China promete abrir setor tecnológico a investidores estrangeiros

A China procura atrair mais investimento estrangeiro em indústrias cruciais como a da inteligência artificial e a do espaço

China promete abrir setor tecnológico a investidores estrangeiros

Esta terça-feira, a China comprometeu-se a investir nas indústrias que considera como sendo cruciais para a sua futura capacidade competitiva, incluindo o da inteligência artificial e o do espaço. Além disto, o país procura libertar o acesso à indústria transformadora e a determinados setores de serviços para atrair o investimento estrangeiro.

Os compromissos foram publicados durante a reunião anual do parlamento. A mensagem da China é clara: o país visa abrir as suas portas aos negócios, desde que estes estejam enquadrados na nova agenda nacional definida pela procura pela autossuficiência.

O novo interesse chinês vem na sequência do decréscimo do investimento estrangeiro devido a uma recuperação económica mais enfraquecida do que o esperado no período pós-pandémico, assim como às invasões a escritórios por parte das autoridades. A par disto, a inovação tecnológica, acompanhada pelos esforços de autossuficiência, aumentaram a tensão comercial entre a China e o Ocidente.

“Os anúncios não movem os mercados e as promessas não impulsionam o investimento”, comenta Sean Stein, presidente da American Chamber of Commerce China, com sede em Pequim. “A chave, como sempre, será a implementação completa e oportuna”.

Em outubro do ano passado, o Presidente da China Xi Jinping estabeleceu o objetivo de libertar o acesso ao investimento estrangeiro no setor industrial no fórum do Cinturão e Rota. No entanto, pouco tem sido feito para estimular a confiança destes investidores.

Também esta terça-feira a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China afirmou que planeia relaxar as restrições ao acesso ao mercado nas indústrias de serviços, como telecomunicações e serviços médicos.

“Os investidores estrangeiros enfrentarão uma grande concorrência dos seus homólogos chineses, pelo que as suas decisões de investimento não serão determinadas pelo que o governo diz, mas pelo retorno que recebem e pela sua estratégia global”, afirma Dan Wang, economista-chefe do Hang Seng Bank China.

A China reduziu de 123, em 2020, para 117, em 2022, o número de setores cujo acesso ao mercado era restrito ou proibido. No setor automóvel da China, os fabricantes de veículos elétricos como a Tesla foram autorizados a criar entidades de propriedade integral, sendo que empresas estrangeiras como a BMW e a Volkswagen passaram a poder assumir o controlo maioritário das suas joint ventures.

No entanto, as mudanças nas condições económicas levaram a uma retirada significativa dos investidores estrangeiros do setor industrial chinês, com o investimento direto estrangeiro a registar uma diminuição pela primeira vez em mais de uma década, em 2023.

Na segunda-feira, a norte-americana Western Digital Corporation vendeu uma participação de 80% de uma instalação de memória flash, sediada em Xangai, à JCET Group, empresa chinesa de montagem e testes de chips.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 50 Julho 2024

IT INSIGHT Nº 50 Julho 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.