Schneider e AVEVA debatem digitalização em momentos de crise

No âmbito do evento AVEVA Digital World, as duas empresas juntaram-se numa round table, moderada pela IDC, para explorar o papel da transformação digital em épocas de crise e disrupção

Schneider e AVEVA debatem digitalização em momentos de crise

Não é segredo nenhum que a atual pandemia e subsequente crise económica estão a criar uma dinâmica interessante face à transformação digital. A resistência a novos investimentos é muito maior, mas, paradoxalmente, muitas empresas deram em poucos meses um salto tecnológico de anos de forma a manter a competitividade e continuidade de negócios nesta altura de grande disrupção.

Foi precisamente este o tema da primeira edição do AVEVA Digital World, que decorreu remotamente nos dias 16 e 17 de junho sob o moto “Digital Resilience for Turbulent Times”. Organizada com o suporte da Schneider Electric, que anunciou recentemente uma nova parceria estratégica com a AVEVA, a conferência contou com uma mesa redonda entre Jean Pascal Tricoire, CEO da Schneider Electric, e Craig Hayman, CEO da AVEVA, e moderada por Kevin Prouty, VP do Grupo IDC Energy and Manufacturing Insights.

O debate focou-se em examinar o papel da transformação digital em tempos de grande disrupção e de que forma as empresas podem e estão a usar a tecnologia para alavancar os seus negócios no panorama económico desfavorável que estamos a atravessar.

 

Impacto e recuperação

À medida que os países começam a reabrir as suas economias, as empresas estão a recuperar a ritmos diferentes, dependendo da indústria, dimensões e características. Segundo um survey realizado pela IDC no final de maio, um terço das empresas já saíram do lockdown mas ainda estão a desenvolver uma estratégia para regressar à normalidade, e um quarto das empresas, já não estando em lockdown, ainda estão em modo de recessão, a analisar as novas dinâmicas de mercado para reajustarem os seus processos.

Por outro lado, mais de um quarto das empresas estão a sair do modo de recessão – algumas por acelerarem os seus negócios, outras ao tomarem mesmo vantagem da situação.

“Uma grande percentagem está a tomar partido das fraquezas da sua concorrência durante a crise para ganhar terreno no mercado,” explica Kevin Prouty, dando como exemplo o caso da produção alimentar.

No investimento em tecnologia, a indústria fabril foi o setor mais impactados pela pandemia, tanto em operações como no investimento feito em tecnologia. Contudo, empresas produtoras de bens essenciais, cuja procura não foi afetada pela paragem da economia, e que, por terem investido previamente na automação das suas fábricas, puderam manter-se à frente da concorrência, uma vez que puderam continuar a sua produção sem comprometer a segurança dos funcionários e dos consumidores e, face à redução da concorrência, ganharam uma enorme vantagem competitiva. 

“Empresas mais preparadas digitalmente que já tinham começado a construir capacidades digitais específicas para as suas operações são as que estão a recuperar mais rapidamente”, conclui IDC

 

O poder da digitalização

Contudo, mesmo as empresas que não tinham investido proativamente na transformação digital no passado estão a beneficiar de investimentos reativos, à medida que se apercebem não só da vantagens competitivas do digital como também do papel vital que representa na continuidade de negócio durante este período disruptivo.

Jean-Pascal Tricoire relata que “depois da pandemia, em muitos casos, os nossos cliente não tinham uma visibilidade do que estava a acontecer nas suas organizações e ninguém queria ir ao local. Havia uma grande necessidade de novas capacidades digitais para endereçar estes problemas, e o grande vencedor nesta situação foi a transformação digital”.

“A transição para o remoto é naturalmente uma grande força motriz para a transformação digital, devido ao distanciamento social que as empresas têm de implementar”, continua o responsável. “O principal catalizador da trasformação digital é a necessidade de resiliência, através de tecnologias como asset performance management e manutenção preditiva. Na procura da eficiência para dar resposta à recessão, o digital é a melhor aposta para a eficiência e flexibilidade”.

Um dos maiores desafios à adoção de soluções digitais é a inércia dentro das organizações – a resistência à mudança e a novos investimentos. O COVID-19, explica Craig Hayman, atuou como impulsionador da mudança, ao transformar vantagens em imperativos de negócio.

 “Por exemplo, muitas empresas, quando confrontadas com a possibilidade de investir em soluções de analítica pensavam que não havia essa necessidade, porque tinham funcionários no local a monitorizar as instalações”, explica AVEVA. “Mas agora, em muitos casos, deixaram de existir colaboradores nas instalações, e estas continuam a ter de ser monitorizadas”.

Por este motivo, muitas empresas estão a tomar partido da situação atual para repensar os seus modelos de negócios e construir as fundações para o futuro das suas operações 

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.