Tecnologia híbrida ainda não está à altura das expectativas

Estudo revela que apenas 30% dos colaboradores europeus tem a tecnologia necessária para colaborar adequadamente com outros colegas

Tecnologia híbrida ainda não está à altura das expectativas

Um novo estudo da Ricoh Europa revela que a maioria das organizações não possui as tecnologias híbridas adequadas para apoiar o trabalho flexível, com apenas 30% dos colaboradores europeus a afirmarem que dispõem dos meios necessários para colaborar sem problemas com outros colegas.

Realizado pela Opinion Matters em nome da Ricoh Europa, o estudo inquiriu sete mil trabalhadores e 1.800 decisores e conclui que o trabalho flexível continua a ser uma das principais prioridades dos trabalhadores europeus. Neste contexto, os colaboradores apontam a existência de disposições de trabalho mais flexíveis, incluindo a capacidade de planear e garantir que as suas necessidades no local de trabalho são satisfeitas antes do dia de trabalho (secretária, localização, tecnologia), como a principal razão para reconsiderarem um possível abandono das suas funções nos próximos 12 meses.

Apesar da importância que os funcionários atribuem ao trabalho flexível, o inquérito revela que muitos admitem que ainda não dispõem das ferramentas mais básicas. Um em cada cinco (20%) colaboradores admite que não tem acesso a software de colaboração essencial, como Microsoft Teams ou Zoom, enquanto 29% não tem acesso a nenhum tipo de hardware ou tecnologia híbrida (por exemplo, sistemas de videoconferência), apesar da crescente necessidade.

O estudo mostra igualmente que os líderes empresariais reconhecem o problema, com cerca de um quarto (24%) a admitir que as suas ferramentas de colaboração não estão ao mesmo nível do setor onde operam, o que dificulta o trabalho quotidiano dos colaboradores. Ainda assim, apenas 17% admite considerar como prioridade estratégica para o próximo ano proporcionar aos seus colaboradores uma experiência melhorada.

Perante este cenário, a pesquisa conclui que os líderes empresariais devem colocar a satisfação e a experiência dos colaboradores no topo das suas prioridades. Tal deverá começar com o trabalho flexível, uma vez que quase um quarto (24%) dos trabalhadores afirmou que o facto de não serem obrigados a trabalhar no escritório, mas de lhes ser dada a tecnologia certa para trabalharem onde quer que seja, seria uma solução fundamental para aumentar a sua satisfação no trabalho. 

Ramon Martin, CEO de Ricoh Espanha e Portugal, afirma em comunicado que “as organizações tiveram vários anos para se adaptarem a práticas de trabalho flexíveis, pelo que é surpreendente que muitas ainda estejam a ficar para trás na disponibilização das tecnologias mais básicas que facilitam a colaboração e a comunicação. Dadas as vantagens significativas que o trabalho flexível oferece, as empresas devem dar prioridade às ferramentas e tecnologias necessárias para tirar o melhor partido da sua força de trabalho e reter os melhores talentos. No entanto, adotar estas mudanças não significa apenas manter-se competitivo, mas também valorizar e investir na felicidade e realização das pessoas que impulsionam o sucesso da organização”.

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 50 Julho 2024

IT INSIGHT Nº 50 Julho 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.