Malware financeiro para Android disponível gratuitamente em fóruns

O código fonte completo do malware Cerberus foi divulgado em fóruns clandestinos e, assim, está disponível gratuitamente e pode ser acedido por cibercriminosos

Malware financeiro para Android disponível gratuitamente em fóruns

Os investigadores da Kaspersky têm vindo a acompanhar ativamente o reaparecimento do malware financeiro para dispositivos Android desde julho de 2020, na sequência do abandono do projeto, tentativa de venda e eventual lançamento por parte do programador original. Através da evolução das suas funcionalidades, como o roubo de autenticação de dois fatores (2FA) e a ferramenta de acesso remoto (RAT), o nível de infeções do Cerberus aumentou, especialmente na Rússia e na Europa.

O Cerberus é um sofisticado malware financeiro para dispositivos Android, detetado pela primeira vez no Verão de 2019 e ativamente distribuído numa base MaaS (Malware-as-a-Service), através de vários fóruns clandestinos. A recente fuga do seu código fonte - referida como “Cerberus v2” - abre agora um novo mundo de oportunidades para os cibercriminosos, com destaque para aqueles que visam atacar o setor bancário através de dispositivos Android.

Apesar de os programadores do Cerberus terem procurado dar um novo rumo ao projeto em abril deste ano, os leilões para o código fonte começaram em finais de julho, devido à desintegração da equipa de desenvolvimento. Movido pelas suas razões, o autor decidiu mais tarde publicar o código fonte do projeto num popular fórum clandestino de língua russa, dando apenas acesso a utilizadores premium.

Como resultado, houve um aumento imediato de infeções de aplicações móveis e tentativas de roubo de dinheiro aos consumidores na Rússia e em toda a Europa, à medida que cada vez mais cibercriminosos adquirem o malware gratuitamente.

Desde que se começou a acompanhar sua atividade, em 2019, a sofisticação do Cerberus adquiriu novos níveis de funcionalidade, tal como o Anubis, outro exemplo de malware financeiro para Android que se tornou público em finais de 2019, em detrimento dos clientes e dos próprios bancos.

A Kaspersky continua a investigar a fundo a 'v2', tendo já conseguido obter o arquivo que incluía o código fonte divulgado. A análise aprofundada à infraestrutura já revelou a capacidade do malware para enviar e roubar secretamente códigos SMS, para abrir sobreposições de ecrã personalizadas para vários bancos online, e para roubar códigos “2FA”, incluindo do Google Authenticator. O malware tem outras funcionalidades adicionais, como o acesso ao cartão de crédito do cliente e aos seus detalhes de contacto, bem como a capacidade de redirecionar chamadas ou adulterar as funcionalidades móveis através das suas características RAT, e conceder automaticamente as permissões necessárias no que diz respeito à autenticação.

No entanto, esta é apenas a ponta do iceberg, sendo necessário que os consumidores tomem medidas para combater a ameaça.

"As descobertas da Kaspersky sobre o Cerberus v2 acabam por funcionar como um aviso para todos aqueles que são responsáveis pela segurança do Android e, em particular, pela sua segurança bancária. Já estamos a assistir a um aumento dos ataques aos utilizadores desde que o código fonte foi publicado. Não é a primeira vez que vemos algo assim acontecer, mas este crescimento de atividade desde que os criadores abandonaram o projeto é o maior que registámos até á data”, comenta Dmitry Galov, Investigador de Segurança da Kaspersky.

E acrescenta: "continuamos a investigar todos os vestígios encontrados associados ao código e vamos rastrear toda a atividade relacionada. No entanto, a melhor forma de defesa que os utilizadores podem adotar é uma boa “higiene de segurança” nos seus dispositivos móveis e no que toca à sua segurança bancária”.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 27 Outubro 2020

IT INSIGHT Nº 27 Outubro 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.