Empresas investem no digital para se protegerem das imprevisibilidades do negócio

O Harvey Nash/KPMG CIO Survey 2017 entrevistou mais de 4 mil Chief Information Officers (CIO) e concluiu que estes estão a adaptar as suas estratégias tecnológicas para lidar com a incerteza da conjuntura político-económica, apostando na inovação e no digital

Empresas investem no digital para se protegerem das imprevisibilidades do negócio

A 19ª edição do Harvey Nash/KPMG CIO Survey dá a conhecer as perspetivas dos CIO e revela que os líderes de TI revelam que têm vivido mudanças estratégicas a um ritmo sem precedentes, devido a fatores cada vez mais imprevisíveis. Muitos executivos das tecnologias de informação estão a transformar esta incerteza numa oportunidade para ajudar as suas organizações a tornarem-se mais ágeis, apostando na inovação e em plataformas digitais.

O estudo inquiriu 4.500 responsáveis, de 86 países, e concluiu que dois terços das organizações (64%) estão a adaptar a sua estratégia tecnológica devido a uma conjuntura político-económica global cada vez mais imprevisível. Porém, 89% das organizações estão a manter ou reforçar o investimento em inovação e mais de metade (52%) estão a investir em plataformas mais ágeis.

“As organizações operam hoje num contexto de profunda incerteza, de necessidade de mudança e reposicionamento estratégico rápido, para acompanharem a evolução tecnológica e as alterações político-económicas globais”, afirma Rui Gonçalves, partner de IT Advisory da KPMG Portugal. “Este estudo revela que as estratégias digitais são hoje um factor-chave na definição de modelos de negócio mais ágeis e que os CIO são cada vez mais influentes junto dos CEO e das administrações, que procuram a sua ajuda para potenciar as oportunidades e lidar com as ameaças do mundo digital”.

De acordo com os dados recolhidos, as organizações com estratégias digitais aumentaram 52% em dois anos e as organizações com um Chief Digital Officer triplicaram em três anos (25%). De facto, CIO das organizações líderes digitais têm o dobro da probabilidade de liderar a inovação transversal do negócio (41% versus 21%) e estão a investir a um ritmo quatro vezes mais acelerado em automação cognitiva (25% versus 7%).

A atenção à cibersegurança atingiu também um máximo histórico: um terço dos líderes de TI afirma que a sua organização sofreu um ciberataque de grande dimensão nos últimos 24 meses. Ao mesmo tempo, a competência tecnológica cuja procura mais cresceu foi Arquitetura Empresarial(26%), embora a competência com maior procura continue a ser Big Data & Analytics (42%).

Para os inquiridos, embora haja uma onda de transformação e inovação nas organizações, os projetos de TI estão mais complexos e falham, na sua maioria, devido a um fraco compromisso (46%), abordagem demasiado optimista (40%) e objetivos pouco claros (40%).

“O estudo revela uma divergência clara entre as organizações que são líderes na transformação digital e as restantes organizações”, comenta Cristina Alberto, director de IT Advisory da KPMG Portugal. “As organizações líderes digitais caraterizam-se por um maior alinhamento entre a estratégia de TI e a estratégia do negócio, são mais focadas na inovação e no crescimento e investem mais em tecnologias digitais disruptivas”.

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 10 Novembro 2017

IT INSIGHT Nº 10 Novembro 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!