IT Insight Talks

IT Insight Talks: “os riscos da IA, em termos de cibersegurança, estão hoje à vista”

Henrique Carreiro, Diretor da IT Insight, subiu ao palco da primeira edição da IT Insight Talks para apresentar o seu keynote centrado no tema “O AI e a Cibersegurança”

IT Insight Talks: “os riscos da IA, em termos de cibersegurança, estão hoje à vista”

A primeira edição da IT Insight Talks, o novo formato híbrido de mesas-redondas, arrancou com o keynote de Henrique Carreiro, Diretor da IT Insight, sobre a Inteligência Artificial (IA) e a cibersegurança.

Henrique Carreiro começa por refletir sobre a influência da IA na ótica do mercado global. “A terceira empresa mais valiosa do mundo, neste momento, é a Nvidia. Passou a Alphabet, a casa-mãe da Google”, constata. “Isto dá-nos um sinal do mundo em transformação”.

O atual cenário de IT é marcado por um conjunto de “números grandes” que são demonstrativos do impacto avassalador da IA: “1.87 triliões de dólares” é o valor da Nvidia, que domina o mercado de chips de IA, enquanto “a Microsoft e a Apple andam na ordem dos três triliões cada”; “sete triliões de dólares” é o financiamento procurado por Sam Altman, CEO da OpenAI, “para criar um conjunto de fábricas de circuitos integrados dedicados à IA”, sobre o qual Henrique Carreiro afirma: “não tenho dúvidas que o vá conseguir”; e, por fim, “seis triliões de dólares é o prejuízo estimado anualmente com o cibercrime”.

Este contexto, refere, “dá-nos a ideia de com o que nos estamos a deparar: os riscos e o investimento que é necessário para combater estes riscos”. No entanto, durante uma evolução tecnológica e digital, “há uma coisa que nós tendemos sempre a subestimar, que é o efeito exponencial”, sublinha o Diretor da IT Insight.

É neste sentido que Henrique Carreiro menciona a Lei de Moore, que costuma designar como “Lei do Arrependimento”. Nos anos 60, Gordon Moore, cofundador da Intel, “chegou à conclusão de que a capacidade dos circuitos integrados duplicava basicamente a cada 18 meses”, explica. “Quando compramos um computador ou um telefone, passados dois anos, basicamente temos o dobro da capacidade. É ela que nos leva sempre àquele arrependimento de dizer ‘se eu tivesse esperado até agora’”.

A inteligência artificial não é uma exceção à Lei de Moore. “Todas as conversas que se possam ter, vão estar sempre sujeitos a esta lei exponencial”, defende. “Em termos de IA, podem pensar: hoje, o que é que conseguem fazer com IA? O que é que poderá acontecer daqui a dois anos?”.

Além disto, é necessário ter em conta não só as oportunidades, mas também os desafios trazidos pelas tecnologias emergentes. “Os riscos de AI, em termos de cibersegurança, estão hoje à vista”, alerta Henrique Carreiro, acrescentando que “este ano é um ano eleitoral em inúmeros países, onde claramente há um potencial enorme para a utilização destas capacidades para o mal”.

A sua preocupação “não é o presente, mas o futuro”, considerando que existe um “risco sério” de que “daqui a cinco anos seja completamente impossível de distinguir o passado, ou seja, que não tenhamos capacidade de reconstruir o passado real”.

Um exemplo é a existência de “uma corrente muito grande, em termos de Internet, de pessoas que negam o Holocausto e algumas das formas como conseguimos contrariar isso é através de provas de dados, de fotografias da época”. Olhando para o futuro próximo, a IA, especialmente com as ferramentas generativas de geração de imagens, poderá influenciar a documentação do passado. “Se queremos olhar para o passado em 2030, olhar o que se passou de 2024 para a frente, quais é que vão ser as provas documentais?”, questiona.

Também as farms de cyber currencies são uma prática preocupante e a entrada da IA na equação pode significar um desafio acrescido. “Há muitas regiões desertas neste mundo, mas que têm acesso a fontes de energia baratas e pouca regulamentação, que têm enormes farms de servidores a produzir bitcoin e outras cyber currencies”, adverte. “Em termos tecnológicos, qual é a diferença entre uma farm que produz bitcoin e uma farm de produção de deepfakes? Zero. A tecnologia é exatamente a mesma”.

Henrique Carreiro termina o seu keynote com uma mensagem orientadora para os profissionais de IT. “A principal arma que nós temos para nos defendermos é sabermos sobre isto”, finaliza. “Tem de ser também um percurso individual e das próprias empresas”.

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.