O impacto do novo Coronavírus no e-commerce

O impacto do novo Coronavírus no e-commerce

O surto do novo coronavírus, ou COVID-19, já declarado como pandemia global, tem se disseminado pelo mundo, causando impacto a vários níveis, e cujas consequências são ainda desconhecidas na sua dimensão

Com milhares de pessoas infetadas, onde o isolamento e o distanciamento social parecem ser dos poucos caminhos para o combate deste vírus, fecham-se as portas de instituições de ensino, estabelecimentos comerciais, algumas indústrias, e os pequenos comércios serão talvez os mais prejudicados. Como uma consequência natural de todas estas restrições impostas pelas entidades governamentais, começa a registar-se um decréscimo da procura e consumo em locais físicos, o que se revela um fator de preocupação. No fundo, o COVID-19 está a deixar toda a economia em stand by, desde a produção ao consumo. 

No entanto, e como se costuma dizer, “no meio do caos há sempre uma oportunidade” e essa oportunidade pode ser vista por quem permite aos consumidores terem acesso e satisfazerem as suas necessidades básicas a partir de casa, no online. A grande maioria da população encontra-se a trabalhar a partir de casa, em regime de teletrabalho. Famílias inteiras passam todo o seu tempo nos seus lares.  

Naturalmente, os acessos e o tempo despendido na internet aumentam. Ao mesmo tempo, são cada vez mais as pessoas que recorrem ao online para realizarem compras. Na verdade, o e-commerce em Portugal tem registado um crescimento ao longo dos últimos anos, e esta crise, apesar de todos os danos que poderá causar na economia, deve ser vista como uma oportunidade de crescimento do e-commerce.  

Se virmos o caso da Itália, entre fevereiro e março de 2020, as vendas online em Itália aumentaram significativamente comparando com o mesmo período de 2019, mostrando que o setor do comércio eletrónico foi fortemente impactado pelo surto do novo Coronavírus. Em 8 de março, as vendas online registaram um aumento de 90% em relação ao mesmo período do ano anterior. É fundamental que os negócios online adaptem a sua comunicação e as suas estratégias a esta realidade, sem data de término concreta, e que tirem partido dos canais de e-commerce para amenizar a restrição física.  

Os desafios são constantes. As empresas devem-se questionar de que forma podem trabalhar a sua presença digital para oferecer algo relevante ao consumidor num contexto de pandemia mundial. 

Nos negócios online, o estudo das tendências de pesquisa revela-se fundamental perante toda a alteração de comportamentos e necessidades. Perceber o que os utilizadores anseiam e quais as suas frustrações e dúvidas, pode constituir a base para novas oportunidades. Nestas situações, as empresas podem sentir a necessidade de se desviarem por momentos do seu foco principal e adaptar as suas prioridades ao que o utilizador realmente precisa. O valor que são capazes de agregar à sua comunicação é essencial para ultrapassar da melhor forma esta crise de saúde pública e da economia, seja qual for a área de negócio.  

Com o aumento de pessoas a executarem os seus compromissos profissionais em regime de teletrabalho, seja provisório ou não, aumenta também o recurso à tecnologia e internet, seja para executar tarefas, manter contacto com a equipa ou cumprir com as reuniões com clientes. 

A questão de as empresas adotarem ou não o trabalho remoto foi respondida. Apesar de ter sido forçada por uma situação externa, a mudança é hoje uma realidade e a única hipótese de as empresas continuarem a ter atividade. Nos últimos resultados do barómetro de impacto do COVID-19 no Marketing elaborado pela APPM, 86% das empresas dos inquiridos poderão continuar a operar de forma remota ou num formato misto o que não deixa de ser um feito extraordinário pela rapidez com que tudo sucedeu. 

A Vodafone já registou um aumento de 30% no tráfego de internet nas suas redes fixas e móveis no Reino Unido, face à média do tráfego pré-pandemia, o que mostra que as pessoas estão a ocupar grande parte do seu tempo no online. Apesar do efeito nefasto na economia e população em geral, os canais digitais podem evoluir rapidamente devido a esta crise. Como tal, empresas fornecedoras de plataformas de chat e vídeo conferência, por exemplo, podem ver nesta situação uma oportunidade para otimizarem as suas ferramentas e oferecer a todos os utilizadores os melhores recursos possíveis. Nesta fase, e mais do que nunca, é fundamental que empresas fornecedoras de tecnologia digital reforcem a qualidade dos seus produtos para ir de encontro às necessidades e expetativas dos utilizadores.  

O aumento do acesso à internet não está apenas relacionado com o aumento do teletrabalho, mas também com atividades de lazer, como navegação em redes sociais, jogos, aulas e outras fontes de entretenimento online, o que mostra que em período de isolamento e quarentena existem oportunidades no online porque, neste momento, é onde o consumidor está. 

Neste momento, a internet é a “janela” que milhões de pessoas têm para o mundo em seu redor. 

É expectável que um surto da dimensão do COVID-19 tenha impacto nos negócios em geral. Naturalmente, umas áreas de negócio enfrentarão maiores desafios do que outras, mas todas elas terão de lidar com uma transformação e adaptar-se a esta nova realidade. Uma marca deve parar para estudar como pode continuar a aproveitar o online numa realidade nova, em que o consumidor está em casa e privilegia o acesso aos bens sem sair dela.  

A tecnologia é aqui parte essencial de todo o processo. Sem um bom suporte tecnológico, as empresas terão imensa dificuldade em singrar nesta situação complexa. Apenas através deste suporte poderão manter uma linha de comunicação aberta com os seus clientes e parceiros.

A necessidade de consumo continua a existir e a fazer parte da vida de todos. As prioridades podem mudar. Mais do que nunca, os negócios de e-commerce devem acompanhar as alterações no comportamento do consumidor e adaptar-se às mudanças e circunstâncias. Só desta forma conseguirão fazer face a todos os desafios enfrentados e superar a instabilidade e incerteza sentida perante uma pandemia mundial.

 

por Rui Nunes, Business Manager na MindSEO

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 25 Maio 2020

IT INSIGHT Nº 25 Maio 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.