GMV recorre ao Big Data para personalizar tratamentos clínicos

A tecnologia da GMV irá disponibilizar aos médicos informações sobre padrões comportamentais de algumas das doenças crónicas mais frequentes e de quem sofre das mesmas. Deste modo, será possível os especialistas personalizarem os tratamentos e melhorar a sustentabilidade do sistema de saúde

GMV recorre ao Big Data para personalizar tratamentos clínicos

No âmbito do projeto PAPHOS, promovido pela EIT Health, a GMV irá suportar a criação de uma plataforma através da implementação de tecnologias analíticas para permitir aos stakeholders de saúde passarem da fase dos relatórios para a fase de prognóstico e, finalmente, para a fase de prescrição.

Resultante deste projeto, os dados obtidos a partir da troca de informações entre diferentes hospitais e sistemas de saúde, aplicando técnicas de data-mining, serão recolhidos e simplificados, dando aos especialistas a possibilidade de tomar decisões com base em factos. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, a taxa de doentes crónicos em 2020 será de cerca de 80%, pelo que este projeto quer não só melhorar a qualidade de vida dos doentes crónicos mas também ajudar a otimizar recursos.

As principais tendências tecnológicas para análise de dados como automatização, cibersegurança, comunidades inteligentes, comunicações omnicanal e cloud computing vieram para ficar. Na realidade, estas tecnologias estão já a mudar a relação entre pacientes e os sistemas de saúde. Como pilares da Transformação Digital para o setor da Saúde, contribuem para aumentar a eficiência médica e melhorar a colaboração entre os utilizadores de saúde e os seus prestadores. Da mesma forma, tornam possível que o paciente adote uma atitude ativa, tomando decisões sobre a sua própria saúde com base nas informações disponíveis e desta forma aceitar ser responsável por ela.

O PAPHOS, condutor da transformação digital no tratamento das informações de saúde, trabalha com dados (estruturados e não estruturados) que, uma vez processados, geram evidências para a tomada de decisões clínicas. Tendo em conta tratar-se de informação sensível, a GMV desenvolve o seu trabalho obedecendo a todas as normas de segurança e privacidade.

Juntamente com o grupo tecnológico GMV, o PAPHOS contou com a participação de outras empresas, centros de investigação e universidades como ATOS, Aventyn, Bull, Ceateach, Universidade Politécnica de Madrid, Universidade de Grenoble-Alpes, Universidade Pierre e Marie Curie (UPM) de Paris e o Real Instituto de Tecnologia de (KTH) de Estocolmo.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!