Mudanças no horizonte: o novo perfil dos profissionais de tecnologia

Mudanças no horizonte: o novo perfil dos profissionais de tecnologia

O rápido e incessante desenvolvimento tecnológico que testemunhamos hoje não é apenas uma transformação ao nível de ferramentas e processos, é também uma profunda redefinição do perfil dos profissionais que atuam no centro desta mudança. As recentes ascensões das plataformas de Low-Code e dos avanços em Inteligência Artificial estão entre os principais motores desta alteração, desafiando os paradigmas tradicionais e exigindo um novo conjunto de capacidades e competências

As plataformas de Low-Code, que permitem o desenvolvimento de aplicações por meio de interfaces gráficas intuitivas e com mínimo uso de codificação manual, estão a democratizar a criação de soluções tecnológicas. Esta democratização não apenas acelera o processo de desenvolvimento de software, mas também torna a tecnologia acessível a um espectro mais alargado de profissionais. Agora, pessoas com formação em áreas não técnicas podem conceber, implementar e disponibilizar soluções sem a necessidade de dominar nenhuma linguagem de programação em particular. Os impactos resultantes são profundos, pois as fronteiras entre os profissionais técnicos e não técnicos diluem-se, colocando-se, agora, uma maior ênfase em competências como design de soluções, coordenação de equipas e conhecimento do negócio.

A Forrester estima que o mercado de Low-Code poderá aproximar-se dos 50 mil milhões de dólares até 2028 e a Gartner prevê que, até 2026, cerca de três quartos de todas as novas aplicações serão construídas utilizando tecnologias de Low-Code.

Paralelamente, a Inteligência Artificial continua a ser um campo de rápido crescimento, influenciando desde operações de IT até estratégias empresariais. Com sistemas que aprendem, adaptam-se e potencialmente operam de forma autónoma, o perfil do profissional de tecnologia inclina-se cada vez mais para especialistas que não só dominam algoritmos de regressão e classificação, mas que também possuem conhecimento relevante do negócio e fortes competências em gestão de dados e integração de sistemas. Para além disso, a capacidade de colaborar com agentes inteligentes e de entender as implicações éticas resultantes serão, em breve, tão cruciais quanto as capacidades técnicas tradicionais.

A Gartner prevê que, até 2025, a IA gerativa será um parceiro de trabalho para 90% das empresas em todo o mundo e a Forrester estima que o mercado de IA gerativa crescerá 36% anualmente no resto da década.

Esta evolução está também, paulatinamente, mas inevitavelmente, a moldar o sistema educativo e formativo nacional. As instituições de ensino estão a adaptar os seus currículos para incluir competências essenciais em tecnologias emergentes, tornando-os mais modernos e mais adequados às necessidades da sociedade do futuro, uma sociedade onde as tecnologias deverão, necessariamente, colaborar com outras áreas do conhecimento. Além disso, a aprendizagem e a formação contínua torma-se, cada vez mais, componentes essenciais para qualquer profissional da área de tecnologia, dada a velocidade com que as inovações são introduzidas no mercado.

O setor tecnológico ultrapassou já o ponto de inflexão, onde novas tecnologias e paradigmas estão não só a transformar o que os profissionais de tecnologia fazem, como estão também a redefinir como e por quem o trabalho é realizado. Em resposta, as organizações devem reavaliar as suas estratégias de recrutamento e de desenvolvimento de talento, enfatizando a diversidade de competências, a polivalência de atuação e a adaptabilidade dos profissionais.

Como consequência, para prosperar nesta nova era tecnológica, os profissionais de tecnologia devem adaptar-se rapidamente, não apenas mantendo as suas competências técnicas atualizadas, mas também desenvolvendo e adequando competências interpessoais e estratégicas. Precisarão, agora, ser não apenas implementadores de tecnologia, mas também ativos adaptáveis, capazes de navegar a complexidade de um ambiente em constante evolução.

As mudanças estão no horizonte, não apenas ao nível da tecnologia, mas também no fundamental perfil dos profissionais que moldam e são moldados por estas mesmas tecnologias. O futuro do trabalho na área de tecnologia será caracterizado por uma interseção cada vez maior entre tecnologia, negócio e dinâmicas humanas, uma tríade que definirá os líderes da próxima geração.

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.