Trabalho digital impulsiona a transferência segura de documentos

A evolução para locais de trabalho digital e os modelos cada vez mais móveis estão a levar as empresas a investir em segurança de dados, cumprindo ao mesmo tempo regulamentos mais rigorosos

Trabalho digital impulsiona a transferência segura de documentos

De acordo com a previsão dos especialistas, o volume de negócios que se irá mover em 2025 será de 15,9 mil milhões de euros, o que corresponde a um crescimento anual de cerca de 26%.

Um relatório recente da IDC Research Spain sublinha a relevância da transferência segura de ficheiros para o fluxo adequado de processos de negócio. "Num mundo que mudou radicalmente nos últimos tempos e em que o teletrabalho está posicionado como a nova forma de desenvolver atividades por parte dos colaboradores, as equipas de IT precisam de fornecer novas ferramentas e canais de comunicação para abordar os seus programas de confidencialidade e segurança da informação", explica Isabel Tovar, analista da IDC Research Spain e autora do relatório.

De acordo com a IDC, as ameaças cibernéticas externas cada vez mais sofisticadas são o grande desafio na construção de confiança digital para 36,18% das organizações na EMEA. Por outro lado, proteger dados sensíveis de ciberataques e erros de configuração de IT continua a ser o principal alvo da confiança para 40,11% dos inquiridos.

O relatório confirma que o mercado de segurança não é estranho aos desenvolvimentos no processo de digitalização das organizações que estão a realizar fortes medidas para proteger, entre outras, o envio e receção de ficheiros e informações. "Isto resulta numa mudança de segurança para a segurança dos dados e, especificamente, num ambiente híbrido multicloud que é onde o tráfego de dados vai convergir", explica.

Neste contexto, os gestores de segurança da organização precisam de abordar a gestão da segurança da transferência de ficheiros a partir de uma abordagem em camadas, independentemente do canal. Não podemos esquecer, neste domínio, que a consciência dos utilizadores é uma parte fundamental das políticas de segurança.

A investigação atesta ainda que a segurança do intercâmbio de informações requer a incorporação de ferramentas para certificar a identidade digital dos ficheiros e informações, facilitando assim o processo de deteção de ameaças e permitindo o conceito de "confiança digital".

Um grande desafio é o risco enfrentado por trabalhadores remotos ou móveis no envio ou receção de ficheiros e informações devido a arquiteturas VPN rígidas ou desatualizadas e políticas de proteção de dados. Um em cada quatro trabalhadores afirma que em algum momento da sua carreira caíram em vetores de ciberataques. Portanto, sem soluções MFT a empresa coloca os seus dados não estruturados em risco e está exposta a manipulação ou perda.

O estudo identifica ainda os regulamentos regionais de dados, o aumento das vulnerabilidades e a cloud híbrida como os principais motores do mercado de soluções de transferência de ficheiros geridos.

 

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 28 Novembro 2020

IT INSIGHT Nº 28 Novembro 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.