Pessoas, tecnologia e espaços são motores da transformação

O trabalho deixou de ser um lugar e passou a ser uma ação - foi esta a conclusão da Workplace Design Conference Lisboa, onde especialistas internacionais se reuniram para debater a transformação corporativa com base nas pessoas, na tecnologia e nos espaços.

Pessoas, tecnologia e espaços são motores da transformação

A Workplace Design Conference Lisboa, que decorreu, no MAAT, em Lisboa, reuniu vários especialistas para debater e divulgar as novas formas de trabalhar e os espaços corporativos perante uma plateia cheia. Este foi o segundo de 25 eventos internacionais previstos pelo 3g Smart Group para 2017, onde se analisa a transformação corporativa com base nas pessoas, na tecnologia e nos espaços como alavancas de mudança. No nosso país, o evento contou com o apoio da APFM – Associação Portuguesa de Facility Management.

Francisco Vázquez, Presidente do 3g Smart Group, que organiza as Workplace Conferences (WDC) abria o evento: “A transformação já faz parte do roteiro de muitas empresas, mas ainda há muito por fazer e não há muito tempo. É importante ter uma visão integrada do verdadeiro alcance do momento que vivemos na história do management e das organizações” e passou a palavra aos especialistas.

Hélio Soares, CEO e Fundador da UP Partner, abriu as conferências com Flash Forward Generation,  explicando como a evolução tecnológica nos trouxe um mundo em constante mudança “A nova normalidade é um desafio extraordinário no qual o mais importante são as pessoas. Neste contexto, as empresas devem trabalhar na formação de talento, esse é o grande capital deste novo paradigma” afirmou. “Em 2020 seremos 5 mil milhões de pessoas ligadas à Internet - 66% da população mundial. 65% dos postos de trabalho do futuro ainda não se criaram! Os nossos colaboradores têm de ser mais produtivos, mais inovadores e mais criativos. Esse é o grande desafio.”

Carlos Aguirre, Responsável de Tecnologia da Sappiens, centrou-se na tecnologia como detonador da transformação. Aguirre explicou como para muitas empresas foi difícil levar a cabo os processos de digitalização, em grande parte por não terem um propósito claro.

“Quando uma empresa enfrenta uma transformação digital ou um projecto com tecnologia, deve ter muito claro o seu propósito e a razão pela qual quer implantar determinada tecnologia.  Se não, o que vai acontecer é que terá uma tecnologia entravada, que não vai servir, como aconteceu em muitos casos”.

Como exemplo, refere o boom do big data: “Todas as empresas queriam ter um projecto de big data ou machine learning, sem se perguntarem para que o queriam ou porque o necessitavam. Ora, deve ser o propósito a liderar o processo tecnológico. A viagem real do big data deve ser: temos big data, que quando interage com as pessoas passa a ser small data, para depois se transformar em smart data (dados inteligentes) que nos permita tomar decisões simples. A tecnologia possibilita que uma coisa complicada se transforme numa decisão simples”

Sergi Corbeto, CEO da Mind de Gap, falou sobre utopia e distopia, “Temos que fazer com que as empresas entendam que a transformação não é digital, é uma transformação antropológica.” Se não queremos transformar-nos em ciborgs, é preciso transformar os colaboradores das empresas em artistas. “Os líderes têm de permitir que as pessoas que trabalham nas suas organizações se transformem em artistas”. Na perspectiva de Corbeto, é preciso transformar as empresas, fazê-las passar de organizações piramidais, altamente hierarquizadas, a empresas circulares, “colocando as pessoas no centro”.

“Para chegar à utopia o único caminho é que 98% das nossas decisões se baseiem na empatia”, concluiu.

Depois de estar reunido durante toda a manhã para reflectir sobre O Papel do CEO na Transformação Digital, o painel de CEOs, composto por Jorge Marrão (Deloitte), Ana Paula Reis (Seldata), Miguel de Sousa (OKI) e Joaquim Paiva (Malo Clinic) partilhou as suas conclusões com a assistência. Como navegar a onda da transformação? A palavra-chave é confiança. “O primeiro a transformar-se tem de ser o CEO, é a ele que cabe dar o exemplo” conclui Francisco Vázquez.

Seguiu-se a apresentação de dois case studies à volta de projectos de espaços corporativos realizados em Portugal pelo 3g Smart Group: Banco de Portugal (Jorge Afonseca, da 3 g Office e Bela Correia, em representação da instituição) e WiZink, com Afonseca e Inês Medina que salientou que “uma nova marca, novos valores e novas formas de trabalho pedem novos espaços”.

Luís Miguel Garrigós, Sócio e fundador de Rrebrand Strategic Design, falou de emoções e valores como base de sustentação das empresas: “Se concretizarmos o sentido e os valores de uma organização, eles transformarão o comportamento e farão crescer a empresa. É preciso transformar a partir da identidade das empresas. Saber o que somos e com que sonhamos, partilhá-lo, empatizar e co-crear com os colaboradores é fundamental."

Para concluir, Francisco Vázquez, Presidente de 3g Smart Group centrou-se na forma como a revolução tecnológica deu origem ao trabalho em mobilidade e como os espaços têm de adaptar-se aos trabalhadores móveis: “O trabalho deixou de ser um lugar e passou a ser uma acção. Isto alterou profundamente o conceito de espaço de trabalho. Saber o que querem as empresas, de que precisam as pessoas e o que nos dá a tecnologia, e a partir daí planificar como serão os espaços. É impossível mudar hábitos e culturas sem mudar o espaço. Culturalmente todos esperamos um posto de trabalho fixo, no  entanto na era digital devemos esquecer a ideia de gabinete e escritório e começar a falar de espaços digitais. O novo espaço digital ocupa entre 30 e 40% menos de m2 que o espaço tradicional, com a consequente poupança de gastos."

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!