Web Summit 2022

Web Summit: organizações criam equipas para se prepararem para a computação quântica

No palco Deep Tech, no segundo dia do Web Summit, falou-se de computação quântica e de como, independentemente se entendemos ou não o conceito, vai mudar as nossas vidas

Web Summit: organizações criam equipas para se prepararem para a computação quântica

Há alguém que perceba mesmo a [computação] quântica?”. É esta a pergunta que está na descrição da sessão “Will quantum computing revolutionise our daily lives?” que contou com Ilana Wisby, CEO do Oxford Quantum Circuits no segundo dia do Web Summit. A resposta aparece logo à frente: “sim ou não, é provável que o quantum vai ter um grande papel na definição do nosso futuro”.

Mas, afinal, o que é computação quântica e quais as diferenças para a computação ‘tradicional’ a que estamos habituados? “A computação quântica não é simplesmente uma nova ou mais rápida ou melhor forma de processamento; o que traz são novos princípios. Não está circunscrito ao binário, aos zeros e aos uns; em vez disso, temos acesso a uma infinidade de aplicações, temos o zero e o um e tudo o que está no meio. Isso é uma mudança de paradigma de capacidade de tecnologia e há um grande número de aplicações que são revolucionárias para a computação”, explicou, logo no início da sessão, Ilana Wisby.

O Oxford Quantum Circuits, ou OQC, é um spin-off da Universidade de Oxford e define-se como uma empresa de Quantum Computing-as-a-Service pure player. “O que isso significa é que construímos computadores quânticos, o stack completo, e – através de propriedade intelectual da universidade – controlamos o hardware, o software e conectamo-nos à cloud para que os clientes possam correr algoritmos diretamente nos nossos sistemas”, afirma Wisby, acrescentando que o serviço está disponível na Amazon Web Services em acesso público e privado.

Quando se fala de computação quântica, fala-se de QuBits, o poder de processamento do computador. Para Ilana Wisby, as pessoas julgam os sistemas com base nesta métrica, “mas não é simplesmente sobre o número de QuBits; temos de ter muitos QuBits, mas não vale a pena construir sobre muitos QuBits se depois a qualidade dos QuBits em si é pior”. Wisby refere que vemos empresas a construir grandes sistemas, mas as capacidades desses mesmos sistemas estão a ficar piores.

Onde a computação quântica está a ser utilizada

Ilana Wisby partilhou com a audiência que os clientes da OQC estão a utilizar a computação quântica em verticais chave, como o setor financeiro, que procura diferentes otimizações e pensam no que podem fazer no futuro. Atualmente, o setor financeiro utiliza a tecnologia para, por exemplo, análise de portfólio e algumas otimizações de pequena escala.

A maioria dos projetos ainda está em fase piloto. Há várias provas de conceito e, à medida que se conectam mais QuBits, aumenta-se a qualidade e diminuem-se os erros dos modelos utilizados.

As organizações procuram não ficar de fora da onda da inovação e, no mínimo, querem experimentar a tecnologia. Wisby indica que as empresas querem ter a vantagem de serem os primeiros a experimentar a tecnologia e a olhar estrategicamente para o futuro do negócio e quais os riscos possíveis.

Vemos empresas a preparar as suas próprias equipas quantum com especialistas para aprenderem a identificarem onde a computação quântica pode ter mais impacto, mas também a aprenderem as competências internamente com os computadores de hoje para, quando o poder [de processamento] estiver disponível, possam alavancar essa equipa. Ninguém quer ficar para trás”, refere.

A soberania dos dados

Ilana Wisby refere que o objetivo da OQC é colocar a computação quântica o mais depressa possível nas mãos das pessoas para que estas possam experimentar e beneficiar todo o ecossistema.

Questionada sobre o porquê de a União Europeia querer construir um computador quântico – quando é possível aceder a um computador já existente, como o da IBM – Wisby relembra que “estamos a lidar com dados, dados muito sensíveis. Os governos estão a dar muita atenção porque isto é visto como uma tecnologia de importância estratégica, não só pela liquidez, mas também pelo impacto nos mercados”.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 41 Janeiro 2023

IT INSIGHT Nº 41 Janeiro 2023

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.