Novas tecnologias aceleram lançamento de produtos

Estudo introduz o conceito de “Speedsters”, empresas que se destacam na redução do tempo de lançamento de produtos para o mercado

Novas tecnologias aceleram lançamento de produtos

Um novo relatório lançado pela Accenture explica como é que as novas tecnologias auxiliam as empresas a acelerar o tempo de design, de desenvolvimento e de entrega de produto ao consumidor, conceito também conhecido como “speed to market”. 

Intitulado de “Industrial Speedsters: How advanced technologies can turbocharge your speed to market”, o relatório da Accenture é baseado num questionário a 1.200 executivos da área de equipamentos industriais e elétricos, equipamento pesado, fornecedores industriais e setores de bens de consumo em 13 países.

A Accenture identificou as empresas que tiveram os processos mais curtos dentro de cada uma das fases anteriormente referidas, em seguida, analisou quais as organizações que utilizaram tecnologias avançadas – incluindo machine learning, inteligência artificial, cloud, gémeos digitais e computação de alta performance, entre outros – para reduzir tempo e custos.

De seguida, a Accenture dividiu as empresas em três categorias: as que mais reduziram o tempo e aumentaram a eficácia foram intituladas de “Speedsters” (14% das empresas); as que menos reduziram o tempo e menos aumentaram a sua eficiência – à volta de dois terços das empresas (63%) conhecidas como “Starters” e as restantes, intituladas de “Accelerators” (23%).

A pesquisa permitiu concluir que as “Speedsters” obtiveram a melhor redução de tempo e de custos através da maior utilização de novas tecnologias nos três processos identificados. A título de exemplo, através do uso de machine learning, as “Speedsters” atingiram poupanças de tempo e de custos de sete e doze vezes maiores que as “Starters”, respetivamente. Também as “Speedsters” que usam Machine Learning foram sete vezes mais rápidas e doze vezes mais eficazes nas estratégias de custos do que as “Starters”. O uso de veículos autónomos permitiu às “Speedsters” alcançar poupanças de tempo quatro vezes maiores que as “Starters” e no que toca à poupança de custos, as “Speedsters” são 30 vezes mais eficazes que as “Starters”.

O relatório prova ainda que as “Speedsters” ultrapassam tanto as “Starters” como as “Accelerators” em termos de desempenho financeiro. Entre 2016 e 2021, as “Speedsters” alcançaram um crescimento anual quatro pontos percentuais acima das “Accelerators” e 18% maior que as “Starters”. As “Speedsters” obtiveram também, em média, maiores margens operacionais do que as restantes.

António Pires, responsável pela área de Industry X da Accenture em Portugal refere que “a capacidade de uma empresa de idear, produzir e de entregar produtos em menos tempo e com menor custo é uma vantagem competitiva fundamental”. António Pires acrescenta ainda que “o estudo da Accenture mostra que as tecnologias avançadas de digitalização dos processos de engenharia e produção desempenham um papel crítico para permitir que tal aconteça”.

O relatório analisa ainda o que está a ser pensado para os próximos 5 anos pelo grupo de “Speedsters” para que as empresas sejam mais eficazes a utilizar tecnologias avançadas nos três processos fundamentais:

  1. Da ideia ao produto. As empresas pensam usar o feedback e os dados de gémeos digitais, bem como dados de inteligência artificial ao longo do ciclo de vida dos produtos conectados, para melhorar os produtos, o software e os serviços. A impressão 3D e a produção podem acelerar a produção física de protótipos baseando-se em modelos digitais. Num futuro próximo, as empresas deverão tirar vantagem da computação de alta performance e da quantum computing para o suporte de simulações.
  2. Do plano à produção. Para responder aos desafios nesta área, as empresas pensam utilizar ferramentas de simulação digital para permitir que a engenharia de produto trabalhe simultaneamente com a engenharia de produção. Pensam criar gémeos digitais da linha de produção que ajude a simular e otimizar operações para a eficácia e eficiência dos equipamentos de forma contínua. Olhando para o futuro, a inteligência artificial poderá ser utilizada para previsões relacionadas com a cadeia de abastecimento e para a gestão da produção; e o uso da realidade aumentada e do metaverso industrial para criar oportunidades de formação e orientação mais eficazes para  colaboradores da área de produção.
  3. Da procura à entrega. As empresas pensam focar-se na integração da produção na cadeia de abastecimento de forma a criar uma “digital thread” que permite o fluxo contínuo de dados pelas organizações e silos; permitindo uma melhoria na distribuição, a otimização da rede de cadeias de abastecimento e o seu planeamento; e abre portas para a criação de gémeos digitais de produtos e operações como suporte à colaboração ao longo da cadeia de valor. A longo prazo, as empresas pensam começar a explorar as capacidades da inteligência artificial, o processo de request-for-proposal e o uso do metaverso comercial nos processos de venda digital.
Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 40 Novembro 2022

IT INSIGHT Nº 40 Novembro 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.