Maioria dos executivos encaram sustentabilidade como custo e não como investimento

Estudo revela que os principais impulsionadores das iniciativas de sustentabilidade são a pressão dos atuais e futuros trabalhadores e a necessidade de antecipar uma regulamentação futura mais rigorosa

Maioria dos executivos encaram sustentabilidade como custo e não como investimento

Apesar das empresas compreenderem as exigências da sustentabilidade e a maioria já ter anunciado os seus objetivos para a neutralidade carbónica, há um fosso entre as ações de curto prazo e os planos e ambições de longo prazo. As conclusões são de um novo estudo global do Research Institute da Capgemini, intitulado “A World in Balance – Why sustainability ambition is not translating to action”, que quis apurar se as empresas estão a levar as questões ambientais a sério e a avaliar o seu progresso ao longo dos anos.

O estudo, que terá periodicidade anual, inquiriu 2.004 quadros superiores de 668 grandes grupos empresariais (com um volume de receitas anuais superior a mil milhões de dólares) nos principais setores de atividade em 12 países. Dos inquiridos, apenas 21% considera que a informação sobre o ROI em medidas ambientais que possui é clara; e salienta que os business cases de implementação das medidas de sustentabilidade são subestimados ou mal compreendidos.

Embora as questões ambientais estejam a ser integradas em novas estratégias corporativas, e 64% dos quadros superiores inquiridos tenham confirmado que estes temas estão na agenda de cada membro da equipa executiva das suas empresas, o estudo revela a existência de um fosso entre a ambição das empresas no que diz respeito à ação climática e as ações concretas: menos de metade (49%) referiu ter uma lista definida de prioridades para os próximos três anos, e pouco mais de um terço (37%) disse que a sua empresa está a repensar o seu modelo de funcionamento à luz destes temas. 

No total, no que diz respeito a iniciativas ambientais, o nível médio de investimento das empresas com mais de 20 mil milhões de dólares em receitas representa apenas 0,41% do seu volume total.  Já as empresas com receitas entre os mil e cinco mil milhões de dólares investem mais (2,81% em média). 

O estudo revela, também, que muitas empresas não têm uma visão integrada e de coordenação sobre os esforços de sustentabilidade de todas as suas operações, e que as várias equipas continuam a trabalhar em silos. Por exemplo, apenas 43% dos inquiridos dizem que os dados relacionados com a sustentabilidade estão disponíveis e são partilhados dentro de toda a organização, e apenas menos de metade (47%) das empresas estão a recrutar ativamente novos talentos com fortes competências na área da sustentabilidade.

Muitas empresas compreendem os desafios da sustentabilidade, mas as organizações precisam de alinhar estratégias clara e objetivos de curto prazo para poderem alcançar resultados concretos que permitam que a sociedade não ultrapasse os limites”, afirma Cyril Garcia, CEO da Capgemini Invent e Executive Board Member do Grupo Capgemini.

Neste momento, os principais impulsionadores das iniciativas de sustentabilidade são a pressão dos atuais e futuros trabalhadores (para 60% dos gestores inquiridos) e a necessidade de antecipar uma regulamentação futura mais rigorosa (57%). Já 52% dos inquiridos espera que estas iniciativas venham a repercutir-se num aumento das suas receitas no futuro. 

A maioria das empresas coloca reservas nesta matéria, porque receia as implicações financeiras que as iniciativas possam ter no curto prazo nos custos. A sustentabilidade é frequentemente vista como um centro de custos, em vez de um centro de valor, particularmente no contexto do panorama macroeconómico global. Apenas 21% considerou que o ROI para o seu negócio é claro. Para 53% o custo destas iniciativas supera o seu potencial benefício. No entanto, contrariamente, o estudo prova que que as organizações que deram prioridade aos investimentos em sustentabilidade já apresentam melhores resultados do que aquelas que não o fizeram.

É agora ou nunca, se quisermos limitar o aquecimento global a 1,5°C. A mudança tem de vir do topo. Precisamos de ver as empresas a dinamizarem os seus modelos de negócio para desenvolverem produtos e serviços sustentáveis. Este é um investimento no futuro. Com o aumento da regulação e da pressão da sociedade civil, resultando num maior escrutínio por parte dos consumidores e dos investidores, as empresas que tardam em concretizar as suas ambições, arriscam-se a que os seus atuais económicos se tornem obsoletos nos próximos anos. E quem quererá gerir uma empresa que não seja sustentável?”, continua Cyril Garcia

De acordo com os investigadores, as empresas estão mais conscientes da pegada ambiental do IT e estão a recorrer a novas ferramentas para atingir os seus objetivos. 55% dos gestores inquiridos dizem que a sua empresa sabe qual a é a emissão de carbono das suas IT, apps, sistemas de IT e data centers. O valor aumenta para os 63% no setor da indústria e situa-se nos 61% no setor dos produtos de consumo e energia. 

Para atingirem os seus objetivos de sustentabilidade, 58% das organizações afirmaram que já estão a usar a IA e a automação (em particular no setor energético (72%), e mais de metade (54%) das organizações a nível global estão a investir em tecnologias digitais como a AR/VR, ou em ferramentas de colaboração para reduzir as viagens dos colaboradores.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 41 Janeiro 2023

IT INSIGHT Nº 41 Janeiro 2023

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.