Mesa-Redonda

O presente (e o futuro) da cibersegurança

Ter acesso às mais recentes tecnologias é uma necessidade para qualquer organização que queira mitigar – tanto quanto possível – as ciberameaças que diariamente aparecem. Bitdefender, Claranet, HardSecure, Huawei, Logicalis, Noesis, S21sec e VisionWare partilham a sua visão sobre o presente e o futuro da cibersegurança

O presente (e o futuro) da cibersegurança

Hoje, a cibersegurança é o mercado dentro do IT com o maior crescimento e dos que mais inovações tem. A escassez de talentos para integrar equipas, a velocidade do desenvolvimento tecnológico e a diversificação e sofisticação das ameaças são alguns dos desafios que se impõem às organizações.

Por estas razões, muitas organizações precisam de ter acesso a novas tecnologias que enfrentem os desafios que vão aparecendo quase diariamente, sejam apenas novos métodos de ataque ou novas tecnologias que ajudam quem ataca.

 

Como consideram que estão a evoluir as ciberameaças? Como se está a processar a mudança dos vetores de ataque?

 

“Quando olhamos para o panorama europeu, é óbvio que grande parte das pessoas ouve falar da NIS 2, mas (...) estamos a falar de um conjunto de iniciativas que foram postas em prática”


Nuno Teodoro, Huawei

Nuno Teodoro, Cyber Security and Privacy Officer, Huawei: “Continuamos a ver que os principais vetores de ataque se focam em temas como engenharia social, más configurações – como em serviços de cloud –, ransomware e malware, ameaças internas nas organizações e, sobretudo, ataques através do supply chain. Continuamos a ver uma tendência de que não são os novos e mais disruptivos vetores de ataque os mais impactantes na segurança das organizações, mas coisas básicas como falta de patching”

Ricardo Marques, Head of Consulting, S21sec: “O que vemos é que há um conjunto de ataques que vão continuar e vão ser mais sofisticados. O phishing continua a ser um vetor de entrada para depois atacar uma empresa – quer seja por ransomware ou roubo de credenciais – para fazer estragos e destruir alguns sistemas. Vemos casos de ataques de phishing contra utilizadores onde é instalado malware e se acaba por roubar credenciais de administradores de cloud”

Bruno Castro, Founder & CEO, VisionWare: “O fator humano continua a ser um ponto importante; diria que até já foi mais, mas ainda continua a ser importante. Temos algo que está a aparecer de forma mais surpreendente que é termos grupos de cibercriminosos que se estão a especializar por setor e pelas soluções que suportam esse setor. Por exemplo, na educação, focam-se em plataformas de e-learning e cada vez que há uma falha near zero-day já estão a robotizar e a procurar alvos”

“Quando as organizações externalizam a sua cibersegurança têm de olhar para duas coisas: para a solução e, segundo, o nível de cibersegurança que tem essa empresa a quem se está a contratar serviços de cibersegurança”


German Escuela, BitDefender

 

German Escuela, Renewals & Retention Representative, Bitdefender: “Os vetores não mudaram muito; o que mudou foi a complexidade. A engenharia social, por exemplo, está a evoluir a um passo acelerado. A cibersegurança não é estática. Antes não existiam ataques através dos telefones porque eram analógicos. À medida que vamos introduzir mais computação na nossa vida, obviamente que abrimos muito mais portas para os atacantes”

Miguel Azevedo, IT Specialist, Noesis: “Mais do que a evolução dos vetores de ataque, o que evoluiu foi a eficácia e a sofisticação. A sensibilização dos utilizadores continua a ser bastante importante, até para terem uma noção do risco e do impacto que determinados tipos de ações podem ter e continua a ser uma vulnerabilidade nas organizações a quem nem sempre se dá a devida atenção”

A segurança da cloud é fundamental à medida que as organizações avançam na sua jornada de transformação digital. Como é que as empresas podem mitigar as ameaças contra os serviços cloud?

 

“Devemos ter uma perspetiva do colaborador não como elo mais fraco, mas como asset; a organização tem de formar para que o colaborador seja uma parte integrante da linha de defesa”


David Grave,Claranet

David Grave, Cybersecurity Director, Claranet: “Nos últimos dois anos, mais de 60% das organizações iniciaram um processo de transformação digital acelerada com a migração dos seus workloads para a cloud e 70% destas organizações dizem que vão adotar estratégias multicloud. O que não acompanhou esta evolução na cloud foram os técnicos; continuamos a suportar em cima das mesmas pessoas que tinham que administrar o on-premises a administração da cloud. 80% dos vetores de ataque que estamos a ver – e na cloud – são os mesmos vetores de ataque”

Fábio Mestre, Head of Pentest & Cyber Threat Intelligence, Hardsecure: “Os vetores continuam a ser os mesmos. Nos ambientes cloud aumentou-se a resiliência, a disponibilidade dos sistemas, mas o fator humano continua a ser um dos vetores mais utilizados para comprometer estes serviços e problemas de configuração. Quem fazia a gestão do on-prem começou a fazer a gestão da cloud e não atualizou o seu know-how para perceber como é que um serviço na cloud difere de um serviço on-premises, que tipos de configurações é que têm de ser feitas”

