IT e Negócio: uma imprescindível aproximação de mundos em 2017

Os dois mundos, o da condução do negócio e o das tecnologias de informação, têm, mais do que nunca, que quebrar a barreira da linguagem

IT e Negócio: uma imprescindível aproximação de mundos em 2017

A transformação digital não pressupõe apenas que os sistemas e tecnologias de informação tomem um lugar fronteiro no desenvolvimento de novos caminhos para o negócio das empresas: deve levar também a que os executivos de topo se aproximem da linguagem digital. Os dois mundos, o da condução do negócio e o das tecnologias de informação, têm, mais do que nunca, que quebrar a barreira da linguagem. As empresas mais inovadoras e melhor sucedidas da atualidade são aquelas que ultrapassaram, com sucesso, os entraves à comunicação sobre as temáticas digitais.

Não se imagina uma Amazon sem que Jeff Bezos fale e entenda fluentemente o mundo digital. Não se imagina a Tesla sem um profundo conhecedor da tecnologia, como Elon Musk. Não se concebe uma estrela emergente na conservadora área da moda de luxo, como a Farfetch, sem um extenso entendimento do mundo digital por parte dos seus fundadores Não se imagina até o futuro da área financeira sem que os respetivos executivos entendam as ameaças e oportunidades colocadas pelas novas fintech. Retalho, indústria automóvel ou serviços financeiros estão entre os setores de negócio em fase de disrupção acelerada pelo digital. Nenhuma área parece hoje a salvo do que muitos já chamam uberização (da transformação causada por empresas com modelos disruptivos, como a Uber).

Colocar as questões certas

Um tema recorrente nas discussões em torno do valor do IT para as organizações é a premente necessidade dos profissionais, em particular os responsáveis pelas tecnologias de informação organizacionais, se aproximarem do negócio, falarem a respetiva linguagem.

Mas alguns executivos de topo continuam pouco cientes de que a sua própria transformação é, também ela, necessária. Não é fundamental compreender a tecnologia, dizem, para entender o negócio. Insistem que os especialistas de IT nas respetivas companhias apresentarão os casos de negócio necessários para a mudança - e que a companhia reagirá em resposta a esses casos de negócio. Mas, frequentemente, as pessoas da área das tecnologias da informação não sabem quando e como apresentar o caso.

Se os executivos não entendem a tecnologia, não podem apreciar as suas implicações estratégicas – e decisões de negócio baseadas nesse entendimento incompleto têm a possibilidade de ser de vistas curtas ou pior ainda. De acordo com o Global CIO Advisory Pulse Survey, da consultora KPMG, a falta de capacidade para colocar as questões certas é o maior obstáculo que os executivos enfrentam no que se refere à competição digital. Charlene Li, autora de The Engaged Leader: A Strategy for Your Digital Transformation, afirma- o desta forma: “Muitos líderes estão completamente ausentes dos canais digitais e sociais frequentados pelos seus clientes e funcionários. Não estão envolvidos de todo.

Sentem a necessidade de estar, mas não sabem como fazê-lo. Estão até aterrorizados por isso”. As tecnologias digitais podem parecer particularmente avassaladoras devido à aceleração do ritmo de mudança. “As tecnologias existentes, e aquilo de que os clientes necessitam, está a mudar mais rapidamente do que, digamos, há 15 ou 20 anos”, afirma Michael Useem, professor de gestão, diretor do Wharton Center for Leadership and Change Management, e autor de The Leader’s Checklist: 15 Mission-Critical Principles.

Os vetores da mudança

No seu núcleo, o que chamamos de transformação digital começa com a visão de qual se pretende que seja a direção da companhia. Como irão as ferramentas digitais ajudar a crescer o negócio ou a torná-lo mais eficiente? Certamente, existe uma panóplia de tecnologias digitais por onde escolher e é necessário escolher aquelas que são críticas para o negócio – mas como, quando o número de opções parece ser tão confuso?

Num estudo efetuado em 2015 pela PwC a mais de 1.300 CEOs em 77 países, as tecnologias móveis para envolvimento dos clientes foram consideradas as mais estratégicas para a transformação digital. Essa categoria capturou 81% das preferências, seguida de data mining e área analítica (80%), cibersegurança (78%), Internet of Things (65%), processos de negócio com capacitação social (61%) e cloud computing (60%). O maior benefício que os CEO veem na transformação digital é a eficiência operacional que conduz a poupanças de custos. “A transformação das estruturas de custos é um sintoma da transformação digital pela qual as companhias estão a passar”, afirma o relatório do inquérito.

Para mudar um negócio com sucesso, afirma o relatório, uma companhia deve ter duas coisas: uma visão clara de como a tecnologia poderá conceder uma vantagem competitiva – e um plano bem estabelecido que inclua medidas bem definidas de sucesso. Segundo o survey da PwC, 54 % dos CEO dizem que entraram, ou consideram entrar, num novo mercado nos últimos três anos devido à transformação digital, enquanto que 56% dizem que irão competir em novas indústrias nos próximos três anos por essa razão.

Estas oportunidades para expansão não eram apenas para as grandes empresas. Nada menos do que 51% das empresas mais pequenas, com receitas abaixo dos 100 milhões de dólares, entraram ou consideraram novos mercados em anos recentes devido à transformação digital, segundo o inquérito. Ou seja, há uma dupla oportunidade identificada por parte de muitos executivos de topo de que uma estratégia digital é crítica para o crescimento do negócio e para o sucesso competitivo. Mas também dos responsáveis pelas áreas de sistemas de informação que aspiram, naturalmente, a liderar a revolução, tomar o papel dianteiro e não apenas do de suporte ao negócio, com que são na maioria dos casos conotadas.

Mas é fundamental o estabelecimento da linguagem comum – com esforço de ambos os lados. As empresas de sucesso no ano que agora se avizinha serão, indiscutivelmente, aquelas em que os executivos de topo e os responsáveis de sistemas de informação acordem numa linguagem comum e a falem fluente e constantemente. O que está em jogo é demasiado importante para que este entendimento passe mais um ano sem acontecer.

 

Henrique Carreiro,

Docente de cloud computing e mobilidade empresarial na Nova Information Management School

Tags

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 32 Julho 2021

IT INSIGHT Nº 32 Julho 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.