O novo desafio dos CEO no mundo pós-COVID-19

Uma transformação digital acelerada, associada a uma crise económica e algum comportamento de risco adotado pelos próprios colaboradores – tudo como consequência da COVID-19, destacam a necessidade de as empresas protegerem os seus ativos

O novo desafio dos CEO no mundo pós-COVID-19

A COVID-19 precipitou a transformação digital de muitas empresas, projetando a necessidade iminente de enfrentar as mudanças, levando em consideração os riscos inerentes de cibersegurança. A S21Sec analisou os desafios mais comuns que devem ser enfrentados pelos conselhos de administração num cenário pós-COVID-19. 

À medida que milhares de trabalhadores começaram a realizar as suas tarefas remotamente, aumentaram várias frentes de cibersegurança altamente visíveis. "As pessoas continuam a ser o ponto mais vulnerável das empresas quando se trata de segurança. Já o eram antes da COVID-19 e continuam a ser agora", explica Agustín Muñoz-Grandes, CEO da S21Sec. 

Mudar de um ambiente profissional para um ambiente doméstico pode levar as pessoas a adotarem atitudes e comportamentos que colocam em risco a cibersegurança da empresa, como o uso simultâneo de diferentes contas de email e dispositivos que acedem à rede e, portanto, aos recursos da empresa. 

"É essencial, agora mais do que nunca, formar as pessoas no uso correto dos sistemas e da tecnologia das empresas, bem como nas boas práticas de cibersegurança, redirecionando a formação e a sensibilização para uma cultura de segurança cibernética dentro da organização", afirma Agustin. 

A situação causada pela COVID-19 também levou as empresas a transitarem rapidamente para a cloud, uma vez que veem os múltiplos benefícios de não precisarem de manterm a sua própria infraestrutura de sistemas, de não se deslocarem ao escritório ou data center e poder gerir tudo na cloud, operar os sistemas remotamente, consumindo-os em várias ocasiões as-a-Service e com um modelo de custo que, à partida, possui vantagens significativas. 

No entanto, as empresas que já realizaram esta transição ou estão no processo de transição vão necessitar de atualizar os seus planos de cibersegurança e adaptá-los a este novo cenário. Os serviços cloud podem ser tão seguros quanto os serviços geridos in house; mas a cloud não é segura por defeito, o que levará as empresas a terem de se preocupar para garantir que os seus dados, ativos e pessoas estão seguros do ponto de vista da cibersegurança. 

Houve uma mudança de paradigma e passamos de concentrar esforços na criação de redes e ambientes seguros dentro do escritório para um cenário em que as pessoas estão fora da empresa e as aplicações muitas vezes residem na cloud. Portanto, a atenção muda para proteger o "end point" (computadores, tablets ou laptops, por exemplo), que agora é frequentemente encontrado nas casas dos colaboradores, e para garantir o uso seguro dos serviços, soluções e infraestrutura na cloud. "Deixamos de procurar um perímetro seguro e o foco passa a ser nas pessoas, no acesso e o uso seguros dos dados", refere Agustín.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.