A importância da tecnologia para acelerar o negócio

Aumentar a produtividade, melhorar os processos e reduzir os custos são objetivos que todas as organizações procuram atingir. Com a tecnologia, é possível obter estas vantagens mais rapidamente. Basta que as organizações estejam preparadas

A importância da tecnologia para acelerar o negócio

É inegável que qualquer empresa ou organização precisa da tecnologia. Quem não apostar nas mais diversas tecnologias, corre o risco de ficar para trás. Esta é uma ideia que já está presente numa boa parte dos líderes, mas, para muitas organizações, a transformação digital não está tão avançada quanto seria desejável.

Cada organização faz o seu caminho mediante as suas possibilidades, mas acelerar o negócio – e transformá-lo à medida que o mercado obriga – depende muito da tecnologia. Dados, Business Intelligence (BI), Robotic Process Automation (RPA) e Inteligência Artificial (IA) são apenas algumas dessas mesmas tecnologias que já estão a ajudar as organizações.

Avançar (mais rapidamente)

Paula Fernandes, Managing Director da Accenture Technology em Portugal, defende que as organizações estão “cada vez mais conscientes da importância da tecnologia para impulsionar e otimizar as suas operações” e que a rápida evolução tecnológica a que todos estamos a assistir “tem levado as empresas a reconhecerem que a adoção tecnológica pode não apenas aumentar a sua eficiência operacional, mas também impulsionar a sua competitividade no mercado”. Com base na sua experiência, Paula Fernandes vê que “muitas organizações estão à procura ativamente de formas de alavancar tecnologias emergentes, como IA, automação, a análise de dados avançada e a cloud, para otimizar os seus processos e aumentar a sua competitividade”.

 

Tiago Brito Barreto, Industry & Utilities Director da Claranet Portugal

Tiago Brito Barreto, Industry & Utilities Director da Claranet Portugal, acredita que as organizações portuguesas perceberam, “de forma muito clara, que a tecnologia passou a estar no centro do negócio” e que é “um imperativo tornarem-se mais digitais, mais eficientes e sustentáveis e, com isso, mais competitivas”. O período pós-COVID levou a uma “nova relação com a tecnologia no mercado de trabalho, na forma como trabalhamos e interagimos, no modo como as empresas são criadas, crescem, inovam, adaptam-se e competem”.

Por sua vez, Bruno Tavares, CTO da Devoteam Portugal, refere que, “se até há bem pouco tempo a digitalização era considerada uma vantagem competitiva, agora apresenta-se como uma necessidade premente para acompanhar os concorrentes num mercado cada vez mais dinâmico. A perceção da tecnologia por parte das empresas evoluiu assim de um papel de suporte para se tornar [uma] parte integrante dos processos de negócio. É essencial que as organizações reconheçam a importância estratégica de priorizar os seus investimentos em tecnologia e adotar uma abordagem proativa, alinhada com os seus objetivos e mercado”.

Crescer (com tecnologia)

Tiago Brito Barreto afirma que “a capacidade de resiliência dos investidores e das empresas portuguesas é colocada à prova” numa altura de contexto de competitividade global e de incertezas quanto à estabilidade política. Assim, há “dois grandes impulsionadores para a adoção de novas tecnologias pelas empresas nacionais: as necessidades do negócio e as necessidades exigidas pela regulamentação”.

Com o objetivo de se tornarem mais eficientes, as empresas devem procurar plataformas convergentes, resilientes e ágeis, diz o representante da Claranet Portugal. “Temos assistido, nos últimos anos, a um investimento muito elevado por parte dos nossos clientes em RPA, em business process automation e supply chain automation, com o objetivo de melhorarem a eficiência e a eficácia das suas operações”. Já em termos de regulação, a adoção de novas tecnologias é “impulsionada pela preocupação das empresas na resposta aos desafios de compliance”.

