Metade dos profissionais de cibersegurança admitem erros por falta de conhecimentos

Estudo revela que metade dos profissionais de cibersegurança comete erros por falta de conhecimentos teóricos ou práticos

Metade dos profissionais de cibersegurança admitem erros por falta de conhecimentos

Com o erro humano a causar quase dois terços de todos os ciberincidentes nos últimos dois anos, mais de 50% dos profissionais de cibersegurança em exercício admitem que cometeram erros no início da sua carreira devido à falta de conhecimentos teóricos ou práticos, segundo um novo estudo global encomendado pela Kaspersky. A percentagem de inquiridos que reconhecem esses erros aumenta para quase 60% entre os que têm dois a cinco anos de experiência na área

De acordo com um estudo recente da Kaspersky, nos últimos dois anos, as organizações sofreram pelo menos um incidente cibernético devido à falta de pessoal qualificado em matéria de cibersegurança. Embora a contratação de pessoal de cibersegurança mais qualificado possa ser uma das soluções para resolver este problema, as empresas de todo o mundo estão a enfrentar uma grave falta de profissionais da área InfoSec. Segundo estimativas atuais, o défice de mão de obra no domínio da cibersegurança ascende a quase quatro milhões de pessoas. 

O défice geral de competências em cibersegurança é acompanhado pelo facto de muitos recém-chegados ao setor terem de lidar com as lacunas nos conhecimentos práticos e teóricos, o que resulta em dificuldades iniciais e em erros no seu trabalho. A não atualização do software (43%), a utilização de passwords fracas ou fáceis de descobrir (42%) e a não realização atempada de cópias de segurança (40%) revelaram-se alguns dos erros mais comuns cometidos pelos profissionais de InfoSec em todo o mundo no início das suas carreiras. 

Como os profissionais de cibersegurança reconhecem que podem não ter tido as competências necessárias e a experiência prática quando entraram no sector, alguns apontam dificuldades adicionais para iniciarem as suas carreiras. Apesar de a indústria da cibersegurança referir continuamente a existência de um défice de mão de obra, 34% dos inquiridos afirmam ter tido três ou mais entrevistas falhadas antes de serem selecionados para uma função de InfoSec.

Não é segredo que os programas de formação formal têm muitas vezes dificuldade em acompanhar os desenvolvimentos do sector, e isso é especialmente verdade no campo da cibersegurança”, alerta Marina Alekseeva, Diretora de Recursos Humanos da Kaspersky, em comunicado. “O facto de muitos funcionários no mercado poderem ter competências práticas limitadas ou lacunas nos seus conhecimentos sublinha a importância de um processo de integração abrangente com foco na aprendizagem entre pares e significa que as empresas devem prestar mais atenção à melhoria das competências dos seus funcionários”.

Os desafios iniciais que os especialistas em cibersegurança enfrentam quando entram no sector podem explicar por que razão quase metade dos profissionais de InfoSec (46%) afirmam que demoraram mais de um ano a sentir-se confortáveis nas suas primeiras funções de cibersegurança. Enquanto 31% dos inquiridos conseguiram familiarizar-se com o seu trabalho no espaço de um ou dois anos, menos de 10% dos inquiridos afirmaram que o processo demorou dois a três anos (9%) e mais de três anos (6%).

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

IT INSIGHT Nº 48 Março 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.