio de malware para os contactos

SIM Swapping: o que é e quais os riscos?

O SIM Swapping acontece quando um cibercriminoso clona um cartão SIM e toda a informação que este contém. Para realizar esta clonagem, é necessário que conheça os dados pessoais da vítima. Nome completo, número de telemóvel e do documento de identificação são, em alguns casos, dados suficientes.

Na posse destas informações, basta ao cibercriminoso deslocar-se até uma loja do operador de telecomunicações, fazendo-se passar pelo titular do SIM, e pedir a transferência das informações do cartão SIM para o novo.
A Check Point indica quais são os principais riscos associados ao SIM Swapping:

  • Aumento no valor das faturas: Um dos principais riscos doe SIM Swapping está associado ao aumento do valor nas faturas que são enviados pela operadora. Ao ver que a consumo dispara repentinamente, é importante tomar todas as medidas possíveis para evitar fraudes económicas.
  • Acesso aos dados bancários: Para além do aumento que pode vir na fatura da operadora, outro dos principais riscos, em termos económicos, está ligado com operações bancárias. Na realidade, há cada vez mais pessoas a utilizar aplicações bancárias nos telemóveis para realizar transações ou outras operações, e um cibercriminoso pode aceder aos dados bancários da vítima. Embora muitas instituições bancárias tenham a autenticação de dois passos através do SMS, um cibercriminoso pode enganar esta medida de segurança ao ter controlo do cartão SIM.
  • Roubo de dados: O roubo de informações confidenciais do utilizador é outra grande ameaça associada ao SIM Swapping. Além de todos os contactos guardados no cartão, o cibercriminoso também pode utilizar as passwords do WhatsApp ou de outras redes sociais. Para isso, basta carregar na opção lembrar password e esperar receber um SMS com os dados, e depois usá-las para entrar em diferentes plataformas e aceder a imagens e conversas do utilizador.
  • Roubo de identidade: Como consequência de se ter acesso a toda a informação de um utilizador, o cibercriminoso pode fazer-se passar pelo verdadeiro dono do cartão SIM e, por exemplo, chegar a realizar pagamentos fazendo-se passar pela vítima. Da mesma forma, poderia tentar manter conversas com os contactos da vítima para ter acesso a mais informações.
  • Enviar malware: Podem utilizar-se as redes sociais ou outras plataformas para ligar com a agenda do utilizador e, de forma simples e sem levantar suspeitas, divulgar malware através de mensagens.

Qualquer um pode ser vítima de um ataque de SIM Swapping, por isso a Check Point alerta: a melhor maneira de se proteger é não partilhar o número de telefone ou outras informações pessoais em fóruns públicos ou redes sociais.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 21 outubro 2019

IT INSIGHT Nº 21 outubro 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.