Branded Content

Como simplificar a gestão dos dados?

Se os dados são a matéria-prima da inovação, é urgente que as organizações automatizem aquele que é um dos grandes quebra-cabeças do IT: a gestão da informação

Como simplificar a gestão dos dados?

No “SAP Data Innovation Tour”, que decorreu no início de outubro, em Lisboa, a tecnológica abordou a relação estreita entre decisões guiadas pelos dados e a evolução do negócio. “Uma empresa inteligente assenta decisões no conhecimento, nos factos”, sublinhou Luís Grincho, responsável de plataformas e gestão de dados na SAP Portugal. Com a plataforma de computação in-memory HANA já “suficientemente madura no nosso mercado” – uma vez que está a ser utilizada por muitos dos clientes da SAP no contexto do ERP S/4 HANA–, a tecnológica entende que “está na altura de as empresas considerarem o que é possível alcançar a mais com esta plataforma tecnológica”.

 

Gestão da informação ainda incipiente

Capitalizar o conhecimento aprisionado nos dados é um imperativo das empresas ágeis ou, como a SAP lhes chama, “inteligentes”, as que se apoiam nos dados para desenvolvimento de novos produtos, serviços e soluções que antecipam as necessidades e expetativas dos clientes.Apesar de, segundo Luís Grincho, as nossas empresas já terem dado o primeiro passo – o da recolha de dados –, ainda não alcançaram o mais importante: uma estratégia clara sobre como gerir e trabalhar todos os dados de forma integrada.

A este propósito, Carlos Lacerda traçou a “paisagem dos dados” no seio das organizações nacionais: silos por toda a parte. “Dados isolados são difíceis de gerir”, alertou o VP de Platform and Data Managament da SAP para o sul da EMEA. A tendência, acrescentou, é para que este cenário se agrave à medida que a sensorização aumenta e que os dispositivos começam a gerar mais e mais informação.

Um dos grandes desafios das organizações, alertou, é precisamente a dispersão dos dados por múltiplos locais: sistemas on- -premises, cloud, fornecedores externos.

Esta ausência de integração impossibilitaque se responda àquela que disse ser uma das grandes expetativas dos clientes nos dias de hoje: serviços e respostas imediatas.

 

HANA Data Management Suite, “fábrica de decisão”

É neste ponto, no da tomada de decisões em tempo real, que a SAP promete ajudar as organizações, através das capacidades de computação in-memory da plataforma HANA. Andre Borchert, vice president, Platform & Data Management, Center of Excellence para o sul da EMEA, reforçou que “a diferenciação das empresas advirá da forma como utilizam a informação”.

Com a HANA Data Management Suite (HDMS), a SAP promete automatizar a decisão. Esta suite de soluções (multi-cloud, híbrida e aberta) pode ser adotada de forma modular, combinando dados de todos os tipos e de todas as fontes (SAP e não SAP), em tempo real. A HDMS faz a orquestração de todos os dados, integrando-os num ambiente único e criando um fluxo de dados já preparados para processamento em sistemas transacionais (OLTP) ou analíticos (OLAP). A maioria dos componentes estão disponíveis para utilização on-premises, mas muitas das capacidades estão prontas a consumir as-a-service.

 

“Na raiz da empresa inteligente está a construção da confiança nos dados”

Andre Borchert, vice president, Platform & Data Management, Center of Excellence para o sul da EMEA, conversou com a IT Insight sobre uma adequada estratégia de gestão de dados e sobre os benefícios da HANA Data Management Suite

 

IT Insight - Quando o tema é uma estratégia de gestão da informação, por onde começar?

Andre Borchert – Há várias componentes. Uma são os dados e a sua distribuição em diferentes fontes; outra é a forma segura de manusear e utilizar os dados; e, por último, conseguir suportar as necessidades do negócio, que estão a aumentar bastante. Por norma as empresas ou começam por adquirir muita tecnologia, com o objetivo de resolver um problema, ou optam por gastar muito pouco, experimentando com o open source. Entendemos que devem procurar o caminho inteligente, começar por definir um use case claro e relevante para o negócio, que o IT possa possibilitar - melhorar a customer engagement ou as taxas de retenção de clientes, por exemplo.

Depois é preciso que as empresas verifiquem se têm os dados, acesso a estes e/ou a tecnologia para os transformar em algo com significado. A SAP pode entrar em qualquer fase do processo. Podemos inclusive ajudar a identificar o use case. A HANA Data Management Suite pode ajudar com a integração, com a governance e com a segurança. Quando os dados estiverem prontos, a empresa pode aplicar o motor de analítica da HANA para extrair importantes insights para o negócio.

 

Qual o maior desafio das organizações a este respeito?

A qualidade da informação. Temos de garantir que a informação que estamos a utilizar segue a governance e as regras definidas pelo negócio. Antes de ser possível aplicar data science e analítica, é preciso que os dados estejam em ordem. Na raiz da empresa inteligente está a construção da confiança nos dados - este é o aspeto mais importante porque comanda todos os outros.

 

Que tipo de utilizador pode interagir com a HDMS?

Cada componente endereça diferentes tarefas de data management. Há componentes mais importantes para arquitetos empresariais, outras mais indicadas para administradores de bases de dados, outras mais orientadas para a semântica do negócio. Procurámos que a solução estivesseo mais próxima possível do que é relevante para cada utilizador final. O que torna a HANA especial é a infraestrutura in-memory.

Quando olhamos para os sistemas tradicionais e os data warehouses, temos várias cópias físicas dos mesmos dados, por causa de todos os passos envolvidos (preparação e limpeza, entre outros), o que origina uma arquitetura muito complexa. Com a SAP HANA todos os dados estão disponíveis na plataforma a um nível granular. Tudo o que está acima é uma visualização virtual, o que significa que os utilizadores podem criar a sua própria visão do negócio, não têm de pedir ao IT um relatório.

 

As empresas estão preparadas?

Para muitas trata-se de uma mudança do processo de pensamento, sobretudo ao nível do IT. O utilizador final está pronto para adotar ferramentas em tempo real, mas o IT tem de garantir que acompanha este ritmo. O IT ainda está muito ligado a um ambiente e a arquiteturas complexas. É por isso que em muitos clientes vemos uma estratégia dupla, que a SAP procura suportar. Por um lado, ajudamos ao nível da otimização dos processos de negócio existentes, com o ERP S/4 HANA.

Mas é necessária uma camada tecnológica onde se desenvolvam os aspetos mais inovadores. E é aqui que entra a HANA Data Management Suite, que simplifica a gestão dos dados.

 

Branded Content

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 18 Março 2019

IT INSIGHT Nº 18 Março 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.