Bruno Tavares indica que os principais impulsionadores por trás da adoção de novas tecnologias por parte das empresas é a procura pelo aumento da eficiência operacional através de digital e automação dos processos, onde “surgem tecnologia como RPA e low/no-code” e onde começa a aparecer a IA generativa; uma melhor e mais rápida tomada de decisão baseada em dados, que são “um ativo crucial nas organizações”; e a procura pela vantagem competitiva através da inovação e da criação de soluções próprias com novas tecnologias, onde a adoção da cloud permite uma maior escalabilidade e resiliência, assim “como para o acesso a inovação”.

Já Paula Fernandes refere que os impulsionadores por trás da adoção tecnológica refletem “as necessidades e aspirações das organizações”, nomeadamente a eficiência operacional, a tomada de decisão baseada em dados, inovação e competitividade, melhoria da experiência do cliente, conformidade regulatória e adaptação às mudanças do mercado.

Adaptar (ao ritmo da mudança)

Bruno Tavares explica que “as empresas estão cada vez mais atentas às tecnologias que influenciam as tendências de mercado e que podem impactar os seus produtos, serviços e estratégias de negócio. Uma das estratégias passa pela colaboração com parceiros estratégicos cada vez mais especializados nos seus domínios de atuação, com expertise sólida e que apoiam o acesso a recursos e tecnologias especializadas, reduzindo o tempo de resposta”.

Já do ponto de vista interno, diz o CTO da Devoteam Portugal, “as empresas estão a definir e a adotar processos mais ágeis, capazes de reagir a mudanças constantes e, simultaneamente, a investir na formação das suas equipas. Para que a organização consiga ultrapassar o momento de introdução de uma tecnologia e consiga tê-la como parte da sua operação, é crítico que os seus colaboradores façam o buy-in”.

Paula Fernandes, Managing Director da Accenture Technology em Portugal

 

Com o objetivo de se adaptarem e acompanharem o ritmo das mudanças tecnológicas, as empresas têm investido em pesquisa e desenvolvimento, em iniciativas de inovação e na formação de parcerias estratégicas para “aproveitar a experiência e a inovação desses parceiros e acelerar o desenvolvimento e a implementação de novas tecnologias”, assevera Paula Fernandes.

Tiago Brito Barreto destaca o ranking de transformação digital da OCDE, onde Portugal ocupa a 11.ª posição, e o ranking mundial de competitividade digital do IMD, onde o país se encontra no 36.º lugar. “Este esforço espelha-se no reforço da capacitação de competências digitais dos colaboradores, no investimento em ferramentas que permitam um maior equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, na transformação de modelos de negócio para que as empresas possam tirar maior partido da tecnologia e, com isto, tornarem- se mais eficientes, sustentáveis, seguras e ecológicas”, explica.

Desafios (na implementação)

Paula Fernandes refere que as os custos significativos, a complexidade na integração com sistemas legacy, as preocupações com cibersegurança são alguns dos desafios das organizações na altura de implementar novas tecnologias. Paralelamente, as empresas também encontram “resistência à mudança por parte dos colaboradores”, a “necessidade de escalabilidade e considerações éticas e regulatórias” como desafios. Abordar estes desafios requer “uma abordagem estratégica, colaboração entre as diferentes partes interessadas e, muitas vezes, uma assistência externa de consultores de tecnologia e de fornecedores de soluções”.

Tiago Brito Barreto indica a escassez e a fixação de quadros qualificados como um dos principais desafios enfrentados pelas empresas. “A lei da oferta e procura impera e, num setor de recursos escassos, as remunerações de profissionais de novas tecnologias continuam a aumentar acima da média”, explica. Outro desafio, aponta, é a literacia digital e a importância da aquisição de competências para “lidar com uma sociedade cada vez mais tecnológica”.

Os desafios podem “ser inúmeros e muito diversificados”, dependendo do contexto da própria organização, refere Bruno Tavares. No entanto, o CTO da Devoteam Portugal destaca “a gestão da mudança com os colaboradores, que podem apresentar alguma resistência ou falta de capacitação para as respetivas tecnologias”, assim como a pressão no mercado de talento e a integração de novas tecnologias em ecossistemas com sistemas legacy.