“É preciso segregar os ativos uns dos outros e das conexões para o exterior, mas preservar evidências para perceber a anatomia de um ataque e como é que ele começou e fazer uma análise forense”


Fábio Mestre, HardSecure

 

Nuno Teodoro, Huawei: “Quando se fala de cloud – já para não falar das empresas que acham que mover sistemas de data center para cloud é fazer uma digitalização –, a capacitação dos profissionais quando embarcam nesta jornada do que são ambientes cloud fica sempre a meio gás. Quando é que foi a última vez que estas empresas ficaram, de facto, a avaliar como é uma arquitetura bem conseguida de cloud – híbrida ou não – que estão a implementar na organização?”

Os ataques de engenharia social são cada vez mais direcionados. Como é que as organizações se podem proteger contra este tipo de ataques?

Ricardo Marques, S21sec: “A engenharia social vai continuar a acontecer e vai ser muito mais sofisticada. Aqueles emails que víamos há uns anos com erros de português e com uma linguagem muito estranha deixaram de ser uma realidade; hoje, com a inteligência artificial, já é possível criar um ataque de phishing, por exemplo, muito realista, sem erros de português e direcionado a uma empresa. Além disso, os atacantes, cada vez mais, se querem atacar uma empresa específica vão estudá-la antes, ver quem são os colaboradores e vão atacar”

 

“Há um conjunto de setores que já estão bem regulamentados – como a banca e as telco – e o que estamos a ver é que, cada vez mais, a cibersegurança vai ser regulamentada”


Ricardo Marques, S21sec 

Luís Lança, CTO, Logicalis: “Existe um padrão na componente de ataque de engenharia social que é cada vez mais sofisticado e direcionado e é uma das principais ameaças que as organizações enfrentam. Há uma tática psicológica para persuadir ou enganar os utilizadores a divulgar informações críticas, ou até instalar malware nos seus dispositivos. Combinando isto com a evolução tecnológica, as possibilidades de ataque em tempo real com automação – como o deep fake – acabam por se tornar imprevisíveis”

David Grave, Claranet: “Devemos ter uma perspetiva do colaborador não como elo mais fraco, mas como asset; a organização tem de formar para que o colaborador seja uma parte integrante da linha de defesa. Ouvimos vezes sem conta que o colaborador é o elo mais fraco; não é justo. As pessoas estão a agir na maioria das vezes na melhor das suas intenções. Vamos ter de as ajudar a que as decisões que vão tomar sejam as melhores”

Como é que se reage após um ataque? Qual é o ‘playbook’ de boas e más práticas que se deve ter em consideração?

Fábio Mestre, Hardsecure: “Os ciberataques são todos diferentes. Antes de mais, o que é necessário é analisar a situação, tentar perceber o que foi comprometido, como foi, e muitas empresas têm a tendência de ‘atenção, há uma máquina infetada, temos ransomware, vamos desligar tudo’ e esse não é o caminho a seguir. É preciso segregar os ativos uns dos outros e das conexões para o exterior, mas preservar evidências para perceber a anatomia de um ataque e como é que ele começou e fazer uma análise forense” 

“Os emails de phishing são cada vez mais assertivos; o conteúdo a quem se direciona tem por base informação que é recolhida sobre o utilizador”


Miguel Azevedo, Noesis

 

Miguel Azevedo, Noesis: “Antes de acontecer, convém ter os processos bem definidos para que as primeiras linhas tenham uma linha condutora para saber como devem reagir e responder a todas as evidências. É preciso considerar que estes playbooks devem estar associados a processos de melhoria contínua porque todos os ataques são diferentes e readaptar o playbook para responder de forma eficaz a um futuro ataque

Bruno Castro, VisionWare: “Temos feito continuamente processos de recuperação a desastre em que os ataques são altamente destrutivos. Quando descobrimos que fomos vítimas de um ciberataque, montamos uma sala de crise, temos o top management envolvido e equipas multidisciplinares dentro dessa sala. Cada vez que respondemos a uma recuperação de desastre, mudamos o nosso modelo; é um processo de aprendizagem contínuo. No terreno, temos uma equipa focada na investigação forense – só faz isso –; outra a fazer a contenção, mitigação e, em último caso, um blackout face ao ataque; e uma terceira equipa que está focada em recuperar sistemas num sistema higienizado”

As competências específicas para endereçar o mercado de cibersegurança chocam com a escassez de talentos para integrar equipas próprias nas organizações. O que é que as empresas devem procurar externamente na indústria de serviços de cibersegurança, de que modo e quando a segurança como um serviço deve ser adotado?

