Desenvolvimento pessoal e liderança integral

A tomada de consciência da influência da personalidade e da história de vida nas decisões que tomamos, quando, por exemplo, recrutamos alguém para a nossa equipa ou procuramos um parceiro de negócio, gera crescimento pessoal e contribui para um padrão de liderança mais eficaz

Desenvolvimento pessoal e liderança integral

No lançamento de uma nova empresa, ao pretendermos criar um ambiente de trabalho em equipa, as ideias sobre a confiança que podemos ter nas pessoas que nos rodeiam, por exemplo, acabam sempre por interferir no tipo de controlo e de reporte que queremos implementar.

Quem está a liderar um negócio é hoje confrontado com situações em que a gestão de pessoas deve ser feita com a noção de que, para além de analisar a equipa de trabalho, deve também analisar-se a si próprio. Este exercício de autoconhecimento nem sempre se revela atrativo, pois exige uma perseverança e determinação pouco consentâneas com a gestão de tempo a que estamos compelidos e com a pressão de obter resultados.

Liderar implica, assim, o saber lidar com situações complexas, que exigem um investimento por parte do líder nas temáticas relacionadas com a comunicação, motivação e liderança, considerando o seu processo de desenvolvimento pessoal e a sua história de vida, as suas crenças, os seus valores, as suas aspirações e os seus princípios.

A boa notícia é que um elevado número de empreendedores já encara com naturalidade a necessidade de se prepararem devidamente para o exercício da liderança. O desafio da tomada de consciência de si próprio, das suas preferências e o seu propósito de vida como variáveis determinantes no exercício da liderança é algo que tem escapado nos modelos de liderança de tipo mais prescritivo, e que constitui uma parte da essência da liderança integral.

Começa a perceber-se agora que, para evidenciar comportamentos de liderança adequados, estes têm de estar ancorados numa sólida estrutura de personalidade, e que essa solidez, para existir, tem de ser devidamente alimentada, cultivada e mesmo acarinhada ou questionada, em determinadas situações. Ser sensível a isto e treinar as dimensões cognitiva, emocional, sensorial, “inspiracional” e comunitária, procurando utilizar todo o potencial e energia, pode fazer toda a diferença no seu estilo de liderança, no modo como lida com os problemas e como sente as oportunidades no seu negócio.

Esta vertente, designada por “inside out”, assenta num processo individual e único de descoberta de si próprio e da sua relação com o mundo que o rodeia, conduzindo os empreendedores a uma abordagem mais “integral” no seu papel de líderes. O conceito de liderança integral está associado a um dos maiores especialistas em psicologia integral, Ken Wilber, destacando-se das suas obras o livro “A Theory of Everything”. A liderança integral assenta numa perspetiva holística, inclusiva e equilibrada do mundo por parte do líder, representada num mapa com quatro quadrantes: intencional, comportamental, cultural e social.

A procura da maturidade psicológica associada às capacidades intelectuais e sensoriais, em diferentes domínios da vida do empreendedor – profissional, pessoal, lazer, comunitário –, aportam- -lhe uma riqueza mais integradora de si próprio, das equipas, da organização, dos negócios e do mundo. “First connect yourself, then lead” passa a ser um lema orientador do dia a dia. O autoconhecimento e a vontade de abrir para novas perspetivas sobre si próprio e sobre o mundo potenciam uma maior capacidade de inspirar os outros a agir, de desenvolver equipas inovadoras, produtivas e mais felizes, e de contribuir para uma maior sustentabilidade psicológica, económica e social.

 

Margarida Pedrosa,

Diretora-geral MBA Consultores, Docente da Porto Business School

Tags

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 19 Maio 2019

IT INSIGHT Nº 19 Maio 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.