NATO, EUA E UE acusam China de campanha global de ataque

Em causa está a “cibersabotagem sistemática” que terá atingido os e-mails da Microsoft no início de 2021

NATO, EUA E UE acusam China de campanha global de ataque

Os EUA, a União Europeia, a NATO e outras potencias mundiais acusaram formalmente o governo chinês de ter orquestrado uma ampla campanha de ciberataques. A acusação inclui o ataque ao servidor de e-mails da Microsoft, que atingiu mais de 250 mil contas, de onde foram roubados dados pessoais dos utilizadores. Trata-se da primeira declaração da Aliança Atlântida que responsabiliza Pequim pelos hackings, atualmente dos maiores desafios a nível de segurança global.

O Reino Unido fala em ciberataques em massa, os EUA num “ecossistema de hackers” e a União Europeia exige medidas para detetar, investigar, responsabilizar e cessar atividades maliciosas, alegadamente instrumentadas pelo Estado-Nação.

Em comunicado, a Casa Branca denunciou que “o padrão de comportamento irresponsável de Pequim” é “inconsistente” com o objetivo do gigante asiático de ser “um líder responsável no mundo”. Afirma ainda que a China promove ciberataques “para benefício financeiro próprio”, o que, na opinião de Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, criou um “ecossistema de hackers” que sustenta ataques informáticos a outras nações. Ao mesmo tempo, o Departamento da Justiça dos EUA acusou quatro responsáveis chineses – três oficiais de segurança e um hacker contratado - de alvejar dezenas de empresas, universidades e agências governamentais.

Num comunicado oficial da UE lê-se que  “denunciam veemente estas atividades cibernéticas maliciosas, realizadas em contradição com as normas de comportamento de um Estado responsável, endossadas por todos os países que integram a ONU” e acrescentam que “continuamos a insistir que as autoridades chinesas adiram a essas normas e não permitam que o seu território seja usado para ataques informáticos, assim como para que tomem as medidas disponíveis e viáveis para detetar, investigar e resolver a situação”.

Já Josef Borrell, o Alto Representante da UE para a Política Externa declarou que os 27 países-membros urgem a China a não permitir que “o seu território seja usado para atividades cibernéticas maliciosas”. A UE alega que o ataque à Microsoft foi executado por dois grupos de hackers APT que atuam a partir de território chinês, conhecidos como Advanced Persistent Threat 40 e Advanced Persistent Threat 31.

Em comunicado, o Reino Unido apela que Pequim - que levou a cabo programas de “espionagem em grande escala” - cumpra o compromisso assumido “como parte do G20, não realize ou apoie o roubo cibernético de propriedade intelectual de segredos comerciais”. Citado pelo The Guardian, Dominic Raab, chefe da diplomacia britânica, assegura que a China “terá de prestar contas” se não colocar um fim “a esta cibersabotagem sistemática”.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 32 Julho 2021

IT INSIGHT Nº 32 Julho 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.