Web Summit 2022

Web Summit: “se não houver adaptação apropriada, até as empresas mais antigas se podem desmoronar”

No primeiro dia da conferência, o palco MoneyConf acolheu discussões sobre o atual clima económico, os mercados, os serviços financeiros, a digitalização e o futuro das empresas

Web Summit: “se não houver adaptação apropriada, até as empresas mais antigas se podem desmoronar”

Lisboa acolhe mais uma vez o Web Summit. A afamada conferência de tecnologia, inovação e empreendedorismo decorre até dia 4 de novembro e são dezenas de milhares os que se aproximam do Parque das Nações para ouvir, conversar e experienciar o que o evento internacional tem para oferecer. 

No primeiro dia do Web Summit, o palco MoneyConf recebeu variadas discussões sobre serviços financeiros, digitalização, e atuais disrupções macroeconómicas. Para falar sobre como as Pequenas e Médias Empresas (PME) potenciam a economia global, Shane Happach, CEO da Mollie, e Kathryn Petralia, cofundadora da Keep Financial, juntara-se ao moderador John Biggs. 

É do conhecimento geral que a maior parte do tecido empresarial português é constituído por PME, realidade que também se constata a nível europeu. Em pleno 2022, são cada vez mais as modalidades de serviços financeiros – como neobancos –, contudo, de acordo com o painel, este tipo de serviço para as PME ainda é uma possibilidade frequentemente distante, acabando por ser desfavorecidas. 

Segundo o painel, ativar os pequenos negócios passa pelo conceito de adaptação, maioritariamente devido à pandemia – a novos modelos de negócio, ao digital, a novos modelos de pagamento, e ao marketing digital, que, Kathryn Petralia considera “essencial”.

Serviços financeiros do futuro

A talk seguinte lançou a pergunta: são as marcas as soluções financeiras do futuro? Roland Folz, CEO da fintech alemã SolarisBank, afirma que é importante que os serviços financeiros se reinventem – comecem com um produto e expandam a sua oferta, criando, posteriormente, produtos de forma integrada, e escalando para outros países. “Não é necessário que os clientes se movam para fora do ecossistema se houver vários produtos, todos integrados, e houver conexão”, disse.

2022 é um ano muito difícil. Acho que alguns modelos de negócio menos estáveis têm passado dificuldades com o pouco investimento existente. Há muitas mudanças a acontecerem no mercado e se não houver uma adaptação apropriada, até as empresas mais antigas se podem desmoronar”, refere. Acrescenta: “para uma startup e uma PME mais antiga os desafios são os mesmos no clima atual; se não se adaptarem, sejam [empresas] grandes ou pequenas, podem ir à falência”. 

No caso concreto dos serviços financeiros, o CEO do SolarisBank reitera que o desafio para os bancos tradicionais é desenvolverem uma verdadeira proposta de valor, que acrescenta algo. “É uma proposta de valor dizer só que são seguros? Não é. Agora, nem há nenhuma razão para se ir fisicamente a um banco. Quando se quer recorrer a um serviço financeiro, quer-se opções”.

Confiar ou não confiar? Eis a questão

Finalmente, a terminar as sessões da tarde do MoneyConf, subiu a palco a mesa-redonda “crypto: after the trust is gone”, que juntou a CEO e cofundadora da Unit21, Trisha Kothari, o cofundador do NFT Factory Paris e CryptoAssets Insititute, Ethan Pierse, e a CEO da OpenPayd, Iana Dimitrova.

Tocando no mote do debate, Ethan Pierse começou por dizer que considera que “a confiança na Web3 e nas criptomoedas não desapareceu”. Iana Dimitrova concorda, e vai mais longe: “não foram as criptomoedas enquanto tecnologia que falharam; o que falhou foram alguns atores relacionados, da mesma forma que os bancos tradicionais nos falharam em 2008. Quando perguntamos se a confiança desapareceu, estamos a falar da confiança na tecnologia, nos ativos ou nas regulamentações? A razão para vermos fracasso não tem a ver com os fundamentos ou com a tecnologia de criptomoedas em si, tem a ver com pessoas com demasiado poder e com a inevitável ganância”. Mais, completa: “há algumas falhas de confiança e pode haver menos investimento dos consumidores, mas há cada vez mais instituições a colocarem os seus fundos em criptomoedas”. 

Ethan Pierse explica que “há pessoas a fazerem scams e isso não tem nada a ver com criptomoedas; tem a ver com o fator humano e com engenharia social”. A cofundadora da Unit 42 afirma que a solução está num maior investimento das empresas em avaliar a existência de scams e na sua resolução”. Mas, segundo conta Iana Dimitrova, “agora que os gráficos estão menos apelativos, os scammers começam-se a afastar também”. 

Finalmente, Ethan Pierse afirma acreditar que “há casos de uso de criptomoedas que não precisam de ser regulados porque não têm valor financeiro”. Iana Dimitrova discorda e afirma que a regulamentação “tem a ver com a proteção dos princípios humanos fundamentais e, por isso, a regulamentação tem de cobrir vários aspetos dos sistemas de criptomoedas, inclusiva avaliar quem pode ser responsabilizado quando as coisas falham”.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 41 Janeiro 2023

IT INSIGHT Nº 41 Janeiro 2023

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.