“A transformação digital exige uma transformação cultural"

Tiago Cachim é o Diretor de Sistemas de Informação da PRIO desde 2012 e acredita num modelo híbrido entre o escritório e o trabalho remoto.

“A transformação digital exige uma transformação cultural"

A PRIO e o seu percurso 

A PRIO, a mais jovem produtora e comercializadora de biocombustíveis, nasceu no fim do ano de 2006 dentro do grupo Martifer. Em 2013 foi vendida à Oxy Capital – que, neste momento, detém a empresa a 100%.

Tiago Cachim, Diretor de Sistemas de Informação, entrou na PRIO ainda em 2012, e começou por fazer a gestão de projetos e toda a ligação a nível de sistemas entre a equipa central e a equipa de negócio.

Com a venda da PRIO à Oxy Capital, foi-lhe lançado o desafio de construir uma equipa de Sistemas de Informação, de liderar essa equipa e de começar a construir o seu caminho de forma independente.

Assim, começou por tentar potenciar, também, a nível digital e de infraestrutura, tudo o que fosse necessário para que a PRIO continuasse a crescer. Neste momento, conta com uma equipa polivalente com desenvolvimento interno e gestão de projeto.

Atualmente, esta organização destaca-se principalmente pelos postos de abastecimento – tem cerca de 250 espalhados pelo país; no entanto, tem também em operação um parque de tancagem de combustíveis, uma fábrica de biocombustíveis e uma linha de enchimento de gás no porto de Aveiro.

A empresa tem gás engarrafado que vende com marca própria e lubrificantes; tem também uma área – uma das grandes apostas da PRIO – de mobilidade elétrica, é operador de pontos de carregamento e também comercializador de energia elétrica para a mobilidade elétrica.

A PRIO tem cerca de 750 colaboradores e teve um volume de negócios em 2019 acima dos mil milhões de euros. 

A estratégia de transformação digital

“Nos primeiros anos, a estratégia era simples: garantir a independência da PRIO face ao que tinha sido feito pelo grupo Martifer, ou seja, começar a ter estrutura própria para garantir o processo de separação também a nível de sistemas de informação”, explica Tiago Cachim. Até ao fim de 2016, o objetivo era separar as empresas e culminou com a separação do data center.

Em 2016, foi feito um benchmark da indústria e do mercado e a empresa lançou “um grande conjunto de projetos nos anos seguintes, como a montagem do portal de clientes que utiliza ferramentas OutSystems que ainda hoje existe e é no portal da PRIO onde fazemos toda a relação B2B com os nossos clientes; montámos uma plataforma de CRM, apostando em ferramentas Microsoft, para garantir a gestão dos clientes; lançaram-se as bases para a concretização da aplicação móvel da PRIO (PRIO.GO), a primeira aplicação em Portugal a permitir o pagamento de combustíveis com o smartphone, que foi lançada no ano passado.

A nível estrutural, o Diretor de Sistemas de Informação teve ainda a preocupação de garantir a estabilidade de toda a estrutura dos postos de abastecimento. Todos estes projetos derivam dos cinco pilares definidos na estratégia tecnológica da PRIO.

1 - O primeiro é garantir a virtualização e operação remota dos colaboradores, algo que foi feito “antes do contexto pandémico atual, o que nos permitiu uma transição bastante suave do ambiente 100% presencial para ambiente 100% remoto.”;

2 - Outra vertente é garantir que as infraestruturas são sólidas, ou seja, garantir que existem comunicações, servidores e bases de dados estáveis, resilientes e escaláveis;

3 - Um modelo API driven onde a PRIO tem as suas “ferramentas core que a nível de desenvolvimento podem demorar um pouco mais e que são ferramentas mais robustas e com menos flexibilidade que, depois, tentamos apoiar nas chamadas aplicações na cloud, plug and play. Para isso, trabalhamos com conectores e garantimos que conseguimos começar a operar muito rapidamente no extremo da cadeia”. Este é, no fundo, um modelo a duas velocidades, em que existe uma velocidade mais lenta com os sistemas core da organização e uma velocidade mais rápida com tudo o são aplicações de perímetro.

4 - O modelo de dados é igualmente importante na medida em que é necessário garantir cada vez mais o acesso aos dados e a disponibilização da informação tão próximo quanto possível do real time. “Ainda não o atingimos, mas é algo que pretendemos fazer até ao fim do ano. Um modelo misto entre o self-service e um modelo mais centralizado, que é muito apoiado em ferramentas da Microsoft”, explica o Diretor de Sistemas de Informação da PRIO.

5 - Por último, mas não menos importante, as pessoas. Tiago Cachim explica que a PRIO não tem um modelo de trabalho 100% remoto e que esta é uma empresa que se preocupa com os trabalhadores. “A nossa taxa de retenção é bastante elevada, com recursos muito seniores a trabalhar connosco. Apostamos em dar projetos aliciantes e boas condições para que queiram continuar a trabalhar connosco. Este é um ponto que privilegiamos imenso”. Para Tiago Cachim, um dos principais pontos chave para uma empresa ser bem-sucedida no processo de transformação digital é a existência de uma mensagem alinhada entre o board e as direções de negócio e transversais à organização. “A transformação digital exige também uma transformação cultural”, explica.

O futuro 

“Temos alguns projetos em vista e um deles é na vertente dos dados. É importante obtermos modelos preditivos, disponibilizar informação em real time que os utilizadores consigam usar e analisar. Não queremos que seja a área de Sistemas de Informação a ser a dona da informação”, explica Tiago Cachim, quando questionado sobre projetos futuros.

Já numa vertente mais focada no bring your own device, Tiago Cachim acredita que é cada vez mais importante garantir que, a nível de equipamentos móveis, o software ou sistema operativo sejam fáceis de utilizar, independentemente do equipamento. Isto será especialmente versátil num mundo, “que pode vir a ser muito dotado de freelancers, de pessoas que trabalham durante um curto período de tempo na organização e que tenham o seu próprio equipamento.”

Os novos projetos ambiciosos da organização irão potenciar a obrigatoriedade da aposta em cloud, evitando o lock in aplicacional. “Iremos ponderar também o salto para a nova versão SAP, SAP S/4HANA. Será um salto que será dado a médio prazo, mas que poderá fazer com que exista uma reimplementação de todo o software de gestão. Vai ser um projeto de dois anos”.

“Diria que estes são os pontos principais, aliados ao desafio de ter um conjunto de pessoas cada vez maior a trabalhar remotamente com modelos flexíveis, que não exigem a presença em escritório. Acredito num modelo híbrido, entre escritório e trabalho remoto”, conclui. 

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 27 Outubro 2020

IT INSIGHT Nº 27 Outubro 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.