Branded Content

Um novo foco para o software de análise num mundo pós COVID

Estamos a atravessar uma crise que está a alterar radicalmente o nosso mundo social e profissional.

Um novo foco para o software de análise num mundo pós COVID

E ainda que as variações no primeiro se manifestem para todos, uma das maiores alterações nas empresas passou praticamente despercebida para o mundo exterior: as empresas estão a mudar rapidamente a forma como tratam os seus dados para maximizar o seu valor, e tornarem-se assim competitivas e sobreviver no mercado.

As organizações perguntam-se agora o que mudariam nas suas estratégias de análise para os anos vindouros. Quem deveria ter autorização para aceder aos dados, e com que propósito? Os profissionais têm as capacidades e conhecimentos necessários para trabalhar com dados? Que tecnologias devem ser adotadas para otimizar o seu valor? Essencialmente, como pode a organização chegar a ser verdadeiramente impulsionada pelos dados?

Muitas empresas estão a trabalhar para definir estratégias integradas de dados e análises para se adaptarem às circunstâncias e centrar-se para igualar a volatilidade do mercado, o que será a nova norma nos anos que se aproximam. E a referida estratégia centra-se na adoção acelerada da cloud e do SaaS, incluindo todo o ciclo de vida da cadeia de fornecimento de dados, quer seja para o armazenamento de dados, a ingestão, a entrega ou a análise de auto entendimento. Os ambientes de dados herdados podem fazer sentido em situações favoráveis ao mercado, mas retêm os benefícios da escalabilidade e da poupança de custos, juntamente com a agilidade e o acesso em tempo real aos dados que permitem a migração para a cloud e o software as a service.

No entanto, apesar da adoção de novos processos tecnológicos, muitas organizações esquecem que esta aceleração também apresenta desafios culturais inerentes. Como podemos conseguir que todos os trabalhadores adiram a uma nova forma de trabalhar? Felizmente, existe um foco de integração para desbloquear esta situação: a inteligência aumentada, ou seja, a formação de colaboradores através de uma combinação de inteligência artificial, aprendizagem automática e análises.

Focarmo-nos na inteligência aumentada torna os dados mais acessíveis ao reduzir a fricção entre o colaborador e os dados úteis. Esta utiliza a IA e a aprendizagem automática para gerir os massivos e crescentes volumes de dados para obter insights mais rapidamente.

Tanto os gestores como os especialistas em dados vão muito além da sua zona de conforto quando se trata de segurança, soberania e governação de dados. As organizações que começaram a adotar a SaaS e a cloud para democratizar os dados estão a abordar apenas uma das barreiras ao longo do caminho. Também se devem quebrar as barreiras percetivas e conceptuais que enquadram os trabalhadores em categorias binárias: os que estão e os que não estão alfabetizados em dados. Há grandes avanços na inteligência aumentada incorporada em plataformas analíticas para permitir aos novos utilizadores utilizar os dados com confiança e sucesso.

A pandemia veio certamente lançar uma luz sobre a importância dos dados e análises para que as empresas se transcendam e sobrevivam em circunstâncias difíceis. Como o nosso trabalho e as nossas vidas continuam a mudar, as estratégias de dados sólidas e análises que criam conhecimento em tempo real, apoiadas pela SaaS e pela cloud, irão continuar a impulsionar as decisões que separam as organizações competitivas das outras. 

 

Conteúdo co-produzido pela MediaNext e pela Qlik

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 30 março 2021

IT INSIGHT Nº 30 março 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.