Economia eco-digital atingirá os 33 biliões de dólares nos próximos cinco anos

A economia eco-digital deverá duplicar e atingir os 33 biliões de dólares até 2028, com o surgimento de novos modelos de negócio assentes na sustentabilidade e nas tecnologias digitais

Economia eco-digital atingirá os 33 biliões de dólares nos próximos cinco anos

Segundo o novo estudo do Research Institute da Capgemini, prevê-se que a economia eco-cigital, impulsionada pelas tecnologias digitais e pela sustentabilidade, duplicará até 2028, devendo atingir os 33 biliões de dólares.

O recente estudo “The Eco-Digital Era: The dual transition to a sustainable and digital economy”, desenvolvido em parceria com o Digital Value Lab do Digital Data and Design Institute da Universidade de Harvard, demonstra que, com a adoção das tecnologias digitais, as empresas conseguiram reduzir nos últimos cinco anos o seu consumo de energia em 24%, bem como as suas emissões de gases com efeito de estufa em 21%.

Neste contexto, a nova era de dupla transição para uma economia eco-cigital será marcada pelo crescimento económico com a sustentabilidade enquanto principal prioridade, impulsionado sobretudo pela crescente adoção das tecnologias digitais, segundo o Research Institute da Capgemini.

A economia eco-digital possibilitará o surgimento de novos modelos de negócio e fontes de receita, permitindo melhorar os níveis de rentabilidade devido à utilização dos dados, tecnologia cloud, ecossistemas colaborativos e produtos e serviços conectados

Em particular, o estudo evidencia que sete em cada dez empresas acreditam que os modelos de negócio assentes nas tecnologias digitais serão um fator-chave para garantir o crescimento das receitas nos próximos três a cinco anos. A par disto, 60% dos inquiridos preveem que estes modelos gerarão mais receitas do que os provenientes dos modelos de negócio tradicionais.

“Nesta era Eco-Digital, as empresas explorarão cada vez mais o potencial de criação de valor proveniente das tecnologias digitais, especialmente no que diz respeito à utilização dos dados e à implementação da cloud pelo papel fundamental que podem ter no cumprimento das metas de sustentabilidade. Há também uma rápida evolução das tecnologias emergentes, como IA generativa e a biologia sintética, bem como uma colaboração reforçada para criar ecossistemas digitais”, refere o Dr. Suraj Srinivasan, Philip J. Stomberg, Professor de Business Administration da Harvard Business School e Head of the Digital Value Lab do Digital Data and Design Institute de Harvard. 

“É realmente uma mudança fundamental, que abrange todos os setores de atividade e está a acontecer à escala global. À medida que as empresas crescem, elas terão de se interrogar sobre o que precisam para centralizar ou descentralizar as arquiteturas das plataformas e, mais importante ainda, a governação dos dados”, acrescenta.

De acordo com o estudo, prevê-se que, nos próximos cinco anos, o investimento em transformação digital proporcionará o maior retorno do investimento, registando um aumento dos atuais 4% para 14% em 2028.

Além disto, 48% das empresas inquiridas afirmam que estão atualmente na fase de planeamento ou de desenvolvimento de estratégias com vista a maximizar o potencial das tecnologias emergentes, incluindo o edge computing e a Inteligência Artificial (IA) Generativa. Ainda assim, para as empresas, serão as principais tecnologias – como a análise de dados e a cloud em larga escala – que levarão a ganhos mais significativos até 2028.

“A economia Eco-Digital é diferente das anteriores, e as empresas ainda só aproveitaram uma pequena fração do potencial total oferecido pelas principais tecnologias, como a Cloud, a IA e a automação”, afirma Fernando Alvarez, Chief Strategy and Development Officer e Executive Board member do Grupo Capgemini. “Graças às tecnologias digitais as empresas poderão melhorar os níveis de eficiência das suas principais atividades, e fazerem os investimentos necessários para concretizarem esta dupla transição. Estamos no alvorecer de uma nova Era de transformação e ainda só aflorámos muito parcialmente o vasto potencial do impacto positivo que as tecnologias digitais nos podem proporcionar numa perspetiva económica, ambiental e social”.

Quase 40% dos profissionais numa escala mundial deverão estar alocados a iniciativas digitais nos próximos três a cinco anos, segundo o estudo. Neste sentido, a Capgemini considera que será necessária uma transformação mundial a nível das competências dos trabalhadores, de forma que as empresas sejam capazes de acompanhar os avanços tecnológicos.

O estudo conclui que, com um investimento na requalificação das atuais equipas realizado por 64% das empresas, os gestores deverão ser suficientemente flexíveis para possibilitarem a concretização desta rápida mudança.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.