Branded Content

O ambiente híbrido e interconectado leva à redefinição da estratégia de negócio das empresas

O crescimento contínuo da Internet das Coisas (IoT), o volume crescente de tráfego digital e a adoção cada vez maior de aplicações baseadas na cloud são as principais tendências tecnológicas que estão a alterar o cenário dos data centers

O ambiente híbrido e interconectado leva à redefinição da estratégia de negócio das empresas

Os data centers na cloud de dimensões grandes ou extra-grandes acolhem agora muitas das aplicações essenciais para os negócios das empresas, que antes se alojavam nos data centers dedicados das organizações. Nem todas as aplicações foram transferidas para a cloud, no entanto, e as razões são várias – incluindo normas reguladoras, a cultura da empresa e latência, por exemplo. Como resultado, deparamo- nos agora com um ambiente híbrido, que consiste numa combinação de três tipos de data centers: centralizados, na cloud; de dimensão média ou grande; e localizados, de pequenas dimensões e instalados nas próprias empresas. O que antes era um data center de 1MW localizado numa filial de uma organização, pode agora ser apenas um par de racks de equipamento IT que executam as aplicações cruciais e/ou providenciam conectividade de rede à cloud.

Neste ambiente híbrido interconectado, alteram-se muitas das noções que até agora tínhamos como certas. As ferramentas e métricas que utilizamos hoje em dia não contemplam a dependência em múltiplos data centers, pelo que é necessário que sejam atualizadas nesse sentido. Por outro lado, e porque vivemos num mundo com uma mentalidade “sempre conectada, sempre disponível”, a tolerância para com falhas é cada vez menor – precisamos de pensar em formas mais holísticas de trazer resiliência aos data centers, e isso consegue-se com a adoção de novas métricas. Até agora, as falhas nos data centers mediam-se em termos de desempenho dos equipamentos de IT; agora, as falhas têm mais em conta o quanto é afetada a experiência dos seus utilizadores e quantos são afetados.

A verdade é que o modelo de utilidade está a mudar radicalmente e já não pensamos apenas nos data centers centralizados, mas também, e cada vez mais, nos que se localizam no Edge. O facto de serem de menor dimensão não significa que percam importância, antes pelo contrário; o seu equipamento torna-se mais crucial porque eles providenciam conectividade à cloud, essencial num ambiente em que mais e mais aplicações são nela alojadas.

Por esta razão, precisaremos também de repensar o design deste tipo de data centers, que atualmente ainda possui muitas falhas – o que, em consequência, significa um maior tempo de inatividade e perda de dinheiro. É necessário fazer investimentos e as melhorias devem focar-se essencialmente em quatro pontos: segurança física; práticas de operação e monitorização, no local; redundância de energia e na refrigeração; e ainda a conectividade dupla à rede.

Em resumo, com o ambiente híbrido que se vive atualmente no setor dos data centers, é urgente a adoção de uma nova estratégia de negócio. A abordagem deve ser holística e ter em conta o número de pessoas e as funções de negócio de cada data center para que, dessa forma, se possa perceber quais as áreas mais críticas que necessitam de investimento imediato. Os micro data centers pré-fabricados são uma forma simples de garantir um ambiente seguro e de alta disponibilidade, devendo adotar-se neles boas práticas como UPS redundantes, uma rack segura e organizada, gestão apropriada da cablagem e do fluxo de ar, monitorização remota e conectividade dupla à rede, de forma a garantir a disponibilidade total dos data centers, altamente crucial para as operações das empresas e a garantia de um futuro de sucesso.

 

Conteúdo co-produzido pela MediaNext e pela Schneider Electric

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 23 janeiro 2020

IT INSIGHT Nº 23 janeiro 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.