O setor da educação vai exigir uma flexibilidade sem precedentes das suas infraestruturas tecnológicas

O setor da educação vai exigir uma flexibilidade sem precedentes das suas infraestruturas tecnológicas

A crise global causada pela COVID-19 veio colocar o e-learning em primeiro plano, uma vez que permite o acesso dos alunos ao ensino à distância e à educação on-line, enquanto as escolas estão encerradas. Agora, os alunos usam uma grande variedade de plataformas que facilitam a comunicação por videoconferência, a partilha de ficheiros, o armazenamento e acesso a dados, etc., bem como plataformas centralizadas que serrvem para enviar ou receber informações e outros materiais

Todas estas tecnologias já existiam no passado, mas seu uso tem sido residual... até agora. E a verdade é que a própria tecnologia de e-learning evoluiu rapidamente nos últimos anos. As ferramentas de hoje oferecem uma experiência única e inovadora, com características de colaboração interativa, e permitem que planos de trabalho personalizáveis ​​sejam desenhados para cada aluno. Mas agora, esta área tornou-se crítica em instituições de ensino em todo o mundo, e muitos especialistas acreditam que uma mudança no papel do professor e na maneira de ensinar começou com o advento da COVID-19, e que já nada será como dantes.

Mas este passo em frente tem que ser acompanhado de uma mudança no design das infraestruturas de TI que suportam o ensino à distância, passando das infraestruturas sólidas e rígidas atualmente em vigor para novos modelos que suportam mudanças repentinas e permitem um crescimento flexível da capacidade. E, para isso, um aspeto essencial será o armazenamento e a gestão dos dados. Seja para a recuperação de um desastre ou para adotar aplicações inovadoras que requerem grandes recursos, as infraestruturas de TI das entidades educativas devem poder crescer - e decrescer – de uma forma simples, rápida e eficiente, à medida das necessidades.

A abordagem habitual de "quando chegar a hora compramos" simplesmente já não é viável. Na maioria das vezes, os sistemas educativos são públicos e institucionalizados e, portanto, não estão prontos para uma rápida aquisição de infraestrutura. Em muitos casos, a compra da infraestrutura de armazenamento exigirá um processo complexo de RFP de centenas de milhares de euros. A verdade pura e dura é que estes sistemas não conseguem dimensionar os seus recursos com rapidez suficiente para responder a emergências, sejam médicas ou de segurança.

Educação à distância com infraestruturas inteligentes

Se analisarmos as infraestruturas típicas de e-learning, estas claramente possuem um componente de sazonalidade e respondem a um modelo de consumo dinâmico. Devem, portanto, suportar o consumo on demand e a capacidade de crescer (ou diminuir) dependendo das necessidades em cada momento. Porque, no final, os sistemas educativos não poderão transferir rapidamente o hardware do ponto A para o ponto B e instalá-lo sempre que precisarem de mais informações. E, assim, mesmo que milhões sejam gastos hoje para permitir o e-learning de emergência imposto pela próxima crise, na realidade não sabemos quando isso acontecerá, pelo que não faz sentido fazer desta medida um fardo económico.

A solução para este problema reside em dois conceitos básicos. Antes de mais, assumir o ensino à distância como algo quotidiano. Durante anos, falámos sobre a incompatibilidade dos modelos de aprendizagem do século XIX com as necessidades do século XXI; talvez tenha chegado a oportunidade de implementar a mudança de uma vez por todas.

Segundo, adote uma infraestrutura que permita que os sistemas educativos cresçam ou diminuam facilmente sempre que necessário e apenas quando for preciso. Mesmo que optem por não ir para a cloud, o modelo de consumo na nuvem privada deve ser o mesmo: flexível. E aqui reside um problema importante: dado que, no setor educativo, os orçamentos são geralmente fixados ao longo do ano, as entidades não podem recorrer aos modelos de consumo por operação (OpEx) e, ao mesmo tempo, como mencionei antes, também não podem basear o seu crescimento na aquisição de novos sistemas.

Mas estão a surgir novos modelos de infraestrutura que permitem escalar até vários níveis de Terabyte de uma forma praticamente imediata, ao mesmo tempo que oferecem modelos que eliminam a necessidade de instalar novo hardware para crescer. Isto é chamado de COD (Capacity on Demand), um conceito que oferece a elasticidade da cloud, com a opção de crescer à medida das necessidades, mas mantendo os dados nas instalações. Por exemplo, uma entidade educativa que enfrenta uma explosão de dados devido à nova situação de ensino 100% online pode usar este modelo para aumentar a capacidade e pagar à medida que os requisitos aumentam.

Em conclusão, o futuro da educação está no e-learning. A crise atual ensinou-nos isso. Devemos partir do princípio que esta realidade só vai crescer, à medida que cada vez mais professores e alunos o adotam. E as novas infraestruturas de armazenamento possibilitam esta mudança de paradigma na educação, graças a um modelo de consumo flexível que será essencial para este importante sector e para o seu desenvolvimento no futuro.

 

por Israel Serrano, Country Manager da Infinidat Iberia

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.