Redes Cognitivas: Uma Perspetiva Otimista Sobre a AI

Editorial

Redes Cognitivas: Uma Perspetiva Otimista Sobre a AI

Com o lançamento, pela Meta, do Llama 3, um modelo de linguagem de código aberto ao nível de capacidade do GPT-4, estamos a testemunhar uma mudança crucial nos paradigmas de integração da AI na vida corrente

Capaz de funcionar eficientemente em modo local em dispositivos móveis com relativamente baixa capacidade de processamento, e capaz, também, de integrar-se perfeitamente em aplicações que correm em tais dispositivos, o Llama 3 permite a democratização da AI, tornando as interações com estes sistemas nela sustentados possíveis, em qualquer lugar, em qualquer altura. Esta inovação suporta o conceito emergente de “Rede Cognitiva”, uma ideia fulcral onde a AI e a inteligência humana convergem através de plataformas digitais e que pretende contrariar uma visão muitas vezes pessimista do papel da AI no futuro da sua integração com as atividades humanas.

O aparecimento do Llama 3 é transformador, ao permitir a integração da AI apenas com recursos locais, sem necessidade de infraestruturas de servidores de retaguarda, promovendo uma abordagem de AI ubíqua. Esta mudança promete acelerar, por exemplo, o desenvolvimento de software e o crescimento em setores como a robótica de consumo.

As Redes Cognitivas, uma fusão de redes sociais, pesquisa, redes de criação de conteúdos e AI, visam expandir as capacidades cognitivas humanas, oferecendo um suporte que sustente e eleve a inteligência coletiva. Além disso, o potencial da AI para modelar comportamentos positivos poderá influenciar as normas sociais. Interações regulares com a AI, caracterizadas por raciocínio lógico, poderão promover o diálogo construtivo e o pensamento crítico, de modo semelhante à ‘teoria das janelas partidas’, onde um ambiente melhor promove um comportamento melhor. As Redes Cognitivas não constituem apenas um salto tecnológico; são um novo paradigma para melhorar a educação, mas também as interações sociais e potencir as funções cognitivas colectivas dasociedade. À medida que observamos a proliferação de aplicações alimentadas por LLMs, vislumbramos um futuro onde a AI e os humanos coexistem de forma mais integrada. Esta é, pelo menos, a visão promovida pelo paradigma da Rede Cognitiva e que vale, decerto, a pena, ter em conta.

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.