Necessidade e engenho no futuro das cidades

Necessidade e engenho no futuro das cidades

De acordo com dados das Nações Unidas, a urbanização cresce a um ritmo agressivo. Em 1950, apenas 30% da população mundial vivia em áreas urbanas

Em 2014, as populações urbanas representavam já 54% da população mundial. Os analistas projetam agora que esse crescimento continuará e que, até 2050, mais de 66% da população mundial viverá em cidades. Essa projeção significa que, até 2050, cerca de 2,5 mil milhões de pessoas serão acrescentadas à população urbana. Mas as cidades são responsáveis pelo consumo de quase 75% dos recursos naturais do mundo e pela produção de cerca de 70% das emissões mundiais de gases de efeito estufa. Esses valores constituem uma ameaça à sustentabilidade da própria cidade e à qualidade de vida das gerações futuras. As cidades precisam de novas soluções que enderecem os efeitos nocivos da urbanização e, ao mesmo tempo as tornem atraentes para residentes e empresas. O modelo das cidades inteligentes foi desenvolvido para melhorar a qualidade de vida e as oportunidades económicas das populações urbanas. As cidades começam a adotar este conceito devido, em parte, ao crescimento, a um aumento na procura de energia e recursos, a uma população com expectativas crescente relativamente a alta tecnologia e a uma infraestrutura que necessita desesperadamente de atualização para suportar tal acréscimo populacional.

Entretanto, será também necessário encontrar modelos de financiamento para os projetos de cidades inteligentes, seja a nível de iniciativas isoladas, seja para o programa no seu todo. Os investidores em projetos deste tipo querem ter presente o possível retorno do investimento antes de comprometerem fundos para os programas. Os organismos de tutela, por outro lado, querem melhorar o acesso à tecnologia, a mobilidade e às capacidades do sistema das cidades para garantir que estas permaneçam um lugar apetecível para viver. Numa altura em que as barreiras tecnológicas são cada vez mais ultrapassáveis, o futuro das cidades inteligentes passa, assim, por toda a dinâmica entre a sustentabilidade ambiental e a económica dos projetos que elas englobam. Mas a necessidade, que aguça o engenho, torná-las-á, não o duvidemos, incontornáveis e, até, inevitáveis.

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 20 Julho 2019

IT INSIGHT Nº 20 Julho 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.