Do Conceito à Ação: Engenharia de Experiência Digital de Produto

Do Conceito à Ação: Engenharia de Experiência Digital de Produto

Qualquer produto digital é distribuído para os seus utilizadores em canais como smartphones, computadores e outros. A experiência do utilizador é crucial para o seu sucesso, e não existe uma boa UX sem um bom processo de engenharia

Esta ligação indissociável pede uma implementação do software development lifecycle (SDLC) estendida para que a engenharia tenha a melhor informação possível no momento da implementação, e conseguir concretizar a ideia do produto como este foi imaginado.

No caso de desenvolvimento de um produto, o processo começa antes da fase de levantamento de requisitos, em momentos de trabalho colaborativo de pessoas ligadas ao negócio e profissionais de UX research e facilitadores de ideação. Entre estudos de mercado, entrevistas com potenciais utilizadores e sessões com especialistas do negócio  que alimentam workshops de Design Thinking e de Ideation, gera-se uma imensa quantidade de informação acerca de regras de negócio, necessidades funcionais e não funcionais, que é valiosa para a engenharia no momento da implementação. Ao estender o processo de desenvolvimento de software para incluir este momento, estaríamos a entrar naquilo que é o processo de desenvolvimento de produto (PDLC).

Mas os intervenientes desta fase do processo, que são ligados mais à área de negócio, têm formas próprias de levantar e escrever requisitos. É comum vermos uma distância grande entre a equipa de produto e a equipa de engenharia na forma como a informação é levantada e organizada, o que pode originar uma perda desnecessária de informação valiosa. Para este desafio, uma framework de alinhamento de requisitos que assegure a sintonia entre todas as equipas envolvidas é imprescindível para o sucesso e previsibilidade do projeto de implementação.

É com esta informação disponível que a engenharia consegue tomar decisões mais adequadas no desenho do sistema e da infraestrutura que o suporta. Qualquer canal terá uma interface, e a criação de interfaces em qualquer linguagem nativa, híbrida ou low-code, precisa de ser muito claramente mapeada para os desenhos de layouts e componentes. Mais uma vez, a organização desta informação deve ser alinhada para que se partilhem nomes, hierarquias e associações entre a equipa de produto, design e engenharia. A fluidez desta parte do processo é novamente crucial para que não haja perda de informação valiosa.

Não é apenas no lado da interface que deve existir alinhamento inter-equipas. No lado do servidor, que assegura tipicamente os dados e as regras de negócio, também deve estar garantido que as decisões são tomadas tendo em conta a experiência do utilizador. As escolhas na modelação dos dados e dos desenhos arquiteturais devem considerar o que é melhor para o utilizador na sua interacção com o produto. As decisões devem ser em função das necessidades da interface porque é a parte do sistema mais próxima do utilizador e da sua experiência.

Invariavelmente existirá uma infraestrutura que suporta os serviços que servem a interface. Esta, que pode ser mais ou menos distribuída e descentralizada, tem de ser pensada no sentido da resiliência, segurança e disponibilidade, porque é aqui que estão as maiores ameaças à experiência do utilizador. Um produto que não funciona bem e de forma segura terá um problema inevitável com os seus utilizadores. 

A entrega de um produto é algo contínuo no tempo e o processo de desenvolvimento continua, depois da entrega inicial, com manutenções corretivas e evolutivas. Todos os produtos de sucesso atingem-no com evolução a nível funcional e/ou visual, e esta deve ser tratada com o mesmo rigor e foco naquilo que é a experiência do utilizador. As alterações devem ser devidamente testadas em ambientes semelhantes, ou iguais, aos da realidade que estará disponível para o utilizador final. Todo este processo deve assentar em fluxos automáticos de deploy desenhados de forma a minimizar ao máximo o downtime do sistema, evitando a frustração no utilizador.

Por fim, a monitorização do sistema na perspectiva daquilo que é a sua utilização por parte do utilizador final é de onde as equipas de engenharia e produto se podem alimentar de mais informação valiosa. Um trabalho colaborativo e de reflexão sobre a informação gerada pelo sistema em bases de dados, logs e outros, pode trazer alterações naquilo que são as prioridades de trabalho e deve ser parte integrante do processo de criação de valor para a experiência do utilizador final.

É a emoção numa boa experiência final para o utilizador que deve reger a racionalidade da engenharia. Todos estes princípios são mais do que diretrizes, são a essência da nossa abordagem diária. Comprometidos com a satisfação e produtividade das equipas de engenharia, promovemos uma conexão e sinergia entre todas as áreas envolvidas no processo de concepção. A nossa metodologia, alinhada à implementação eficaz do SDLC estendido, garante não apenas a excelência técnica, mas também uma entrega contínua de produtos digitais que refletem de forma precisa e inovadora as necessidades e experiências dos utilizadores finais.

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.