Empresas dependem dos próprios fundos para contratar talento em Inovação e Desenvolvimento

Segundo um novo estudo, apesar dos incentivos e benefícios fiscais para apoiar o I&D e a inovação em Portugal, a contratação destes perfis depende, em 83% dos casos, de financiamento próprio das empresas

Empresas dependem dos próprios fundos para contratar talento em Inovação e Desenvolvimento

64,3% das empresas perspetivam crescimento das suas estruturas dedicadas às áreas de Inovação e Desenvolvimento (I&D). Os dados são de um estudo realizado pela FI Group Portugal, LLYC e ManpowerGroup, que inquiriu 171 entidades do tecido empresarial português, acerca da contratação de recursos humanos através dos apoios à I&D.

Contudo, apesar de terem sido criados incentivos e benefícios fiscais para apoiar a I&D e a inovação em Portugal, onde se inclui o apoio às despesas com recursos humanos, a contratação destes perfis recorre, na grande maioria dos casos (83%), a uma componente de financiamento por fundos próprios das empresas.

Na análise desta maior dependência por fundos próprios, no suporte às contratações, 60,2% das entidades identificam lacunas no sistema de incentivos e benefícios em vigor, com 98,8% das empresas a afirmar ter sugestões de melhoria ao atual modelo de apoios à I&D em Portugal. 

De entre as sugestões apontadas, denota-se um consenso para com a necessidade de simplificar a adesão a estes mecanismos, com 82,5% das empresas a indicar que uma menor burocracia facilitaria e estimularia a adesão das empresas aos apoios em causa. Outra das propostas, sugerida por cerca de metade dos inquiridos, pretende taxas de financiamento e comparticipação maiores (49,1%), dando maior relevo a estes instrumentos para que possam motivar de forma expressiva o arranque de mais projetos, e fomentar o crescimento no número de contratações de cada empresa. Efetivamente, o estudo revela que, em 40,5% dos casos, o valor de apoio recebido no ano passado não ultrapassou os cem mil euros e apenas 12,8% das empresas inquiridas receberam um incentivo ou benefício superior a 500 mil euros.

Os resultados do estudo evidenciaram ainda que uma significativa parcela das entidades acabou por não recorrer a estes apoios e incentivos - cerca de metade das empresas inquiridas (45%) - justificando a não adesão a estes instrumentos por desconhecerem a forma para os colocar em prática, ou por não os conhecerem suficientemente bem. Uma grande parte destas empresas reconhece ainda que o número de perfis altamente qualificados seria maior caso tivessem acedido aos incentivos/benefícios (88,3%). 

O estudo realizado pela FI Group Portugal, LLYC e ManpowerGroup permitiu ainda tecer conclusões acerca dos perfis mais procurados por parte da amostra de empresas inquiridas, onde se constatou que os perfis mais cobiçados  dizem respeito a profissionais das áreas de Engenharia (56,1%) e Tecnologias de Informação (55,6%), perfis onde a competição pela atração e retenção de talento é mais feroz – mais de 75% das empresas declaram ter dificuldades em contratar colaboradores para a área das TIC e pessoal técnico. Relativamente aos principais obstáculos à contratação destes perfis, as questões salariais e benefícios oferecidos (59,8%), assim como a ausência de perfis adequados para as posições disponíveis (55,6%), são as dificuldades mais apontadas pelo tecido empresarial.

Destaca-se ainda que, embora exista uma perceção geral de que os incentivos/benefícios são necessários para apoiar o recrutamento de profissionais para I&D (86%), observa-se uma proporção menor de entidades a concordar que estes apoios têm influência na previsão de contratação (60,8%).

Em última análise, apesar das empresas louvarem a criação destes apoios, e reconhecerem a importância dos benefícios e incentivos à I&D, acreditam que o sistema em vigor carece de melhorias, nomeadamente através de uma simplificação do acesso e dos processos adjacentes à atribuição destes incentivos e benefícios, bem como um reforço do investimento nestas medidas de apoio, por forma a alavancar o crescimento e a competitividade do universo empresarial português e fomentar a contratação de perfis qualificados.

Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

IT INSIGHT Nº 49 Maio 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.