Dados biométricos: um paradoxo da era digital

Nos últimos anos, assistimos a uma massificação da utilização da biometria como forma de autenticação, mas esta pode não ser a solução mais segura para os utilizadores

Dados biométricos: um paradoxo da era digital

Numa era digital, proteger os nossos dados e informações confidenciais é um verdadeiro desafio. Com cada vez mais dispositivos e plataformas conectadas, a necessidade de uma proteção mais eficiente é essencial.

A impressão digital, o rosto e a voz são alguns exemplos de traços únicos de cada indivíduo que funcionam como meios de autenticação para conceder acesso a sistemas, dispositivos ou dados e que potenciam uma melhoria da segurança.

É necessário um cuidado redobrado com a implementação de sistemas de autenticação biométrica de modo a evitar a violação da privacidade e a exposição inadequada de informação confidencial dos utilizadores.

A utilização generalizada de dados biométricos implica que sejam armazenados em diferentes bases de dados. Ao contrário das palavras-passe, se os dados biométricos forem comprometidos, eles perdem-se definitivamente e não podem ser recuperados como quando se perde a palavra-passe.

Uma análise recente das ciberameaças aos sistemas utilizados para processar e armazenar dados biométricos mostra várias ameaças que tentaram infetar os sistemas de IT (incluído trojan de acesso remoto, ransomware, trojan bancário, etc).

A Kaspersky associou-se recentemente ao designer de acessórios 3D, Benjamin Waye, e à agência criativa Archetype para criar uma peça de joalharia única: um anel com um padrão de impressões digitais artificiais que pode ser utlizado para autenticação.

O anel não é apenas uma peça bonita: foi desenhado com o objetivo de ajudar a resolver um problema bastante importante nas nossas vidas. Ajuda a preservar a nossa singularidade, num mundo onde tudo pode ser copiado”, refere Benjamin Waye, o designer responsável por desenhar este anel.

O grande benefício deste anel é que tendo uma impressão artificial, esta pode ser alterada e reajustada e, caso haja uma fuga de informação, o anel fornece um novo padrão artificial – e os dados pessoais e únicos de cada individuo ficarão em segurança.

Marco Preuss, Diretor da Equipa Europeia de Investigação e Análise Global da Kaspersky, é da opinião que esta pode não ser a melhor solução e explica que “embora o anel seja uma das formas possíveis de fazer face aos problemas de cibersegurança atuais relacionados com biometria, ele não é uma solução mágica. A solução real consistiria em criar normas e tecnologias capazes de garantir a proteção da identidade única de cada pessoa. Esta solução ainda não foi desenvolvida e, para ser sincero, a situação atual à volta da segurança biométrica não está onde deveria estar. Contudo, com a crescente adoção destas tecnologias, é muito importante começarmos a falar com os setores certos para desenvolvermos uma abordagem colaborativa que garanta a proteção destes dados”.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.