Maioria dos portugueses valorizam inclusão e diversidade no espaço de trabalho

Segundo um novo estudo, a discriminação em função da idade ocorre com mais frequência e um em cada três trabalhadores europeus já a sentiu no local de trabalho

Maioria dos portugueses valorizam inclusão e diversidade no espaço de trabalho

Na Europa, a discriminação em função da idade ocorre com mais frequência, seguindo-se a discriminação de género, indica um estudo recente da Michael Page sobre sustentabilidade, com foco na diversidade e inclusão no ambiente de trabalho. Dos 4755 participantes a nível europeu, um terço afirmou sentir-se tratado de forma desigual devido à idade neste último ano. Entre os maiores de 50 anos, mais de 40% referiu que se sentia regularmente discriminado pela idade. E, num quarto dos casos, os colaboradores sentiram-se discriminados com base no género.

Em Portugal, a discriminação devido à idade não parece ser um problema para 65,8% dos entrevistados, e apenas 3,4% afirma sentir a discriminação de forma permanente no seu local de trabalho. Mais de dois terços dos trabalhadores europeus sentem que não podem ser completamente fiéis a si próprios no ambiente de trabalho. Em Portugal, apenas 32,4% referiram que se sentem totalmente à vontade no local de trabalho.

Quando analisadas as causas que motivam esta situação, 53,5% dos portugueses defende que prefere separar a sua vida profissional da pessoal, motivo pelo qual não são tão “abertos”. Quando comparados os mercados europeus, o mesmo estudo revela que a Holanda é o país em que mais de metade dos colaboradores se sente totalmente à vontade no local de trabalho, alcançando o resultado mais positivo do estudo, enquanto, no extremo oposto, Itália apresenta menos de um quarto das pessoas que podem ser completamente iguais a si próprias no local de trabalho. Esta é, aliás, uma situação mais comum aos países do sul da Europa, em que existe a tendência de hierarquias mais fortes, fator que contribui, entre outros, para que o comportamento seja mais distanciado e menos verdadeiro. Entre os motivos de discriminação mais citados entre os colaboradores incluem-se a discriminação baseada no género, idade, etnia, orientação sexual e religião.

O estudo revela, ainda, que mais de metade das mulheres (e apenas 34% dos homens) entrevistados referem ser a favor da discriminação positiva para promover um equilíbrio de género mais estável na sua empresa.

A inclusão é o segundo aspeto para o bem-estar da organização que beneficia de uma força de trabalho equilibrada. “A diversidade é importante, mas não garante o sucesso. Um local de trabalho inclusivo é o segundo passo. Todos no local de trabalho terão de se aceitar mutuamente para conseguir atingir esse objetivo”, diz João Bernardo Gonçalves, Senior Manager da Michael Page. De acordo com o estudo, quase sete em cada dez entrevistados indicaram que é importante fazer parte de uma empresa que pratica diversidade e inclusão. E, em Portugal, 82% dos inquiridos refere que a diversidade de género é importante para o ambiente de trabalho.

Por outro lado, a análise mostra ainda que os candidatos avaliam cada vez mais os empregadores sobre as suas políticas de sustentabilidade. Além dos fatores de diversidade e inclusão como pilares importantes da sustentabilidade, os objetivos climáticos e o envolvimento social estão a ganhar relevância entre os colaboradores e candidatos a emprego. Dois terços das pessoas dizem que as iniciativas de sustentabilidade dos seus potenciais empregadores são “importantes” ou “muito importantes”.

Estas iniciativas de sustentabilidade (reciclagem, mobilidade elétrica, voluntariado e trabalho social, entre outras) influenciam a escolha dos candidatos a emprego relativamente à empresa. “O candidato julga um empregador pela visão, comportamento e implementação da Sustentabilidade. Atualmente é necessária uma política sustentável no sentido mais amplo, incluindo desde as metas climáticas a uma força de trabalho diversificada”, reforça João Bernardo Gonçalves.

Em Portugal, apenas 16,4% dos colaboradores considera que as políticas de sustentabilidade da empresa em que estão inseridos são suficientes e quase metade (49,1%) opta pela neutralidade na resposta relativamente a esta questão. Mas, quando questionados se aceitariam trabalhar numa empresa sem uma política de sustentabilidade, 63% dos entrevistados portugueses consideram que é um fator muito importante para a tomada de decisão.

João Bernardo Gonçalves  conclui que, “para ser fiel a si próprio no trabalho, é importante que empregador e colaborador partilhem os mesmos valores. Na procura de um novo emprego, é importante definir valores pessoais essenciais, e estabelecer prioridades no que é mais importante e menos importante na vida pessoal e profissional, definindo a distinção para si próprio entre o que é 'negociável' e 'não negociável'. Por exemplo, se o valor central é a flexibilidade, e este é um valor não negociável, é preferível procurar um empregador que tenha os mesmos valores fundamentais, pois se estiverem alinhadas as probabilidades de permanecer nessa empresa por um período mais longo de trabalho são maiores, o que traz habitualmente benefícios para ambas as partes”.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.