Benefícios (com a implementação)

Tiago Brito Barreto afirma que “as novas tecnologias estão a permitir a alteração de modelos de negócio que se sustentam na inovação e na criatividade, possibilitando a exploração de novas oportunidades e modelos de negócio” e relembra que “todo o investimento tem sempre em conta dois fatores: o aumento de produtividade e a redução de custos. Por um lado, aumentar a eficiência e qualidade dos processos de produção, através da automação, digitalização, analítica e otimização de fluxos de trabalho; por outro, mitigar riscos, reduzir desperdício, ineficiência energética e impacto ambiental”.

Bruno Tavares reforça que aquilo que as organizações procuram é um aumento de produtividade, conseguido através do ambiente de trabalho digital ou pela digitalização e automação dos processos; um decréscimo nos custos operacionais que advém de processos mais ágeis e automatizados; a otimização da tomada de decisão diária, seja ela auxiliada por dados ou automação; e produtos e serviços diferenciados, assim como a aceleração do time-to-market.

A Managing Director da Accenture Technology em Portugal explica que “a implementação de novas tecnologias está a trazer benefícios reais para as organizações, incluindo melhorias na eficiência operacional, na redução de custos, no aumento da qualidade dos produtos e serviços, no aumento da produtividade, na tomada de decisões mais informadas, na experiência do cliente aprimorada e no estímulo à inovação e retenção de talento”.

Abordagem (mais ágil)

 

Bruno Tavares, CTO da Devoteam Portugal

Bruno Tavares refere que “a mudança para uma abordagem mais ágil está a exigir às organizações a simplificação dos processos, e equipas flexíveis e multidisciplinares, com um mindset de inovação e melhoria contínua, promovendo uma cultura colaborativa e de comunicação regular. Ao fazer da tecnologia parte integrante do negócio, este terá de ser certamente mais ágil.”.

Para Paula Fernandes, a mudança para uma abordagem ágil “está a remodelar a forma como as organizações operam, promovendo a flexibilidade, a adaptabilidade e uma mentalidade centrada no cliente”, o que envolve “ciclos interativos de desenvolvimento, colaboração entre equipas multifuncionais e uma cultura que valoriza a aprendizagem contínua e a melhoria incremental”.

Tiago Brito Barreto relembra que “empresas ágeis aumentam dramaticamente a produtividade e encurtam os ciclos de entrega, melhorando a qualidade e a satisfação dos clientes”. Ao tornarem- se mais competitivas, “asseguram com maior facilidade o seu posicionamento no mercado”. A mudança para uma mentalidade mais ágil exige “uma mudança de cultura e de mentalidade, na melhoria da comunicação entre equipas, na partilha de conhecimento e no trabalho em rede”.

Papel da liderança (na mudança)

Paula Fernandes, da Accenture Technology, destaca que o papel da liderança é “crucial no impulso para a mudança e na adoção de novas tecnologias nas organizações”. A liderança executiva deve estabelecer uma visão clara, alocar os recursos adequados, fomentar uma cultura de inovação e remover obstáculos para a mudança.

Numa primeira instância, diz Tiago Brito Barreto, a liderança executiva deve definir a visão e a estratégia da empresa. “O passo seguinte é definir de que forma a adoção de novas tecnologias vai impulsionar esta mesma estratégia. Há que definir, de forma clara, a relação entre ambas, os seus impactos e necessidades, bem como alocar os recursos adequados para apoiar os projetos de transformação digital, incluindo investimentos em infraestrutura, talento e formação”, explica.

Se é verdade que a liderança executiva tem um papel fundamental em qualquer processo de mudança, “na adoção de novas tecnologias não é exceção”, diz Bruno Tavares, da Devoteam Portugal. “O verdadeiro impacto da tecnologia só acontece quando esta é planeada e adotada à luz de uma estratégia integrada, alinhada com os objetivos e necessidades da organização. É esta estratégia que permite manter o foco, visão e os recursos necessários a estes ciclos de inovação, que muitas vezes (embora iterativos), são longos”.

Tags

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.