SmartCities e Realidade Aumentada

SmartCities e Realidade Aumentada

No contexto das Smart Cities, a Realidade Aumentada (RA) está já hoje a tornar-se numa das peças fundamentais na nossa relação com a informação

A capacidade de adicionar conteúdos digitais à nossa realidade física que as tecnologias de RA permitem, possibilita-nos olhar, literalmente, para as nossas cidades de uma maneira completamente nova. O volume de dados gerados pelo uso intensivo de tecnologias de comunicação e informações sensíveis ao contexto urbano só se torna realmente útil quando conseguimos aceder, filtrar e perceber esses dados de uma forma simples e eficaz, e é aqui que a RA se torna na nossa “janela” para esta informação contextualmente significativa.

Pensemos ao nível do planeamento e gestão de infraestruturas, por exemplo. É de facto útil termos toda a rede de esgotos, abastecimento de água e eletricidade, redes de telecomunicações e outros sistemas igualmente complexos e intricados, mapeados e a debitar dados em tempo real.

Este volume de dados ajuda-nos a monitorizar redes, identificar problemas atuais e antecipar possíveis problemas futuros, atuando de forma preventiva. A RA permite-nos visualizar esta informação em 3 dimensões, quer através de dispositivos móveis, como smartphones ou tablets, quer através de Head Mounted Displays (HMDs), como os óculos Microsoft Hololens. Na prática, isto significa que um técnico que esteja ao nível da rua consiga ver todas as condutas, tubos ou cabos que passem por aquele local, ganhando uma visão raio-x instantânea de toda a rede que passa por debaixo de estradas, passeios ou mesmo pelo interior de edifícios.

A RA ajuda não só o técnico a identificar o local preciso onde é necessária a sua intervenção, mas também na intervenção em si. À sua disposição, o nosso técnico tem acesso a toda informação que precisar, desde esquemáticas, PDFs, relatórios e dados em tempo real até instruções precisas de como proceder, tudo isto sobreposto ao equipamento real. Caso esta informação não seja suficiente, pode sempre fazer uma ligação em tempo real com um perito naquele equipamento em específico, que o vai assistir remotamente, vendo o que o técnico no terreno vê em tempo real e guiando-o ao longo do processo.

Numa fase ainda anterior, a RA é uma excelente ferramenta de planeamento e planificação urbana. Uma equipa de técnicos pode trabalhar em tempo real sobre o mesmo projeto, mesmo não estando reunidos todos no mesmo espaço físico. As alterações e opiniões de cada projetista podem ser visualizadas por todos, num modelo 3D à escala real e no sítio da sua futura edificação. Esta sobreposição digital dos futuros projetos à presente realidade urbana é uma ótima forma de identificar possíveis problemas e acelerar o processo de decisão de todos os intervenientes.

Da mesma forma, a RA é uma ótima ajuda para quem visita as nossas Smart Cities. Uma das principais dificuldades de muitos viajantes é a orientação num local estranho, muitas vezes com indicações e nomes de ruas em línguas que desconhecem. Através de RA, basta-nos apontar os nossos dispositivos para uma placa de indicações escrita numa qualquer indecifrável língua nativa para a traduzir em tempo real. O mesmo é verdade para informações sobre transportes, menus de restaurante e todo o tipo de informações escritas relevantes para a nossa viagem, tudo isto alimentados pelo constante fluxo de dados recolhidos.

Durante a visita ao principal Museu da cidade, o fóssil de dinossauro de dez metros do átrio ganha vida, o quadro daquele famoso pintor renascentista é-nos apresentado pelo holograma do mesmo ou as personagens nele pintadas contam-nos a sua narrativa e as ruínas da antiga vila romana que existiu naquele espaço 20 séculos antes reconstroem-se virtualmente para que possamos ver a sua arquitetura original enquanto um romano do século I nos conta como era viver ali. Depois de tanto andar é normal termos fome. O restaurante de comida típica da região tem uma oferta indecifrável de pratos e o empregado bem se esforça para nos tentar explicar o que é uma francesinha. Com RA, podemos ver a representação digital de qualquer prato da ementa na mesa à nossa frente e escolher aquele cujo aspeto é do nosso agrado.

No fundo, a RA capacita-nos para olhar para qualquer elemento das nossas cidades e aceder de uma forma visual aos conteúdos e informações contextualmente relevantes para nós, sejamos técnicos de infraestruturas urbanas, projetistas ou turistas.

 

por Luís Marques, Business Developer da NextReality

Tags

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 20 Julho 2019

IT INSIGHT Nº 20 Julho 2019

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.