Empresas portuguesas preocupadas com ciberataques

De acordo com o mais recente estudo “A Visão das Empresas Portuguesas sobre os Riscos 2019” elaborado pela Marsh, os ciberataques são o que mais está a preocupar as empresas portuguesas. As organizações não estão, no entanto, apenas preocupadas com os riscos de um ataque dirigido a si, mas também de possíveis ciberameaças que o mundo possa enfrentar

Empresas portuguesas preocupadas com ciberataques

Este estudo, que se realiza pelo quinto ano consecutivo, tem como principais objetivos identificar os potenciais riscos que as empresas consideram que o mundo e elas próprias irão enfrentar e analisar a evolução do papel da gestão de riscos nas empresas portuguesas. 

Para a realização deste estudo, a Marsh contou com a participação de cerca de 170 empresas portuguesas, pertencentes a 22 setores de atividade, com diferentes volumes de faturação, bem como de número de colaboradores. Dentro das empresas inquiridas, 81% não são cotadas em bolsa. Este estudo nacional, realizado pela Marsh, pretende estabelecer uma ponte com o “Global Risks Report 2019”, desenvolvido pelo World Economic Forum e que contou com o apoio de parceiros estratégicos, como o Grupo Marsh & McLennan Companies.

De acordo com o presente estudo da Marsh, 66% das empresas portuguesas consideram que os “ataques cibernéticos em grande escala” são o principal risco que o mundo poderá vir a enfrentar em 2019, seguido de “crises fiscais e financeiras em economias chave”, com 50%. Em terceiro lugar, surgem os “eventos climáticos extremos”, com 36%; em quarto lugar com 34%, a “instabilidade social profunda” e em quinto as “catástrofes naturais”, com 32%.

Ao analisar a evolução dos resultados ao longo dos últimos 5 anos, destaca-se o desaparecimento dos ataques terroristas em larga escala do top 5. Este era um risco que figurava desde 2015 no top 5 de riscos que as empresas consideravam que o mundo viria a enfrentar. De destacar, ainda, o desaparecimento das crises de água - risco que marcou presença apenas no top 5 de 2018 - e o reaparecimento da instabilidade social profunda, que já não figurava no top desde 2017. O risco crises fiscais e financeiras em economias chave - presença assídua neste top 5 - regressa, em 2019, à segunda posição, depois de em 2018 ter caído até ao quarto lugar; os riscos eventos climáticos extremos e catástrofes naturais consolidam este ano a sua presença no top 5, assumindo, as terceira e quinta posições respetivamente.

Sobre os riscos que as empresas receiam vir a enfrentar no ano de 2019, os “ataques cibernéticos” são os que têm maior probabilidade de ocorrer, segundo 58% das empresas inquiridas. 

“Este estudo demonstra aquilo que fomos constatando no terreno junto das empresas: uma forte perceção das vulnerabilidades face a uma dependência quase total das tecnologias, sendo os ataques cibernéticos a maior preocupação; uma noção de que a instabilidade geopolítica mundial vivida, em especial no último ano, pode levar a uma nova crise e, consequentemente, a forte instabilidade social; uma consciência de que os eventos climáticos extremos não são mais de carácter extraordinário e que vieram para ficar; um receio de que, apesar da recuperação, Portugal não consiga atrair e reter talento, fator chave para poder reagir a uma concorrência cada vez mais feroz”, comenta Fernando Chaves, Especialista de Risco da Marsh Portugal.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 19 Maio 2019

IT INSIGHT Nº 19 Maio 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.