Luís Lança, Logicalis: “A escassez de talento na área de cibersegurança é uma preocupação para todas as empresas. As empresas querem montar os seus serviços de SOC, aumentar as suas capacidades de awareness e temos vários desafios para ter elementos altamente qualificados para este contexto que vivemos e a aceleração que existe nos vetores de ataque. Quando procuramos um serviço é importante ver a especialização de cada uma das empresas, a experiência, o histórico de ações e a possibilidade de ter acesso a recursos”

German Escuela, Bitdefender: “A escassez de pessoal em cibersegurança é imensa. É difícil conseguir técnicos eficientes. Quando as organizações externalizam a sua cibersegurança têm de olhar para duas coisas: se estão a externalizar com alguém que não seja um fabricante, têm de olhar para a solução e, segundo, o nível de cibersegurança que tem essa empresa a quem se está a contratar serviços de cibersegurança”

Fábio Mestre, Hardsecure: “A falta de recursos é algo extremamente preocupante. São cada vez mais necessários mais recursos, mas também se nota no mercado querer os recursos com a máxima experiência possível, querer contratar serviços com pessoas que têm o maior número possível de certificações ou de clientes. A questão é que muitas destas empresas poderiam contratar recursos mais juniores e formá-los no seio das suas organizações, tentar incentivar o recrutamento de uma série de elementos mais novos que estão a ficar disponíveis para o mercado”

Como está a evoluir o tema da regulamentação na área de cibersegurança, tanto a nível nacional como da União Europeia?

“O fator humano continua a ser um ponto importante; diria que até já foi mais, mas ainda continua a ser importante”


Bruno Castro, VisionWare

 

Bruno Castro, VisionWare: “A nível global, prevejo uma ligação entre homeland security – a ciberdefesa, o Estado – a encaixar-se no que é o ciberespaço. Vai ser exigido ao Estado e às infraestruturas que suportem o próprio Estado, a fazer os mesmos controlos e exigências em relação ao que o privado já é obrigado a cumprir. Temos consciência que há empresas privadas que têm um fator preponderante na estabilidade do Estado e no rumo de homeland security”

Ricardo Marques, S21sec: “Há um conjunto de setores que já estão bem regulamentados – como a banca e as telco – e o que estamos a ver é que, cada vez mais, a cibersegurança vai ser regulamentada. Estão a aparecer novas regulamentações – como o DORA ou o NIS 2. Têm sido lançada novas regulamentações relacionadas com o pagamento de resgates de ransomware e há um conjunto de temas sempre a aparecer que vão ser uma realidade cada vez maior nas empresas”

 

“A escassez de talento na área de cibersegurança é uma preocupação. As empresas querem montar os seus serviços de SOC, aumentar as suas capacidades de awareness”


Luís Lança, Logicalis

Nuno Teodoro, Huawei: “A maioria das organizações ainda não percebeu o que aí vem. Quando olhamos para o panorama europeu, é óbvio que grande parte das pessoas ouve falar da NIS 2, mas não estamos a falar só da NIS 2: estamos a falar de um conjunto de iniciativas que foram postas em marcha ao abrigo da estratégia de segurança da Europa. Temos o código das transmissões eletrónicas já transposto em Portugal; temos o NIS 2 e o DORA que aí vem, sim, mas temos muitas outras iniciativas que vão tocar, principalmente, na parte da certificação”

Luís Lança, Logicalis: “O ponto principal é ver estas diferentes normativas que estão a sair e como é que as vamos agregar e simplificar para não existir tanta carga burocrática para as empresas. Na realidade, a cibersegurança é importante. No caso do decreto-lei 65/2021, o CNCS fez o enablement e agora está um pouco mais rígido e poderá aplicar coimas para que se consiga garantir que os requisitos de segurança das redes e sistemas de informação são realmente implementados” 

De que maneira é que a inteligência artificial está a impactar a cibersegurança, tanto do ponto de vista de quem ataca como de quem defende?

Miguel Azevedo, Noesis: “Na perspetiva de quem ataca, a inteligência artificial permite agilizar as ciberameaças mais eficazes e sofisticadas. Os emails de phishing são cada vez mais assertivos; o conteúdo a quem se direciona tem por base informação que é recolhida sobre o utilizador, seja por informação que o próprio utilizador partilha ou seja através de data leaks onde se recolhem outras informações sobre os alvos”

German Escuela, Bitdefender: “Isto é uma guerra e é preciso entendê-la como tal. É uma guerra onde quem defende tenta ter vantagem sobre quem ataca e onde quem ataca tenta ganhar vantagem sobre quem defende. A inteligência artificial ajuda a que os processos sejam muito mais rápidos. A inteligência artificial não é uma mente humana; são apenas parâmetros que respondem a uma programação humana. A inteligência pode simular algo, mas não pode criar nada”

David Grave, Claranet: “No lado de quem ataca, acredito que vamos ver cada vez mais a utilização de inteligência artificial; como estes senhores são altamente criativos, acredito que vamos ser surpreendidos. A inteligência artificial não vai criar nada do nada, mas vamos ver, por exemplo, o encadeamento de ataques mais sofisticados que já estão pré-programados de uma forma que não vemos até ao momento. São building blocks que, com a inteligência artificial, podem ser potenciados para lançar ataques mais sofisticados e de forma mais rápida” 

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.