As tendências futuras do mundo do trabalho

Estudo será divulgado este mês na cimeira de Davos. A empresa destaca a importância de aprender ao longo da vida e o desafio de preparar os alunos para um futuro incerto

As tendências futuras do mundo do trabalho

A antecipar o lançamento do Global Talent Competitiviness Index 2020 (GTCI) a ter lugar no próximo dia 22 de janeiro, na cimeira de Davos, na Suiça, e em parceria com a Tata Communications e a Insead, a Adecco destacou as cinco tendências do mundo de trabalho, já evidentes em 2020.

1. Era da economia GIG

Uma nova lei na Califórnia limita a capacidade das empresas em classificar os trabalhadores como liberais. Este “movimento” é direccionado para as empresas que, segundo os críticos, atribuem aos seus trabalhadores liberais as responsabilidades de horário fixo, por exemplo, sem, contudo, lhes oferecer os benefícios correspondentes a trabalhadores permanentes, como os subsídios por doença ou de férias. No entanto, é provável que a nova lei tenha consequências, como um maior número de empresas simplesmente a prescindirem de trabalhar com freelancers a favor de um número menor de funcionários em período integral ou concentrando os seus esforços desloncando-se para outros mercados. Enquanto isso, a economia GIG continua a crescer, sugerindo que clientes, trabalhadores e empresas estão empenhados na mesma.

2. Aumentar as competências dos trabalhadores (jovens e idosos) deve ser uma prioridade

A natureza do trabalho está a mudar. E sempre mudou. Grandes mudanças ocorreram na última década.  O ritmo da mudança é tal que devemos concentrar-nos em dotar os trabalhadores de todas as idades com as competências que eles precisam para se adaptar à mudança.

3. Automação, mudança climática, IA

Alguns países têm virado os seus sistemas de ensino para preparar os estudantes para empregos do futuro. Algumas universidades estão a adaptar os seus cursos para atender às necessidades "de uma sociedade em mudança", concentrando-se em tendências como a mudança climática, a ciência de dados e a segurança cibernética. E as universidades deverão preparar os alunos para alguns empregos que ainda não existem, e o foco deve estar em "competências sociais", como o pensamento crítico e a resolução de problemas. Isto coincide com a decisão da Presidência Finlandesa que disponibilizou gratuitamente, por exemplo, um curso de IA on-line em toda a UE.

4. A primeira-ministra finlandesa sugeriu uma semana de trabalho de 4 dias ou dias de 6 horas

Falando da Finlândia, foi amplamente divulgado que Sanna Marin, a primeira-ministra finlandesa, planeia introduzir uma semana de trabalho de quatro dias. Isso não é muito preciso, como o governo finlandês mais tarde deixou claro. Os relatórios foram baseados em observações feitas por Marin antes de assumir o cargo, sugerindo que o futuro poderá ter dias úteis mais curtos ou uma semana útil mais curta. Seja um plano ou não, as evidências sugerem que dias úteis mais curtos aumentam a produtividade. Como John Brandon escreve na Inc, o dia útil de oito horas é um remanescente do trabalho em turnos da Era industrial. No entanto, há uma desvantagem importante na semana de quatro dias, mesmo que isso o torne mais produtivo. Cortar a semana de trabalho pode significar menos tempo para o desenvolvimento da carreira a longo prazo, dizem também os especialistas em gestão.

5. Aprimore os altos níveis de qualificação: a resolução obrigatória de ano novo para as empresas

A transformação digital depende de aperfeiçoar e capacitar novamente os funcionários, não adquirindo talentos caros fora da empresa. Mas as pessoas que lideram a transformação estão qualificadas para realizar a qualificação? É por isso importante enfatizar a importância de formar os seus especialistas e mantê-los atualizados.

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 24 Março 2020

IT INSIGHT Nº 24 Março 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.