RGPD gera novos postos de trabalho em Portugal

Estima-se que sejam necessários mais de 36 mil profissionais, denominados Data Protection Officers (DPO) em toda a Europa

RGPD gera novos postos de trabalho em Portugal

A DPO Consulting lançou duas novas edições do DPO PRO, um programa de formação de Data Protection Officers, em parceria com a Associação Empresarial de Portugal (AEP). Com duração total de 48 horas em regime pós-laboral, a formação destina-se a todos os profissionais que sejam ou tenham interesse em assumir o cargo de DPO e tem início no próximo dia 17 de fevereiro, em Lisboa, e dia 21 de fevereiro no Porto.

O Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) e a promulgação da respetiva lei de execução nacional deram origem a um novo quadro legal que veio obrigar todas as organizações a desenvolverem políticas restritas de tratamento e gestão de dados pessoais. Ao abrigo do artigo 37.º do RGPD, entidades públicas e privadas necessitam de um responsável que garanta o cumprimento de todas as regras e novas obrigações: um Data Protection Officer (DPO), ou Encarregado de Proteção de Dados. Estima-se que, atualmente, sejam necessários mais de 36 mil profissionais nesta área em toda a Europa.

O programa DPO PRO legitima atuais e futuros DPO para esta função, tornando-os capacitados para a implementação otimizada das Políticas Organizacionais de Privacidade, Proteção de Dados e Segurança da Informação exigidas pelo RGPD nas organizações. Com recurso a um painel de formadores de excelência, uma forte componente prática e vertente de auditoria, o DPO PRO percorre todas as fases fundamentais da área, desde o enquadramento histórico à cibersegurança. O total de 48 horas de formação é distribuído por dois dias por semana, de quatro horas cada, ao longo de seis semanas e em regime pós-laboral.

Elsa Veloso, Advogada, Certified Information Privacy Professional Europe e Diretora Científica da Formação DPO PRO, explica que “a procura por Encarregados de Proteção de Dados devidamente qualificados, conhecedores do RGPD e das melhores metodologias e práticas nesta matéria, tem registado um aumento muito interessante em Portugal, seja em modelo interno ou em outsourcing”.

A especialista deixa, contudo, o alerta. “É inegável que existe um longo caminho a percorrer pelas empresas nacionais, públicas e privadas, na resposta aos requisitos e compliance com o RGPD. Este é um tema crucial para as organizações e deve ser tratado como tal, não só pelas penalizações financeiras associadas ao incumprimento, como pelos riscos ao nível da reputação”.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 24 Março 2020

IT INSIGHT Nº 24 Março 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.