Maioria dos consumidores tem curiosidade sobre o metaverso

Estudo indica que as empresas esperam que o metaverso e as experiências imersivas venham a ser um canal importante para as interações com os consumidores e para melhorarem a experiência dos seus colaboradores

Maioria dos consumidores tem curiosidade sobre o metaverso

De acordo com o novo estudo do Capgemini Research Institute, ‘Total Immersion: How Immersive Experiences and the Metaverse Benefit Customer Experience and Operations’, 77% dos consumidores esperam que as experiências imersivas impactem a forma como interagem com as outras pessoas, as marcas e os serviços, e sete em cada dez empresas acreditam que estas serão um fator diferenciador fundamental nos seus mercados, particularmente no que diz respeito à experiência do cliente. Três quartos dos inquiridos pelo estudo no grupo dos consumidores que já experimentaram o metaverso, revelaram que o estão a usar atualmente e que continuarão a fazê-lo, o que indica que há oportunidades para as empresas que souberem tirar partido do potencial das tão famosas experiências imersivas.

Em julho e agosto de 2022, o Capgemini Research Institute inquiriu oito mil consumidores e mil empresas em 12 países para compreender como os potenciais consumidores e as empresas encaram as experiências imersivas e o metaverso que estão acessíveis a partir dos telemóveis, dos browsers e de outros dispositivos de realidade virtual e/ou aumentada.  O estudo conclui que, o verdadeiro metaverso descentralizado, baseado em tecnologia blockchain, ainda está em desenvolvimento, mas que as empresas já estão a tirar partido das oportunidades de valorização que estas tecnologias oferecem.

Começamos a ver por parte das empresas uma abordagem mais cuidada e variada às experiências imersivas, e mais concretamente em relação ao metaverso”, refere Charlton Monsanto, Global Immersive Experiences Offer Leader da Capgemini. “Este estudo, vem corroborar a ideia de que, apesar do interesse dos consumidores e dos investimentos iniciais já levados a cabo pelos principais atores do mercado, é necessário tempo para estudar os verdadeiros desafios envolvidos e que as empresas têm de resolver a nível da ergonomia, da acessibilidade, da segurança e da privacidade. Apesar disto, o metaverso tem um potencial revolucionário, e o nível de curiosidade dos consumidores é elevado com tendência a aumentar. As experiências imersivas (incluindo o metaverso) para casos de uso interno poderão vir a ser ainda mais impactantes para as empresas, pelo menos no curto prazo”.

O estudo revela que os consumidores estão intrigados com as perspetivas oferecidas pelas experiências imersivas e pelo metaverso, e que gostariam de usar o metaverso principalmente como um local para interagirem com a sua família, com os amigos (43%) e até mesmo com os seus colegas (39%). Relativamente às marcas com as quais os consumidores estariam mais interessados em interagir, os inquiridos revelam que são as dos setores do retalho (78%) e dos produtos de consumo (77%), ou seja, a sua utilização tem como intuito melhorar as suas experiências de compra ou de experimentação de produtos tais como os automóveis, o mobiliário e os dispositivos eletrónicos.

O desenvolvimento das tecnologias de realidade aumentada e de realidade virtual, aliadas ao incremento do ritmo da digitalização provocado pela pandemia, e à maior preocupação com a sustentabilidade, tem levado as empresas, em todos os sectores de atividade, a desenvolveram projetos piloto de experiências imersivas e de demonstração a um ritmo acelerado nos últimos anos. Especificamente no sector dos produtos de consumo e no retalho, algumas empresas estão a testar as tecnologias imersivas como a realidade aumentada na decoração de interiores virtual, na eletrónica e noutros produtos (24%), ou para criarem experiências mais estimulantes para os consumidores (25%).

Segundo o estudo, 66% das empresas têm agora um roteiro de um a dois anos para a implementação de experiências imersivas e 15% desejam ter alguma presença no metaverso dentro de um ano, enquanto 45% acreditam que dentro de três anos a sua utilização estará generalizada. Ainda assim, muitas empresas estão atualmente a adotar uma abordagem mais cautelosa nesta área.

O estudo também conclui que, para além de existirem fatores externos que dificultam estas iniciativas (falta de maturidade das tecnologias e de infraestruturas de comunicação adequadas, etc.), há desafios internos significativos que as empresas que pretendem fazer a implementação destas tecnologias têm de resolver, nomeadamente a falta de planeamento estratégico. Para quase 40% das empresas, as iniciativas imersivas ainda são consideradas projetos pontuais e não uma etapa de um processo de aperfeiçoamento contínuo a longo prazo. Quase dois terços (62%) das empresas admitiram que as suas administrações não estão verdadeiramente comprometidas com as iniciativas imersivas e mais de metade (56%) referiu que não têm um plano claro para a sua adoção.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 41 Janeiro 2023

IT INSIGHT Nº 41 Janeiro 2023

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.