Cinco fatores que estão a levar à evolução da Internet of Things

Segurança, plataformas, redes LPWAN (Low-power wide-area networks), machine learning e analítica no edge são, de acordo com a Deloitte, os “vetores do progresso” que estão a contribuir para o avanço da IoT

Cinco fatores que estão a levar à evolução da Internet of Things

As empresas estão a sentir algumas dificuldades em desenhar, implementar e gerir com sucesso projetos de IoT. Para as ajudar, a Deloitte publicou os “vetores do progresso” que lhes permitirão impulsionar a adoção da IoT e talvez ajudar a alavancar com mais sucesso as tecnologias com ela relacionadas.
 

Segurança

Este é o primeiro vetor identificado pela consultora. A IoT é atrativa, mas as empresas não se podem esquecer que mais conetividade aporta riscos mais elevados, já que são uma possível porta de entrada para o cibercrime. A segurança da IoT ainda é um grande desafio para as empresas, segundo a Deloitte, porque das ferramentas de segurança que já existem acabam por não conseguir responder às ameaças que se colocam às redes de IoT. No entanto, a consultora destaca que as ferramentas desenhadas para a segurança da IoT estão a disseminar-se e muitas até tiram partido de machine learning para detetar padrõese  comportamentos fora do normal na rede.

 

Plataformas

A integração é, desde o início, o grande desafio de qualquer projeto de IoT. Porém, promete deixar de o ser. A Deloitte refere que começa a tornar-se mais fácil graças a novos tipos de software que simplificam a integração entre hardware de IoT, redes e aplicações.

Já existem providers de software a trabalhar em soluções menos complexas, pré-integrando tecnologias de terceiros, através de parcerias com outros vendors.

 

Redes LPWAN

As low-power wide-area networks, ou redes LPWAN, estão a disseminar-se e são o terceiro vetor apontado pela Deloitte. A sua rápida adoção explica-se por entregarem conetividade a um custo inferior e com requisitos energéticos mais baixos, aspetos críticos quando falamos de dispositivos que muitas vezes são sensores alimentadas por baterias e com grande dispersão geográfica.

O relatório indica que o crescimento das LPWAN estão a contribuir para uma maior adoção de dispositivos de IoT no contexto de smart cities, smart utilities e de agricultura smart.

 

Inteligência Artificial

A inteligência artificial (IA) e o machine learning (ML) estão a ser cada vez mais adotados para a análise de dados oriundos da IoT, diz a Deloitte, e sobretudo para a automação das tomadas de decisão a um nível mais operacional. As plataformas de IoT dos grandes vendors já incluem capacidades de IA, cujos insights podem levar à otimização de processos e a manutenção preditiva, por exemplo.

 

Analítica no edge

A análise de dados gerados pela IoT, no edge rede - ou seja, próxima do local onde são gerados - é uma realidade, e permite reduzir significativamente a latência na transmissão de dados entre os sensores. Este vetor é sobretudo importante para indústrias onde ter processos em tempo real é de extrema importância, tais como a saúde, smart cities, banca, indústria.

 

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 14 Julho 2018

IT INSIGHT Nº 14 Julho 2018

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.