Faltam milhões de profissionais de cibersegurança

Um estudo do ISC revela que o perfil dos profissionais de cibersegurança inclui formação superior e experiência profissional. No total, faltam três milhões de profissionais desta área em todo o mundo

Faltam milhões de profissionais de cibersegurança

A Seresco divulgou as mais recentes conclusões da análise sobre o mercado de cibersegurança global, desenvolvido pela PSA, e concluindo que os perfis destes profissionais incluem formação superior e licenciatura, experiência acima de uma década, justificando os ordenados elevados praticados e a escassez estimada de três milhões de profissionais em todo o mundo.

A utilização da Inteligência Artificial, das tecnologias cognitivas e da robótica para automatizar e aumentar o trabalho, está em plena ascensão, e por isso o redesenho de empregos em vários setores é já uma realidade. Os empregos de maior procura e com a aceleração mais rápida de remunerações são os empregos “híbridos", refere a Seresco, ou seja, os que reúnem habilidades técnicas, incluindo operações a nível de tecnologia e operações a nível de análise e interpretação de dados com habilidades mais leves, em áreas como comunicação, serviço e colaboração.

De acordo com a análise da PSA divulgada pela Seresco, especificamente no mercado de cibersegurança, o fator social tem sido também um dos pontos de viragem. As empresas estão cada vez mais sociais: há uma década, as redes sociais eram relativamente novas mas hoje, após o boom do digital, estas mesmas redes sociais são o centro do marketing e são a ferramenta usada para obtenção de algumas vantagens competitivas. A nível de emprego, esta realidade também obrigou a uma importante alteração da vida, com o avanço da tecnologia e a acessibilidade à Internet, o requisito do local de residência deixou de ser fundamental; os colaboradores deixaram de “ser locais” e muitas são já as empresas que trabalham com funcionários de várias partes do mundo, o conceito global.

Algumas conclusões igualmente interessantes quando analisado este mercado a nível de Recursos Humanos e Salarial prendem-se com a formação académica dos profissionais do mercado de cibersegurança. A PSA conclui que existe neste perfil um elevado grau de formação educacional, estima-se que cerca de 39% têm licenciatura e outros 34% um mestrado e grau de especialização e experiência profissional relevante de cerca de 13 anos em média. O que leva a que seja mais compreensível o salário anual médio praticado. A título de referência por ser nesta área um dos mercados pioneiros, são os EUA cujo salário médio anual corresponde a cerca de 76.700 euros por ano.

Sabendo que o perfil é bastante procurado e bem remunerado, uma pesquisa da ISC confirma que a escassez de profissionais de segurança cibernética é de quase 3 milhões em todo o mundo.

No futuro, sublinha a Seresco, algumas das profissões cujos indicadores nos dizem serão mais apelativas dentro do que é o mercado de cibersegurança temos as de Cloud Computing Segurity, Penentration testing, Threat Intelligence Analysis, Forensis e, mais importantes no que diz respeito a especialização e aumento da procura, Governance Task Management and Compliance, Security analysis, Risk assessment, Analysis and Management e Security Engineering.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 21 outubro 2019

IT INSIGHT Nº 21 outubro 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.