Ataques maliciosos traduzem 80% do aumento de sinistros cibernéticos em 2020

Relatório The Changing Face of Cyber Claims 2021, a Marsh destaca que de 80% de sinistros cibernéticos, 32% são da variante ransomware

Ataques maliciosos traduzem 80% do aumento de sinistros cibernéticos em 2020

O relatório The Changing Face of Cyber Claims 2021 analisa os sinistros de seguros cibernéticos geridos pela Marsh na Europa entre 2016 e 2020 e surge de uma colaboração da empresa com a Microsoft, a CMS e a Kivu. O estudo indica que os ataques cibernéticos maliciosos representaram cerca de 80% dos sinistros cibernéticos, ocorridos na Europa Continental, durante 2020, enquanto em 2019 as percentagens tocavam nos 70%. 

Os ataques de ransomware representaram 32% dos sinistros cibernéticos em 2020 – mais do dobro do registado de 2016 a 2020 (14%). Luís Sousa, Cyber Risk Specialist da Marsh Portugal comenta que “os ataques maliciosos e de ransomware estão a tornar-se cada vez mais prejudiciais, à medida que os cibercriminosos tentam explorar as fracas defesas das organizações, bem como as fragilidades humanas” e acrescenta que “a questão não é ‘se’ uma organização está sujeita a um incidente cibernético, mas ‘quando’”.

Em geral, os sinistros de seguros cibernéticos na Europa Continental aumentaram cerca de 8% em 2020. Entre a crescente frequência e gravidade dos ataques, as taxas de seguro aumentaram, em média, 39% em todos os setores de atividade, no primeiro trimestre de 2021, comparando com os 37% do quarto trimestre de 2020. 

Enquanto os setores de atividade mais afetados – instituições financeiras; manufatura; comunicação, media e tecnologia e serviços profissionais – permanecem sem alterações desde o estudo de 2019, a Marsh reporta que os sinistros entre os quatro principais setores cresceram significativamente em 2020, com aumentos registados de três dígitos – manufatura (104%); comunicação, media e tecnologia (153%) e serviços profissionais (200%). 

“Estabelecer planos de emergência e protocolos, e criar equipas de resposta aos incidentes que rapidamente consigam gerir a crise, é crucial”, assegura Luís Sousa, pelo que “enquanto uma cibersegurança melhorada e a preparação representam a primeira linha de defesa, o seguro cibernético pode ajudar a mitigar a severidade de um incidente, apoiar na interrupção de negócio e na sua recuperação, aumentando a sua resiliência”, conclui.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 32 Julho 2021

IT INSIGHT Nº 32 Julho 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.