Web Summit 2022

Web Summit: “somos terríveis a prever as consequências da tecnologia”

Na sua apresentação “Winning as a Responsible Business”, Rebecca Parsons, CTO da ThoughtWorks, partilhou um estudo realizado em conjunto com a MIT Technology Review sobre o papel estratégico da tecnologia responsável, bem como os obstáculos à sua adoção.

Web Summit: “somos terríveis a prever as consequências da tecnologia”

A tecnologia não é intrinsecamente neutra – no momento em que é aplicada, a forma como a aplicamos, o propósito que lhe damos, e as consequências por ela causadas conferem-lhe peso ético. Este é um tema há muito debatido, e o que trouxe ao palco Rebecca Parsons, CTO da ThoughtWorks, no primeiro dia do Web Summit. Na sua apresentação “Winning as a Responsable Company”, Parsons partilhou um estudo que a ThoughtWorks realizou em conjunto com a MIT Technology Review sobre o papel estratégico da tecnologia responsável, bem como os obstáculos à sua adoção.

O estudo define tecnologia responsável como o resultado da consideração ativa dos valores, consequências não intencionais, e impactos negativos da tecnologia, de forma a mitigar os possíveis riscos e danos nas comunidades afetadas pela tecnologia.

“Enquanto tecnólogos, somos terríveis a prever as consequências das tecnologias que criamos,” refere a responsável. 

Uma das questões abordadas por este estudo é o motivo pelo qual as empresas respondentes se preocupam com a ética na tecnologia. A resposta mais frequente é a compliance: preocupam-se porque a isso são obrigadas.

No entanto, apesar destas preocupações terem começado com a compliance, muitos negócios estão a compreender o valor estratégico da tecnologia ética e responsável, não só para transmitir uma melhor mensagem para o mercado como também para atrair investidores. E para isso têm de se perguntar:  o que está a acontecer com

Há também a questão da proteção da marca – os resultados negativos da tecnologia podem causar danos à imagem da empresa. Do mesmo modo, reforça a responsável, isto implica não só proteger como promover a imagem de marca, especialmente em termos de employer brand, e no que toca à gen z – num cenário de escassez de talentos, os colaboradores podem facilmente abandonar uma organização se sentirem que não se identificam com os seus valores, incluindo a sua responsabilidade e ética.

Parsons relata um caso de um cliente com que trabalhou, um banco australiano, que na altura estava a tentar, no fundo, construir um manifesto do que poderia ou não fazer com os dados do cliente. No início, previam completar o projeto em três meses – seis meses depois, durante a primeira reunião com a consultora, previam acabar nos três meses seguintes.

“Estas coisas são difíceis, porque têm de se deparar com questões como escolher entre o lucro e a ética. Nem sempre é possível ter ambos. Tudo isto demora tempo e requer, acima de tudo, transparência.”

Entre as barreiras à adoção de práticas éticas, o estudo aponta principalmente para a falta de suporte e consciencialização da liderança de topo. Tudo o que requeira investimento de fundos e tempo requer o suporte dos decisores da empresa, e isto requer que eles compreendam a necessidade destes investimentos, algo que nem sempre é fácil de conseguir. Em segundo lugar, vem também a resistência da própria organização à mudança, incluindo em termos da própria literacia digital.

“Muitas pessoas ainda acreditam que um algoritmo é por natureza imparcial, sem consciência de que o algoritmo foi escrito e treinado com pessoas e, como tal, está sujeito às suas falhas de julgamento.”

Como tal, investir na transparência acima de tudo, em saber o motivo por detrás de cada decisão tomada por um algoritmo, e quem é responsável por essa decisão ter sido tomada, é o eixo de qualquer esforço de ética na tecnologia. Noutras palavras, a tecnologia é o quisermos fazer dela e, como tal, torná-la responsável e ética está nas mãos de cada pessoa responsável pela sua conceção e aplicação:

“Podemos tornar a tecnologia mais responsável se acreditarmos que podemos, e insistirmos em fazê-lo,” conclui. “E temos de insistir.”

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 40 Novembro 2022

IT INSIGHT Nº 40 Novembro 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.