Europol aponta as tendências do cibercrime

O “2018 Internet Organised Crime Threat Assessment” (IOCTA), relatório anual da Europol, recentemente revelado, centra-se nas ameaças emergentes no mundo do cibercime. Destacamos as que representam maior risco para as organizações

Europol aponta as tendências do cibercrime

Ransomware, a ameaça das ameaças

É a ameaça emergente e conseguiu escalar até ao topo no relatório da Europol. Apesar de o crescimento que o ransomware outrora registou estar agora a estagnar, ainda se encontra bastante à frente de ataques como os trojans bancários, por exemplo. O ransomware não se limitou a propagar-se em número: não só evoluiu como mudou do ponto de vista das motivações. Se há uns anos o grande objetivo deste tipo de ataques era fazer dinheiro, hoje está a assistir-se a uma mudança de paradigma e a cada vez mais ataques de ransomware dirigidos. Este tipo de malware continua a ser a maior ameaça para as organizações, causando milhões de dólares de danos e está a ser cada vez mais utilizado em ciberataques globais às ações de Estados-Nação. O crescimento de campanhas de ransomware e as campanhas apoiadas por Estados-Nação mantêm-se como “a principal ameaça cibernética”, afirma o IOCTA. Os dados continuam, porém, a ser um alvo precioso para os atacantes. Principalmente desde a entrada em vigor do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), a violação de dados tornou-se ainda mais aliciante, segundo a Europol, devido aos prejuízos que pode aportar às organizações.
 

Ataques DDoS entre os frequentes

Os ataques DDoS continuam a ser um vetor de ataque de eleição dos cibercriminosos. Dirigidos tanto a instituições privadas como públicas, os ataques DDoS são perpetrados não apenas por motivos financeiros, mas também por motivações políticas e ideológicas. Estão listados pela Europol entre os ataques mais frequentes e tem vindo a tornar-se mais acessível, mais barato e com riscos reduzidos para quem ataca.
 

Criptomoedas a financiar ataques

A Europol tem vindo a alertar para o uso crescente de criptomoedas para o financiamento de atividades criminosas. O Bitcoin continua a ser a criptomoeda predileta dos hackers, e está a alterar o paradigma da tradicional fraude financeira no domínio da banca digital. Assim, tanto utilizadores de criptomoedas como currency exchangers estão a tornar-se vítimas deste tipo de ataques.
 

Atenção ao criptojacking

O criptojacking é outra das grandes tendências. Para os cibercriminosos, o malware de mineração de criptomoedas, o criptojacking, é uma verdadeira mina de ouro, uma vez que dá total controlo sobre os dispositivos das vítimas, utilizando ilegitimamente a sua capacidade computacional para minerar criptomoedas, processo que exige muitíssimos recursos de computação. Este tipo de infeção tem a particularidade de ser muito difícil de detetar e, à semelhança do ransomware, é uma forma bastante fácil de obter dinheiro ilegitimamente. O relatório diz que o criptojacking “pode vir a ultrapassar o ransomware enquanto ameaça”.

 

Ciberterrorismo

O terrorismo cibernético está a crescer, sendo que ainda no início de setembro a organização terrorista palestina Hamas instalou um spyware em telemóveis de soldados israelitas com a intenção de obter informações sobre o inimigo. Cerca de cem pessoas foram vítimas do ataque, que se disfarçava de aplicações do Campeonato Mundial de Futebol e para relacionamentos online na Google Play Store, a loja oficial de aplicações do Google. De acordo com a Europol, também o Estado Islâmico continua a recorrer à internet para disseminar propaganda terrorista e inspirar atos terroristas pelos utilizadores.

 

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 16 Novembro 2018

IT INSIGHT Nº 16 Novembro 2018

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.