“As empresas serão definidas pela sua capacidade para pensarem e operarem como nativos digitais”

Frank Gens, analista que desenvolveu o conceito de 3ª plataforma, será o keynote speaker da edição deste ano do IDC Directions. No Estoril, falará sobre a necessidade de as empresas apanharem a onda de inovação trazida pela economia digital

“As empresas serão definidas pela sua capacidade para pensarem e operarem como nativos digitais”

O IDC Directions 2017, que terá lugar no Centro de Congressos do Estoril, a 19 de outubro, estará centrado sobre o despertar da economia digital e sobre o que esta significa para o IT das empresas. O principal orador, Frank Gens, senior vice president and chief analyst da IDC, pioneiro no desenvolvimento do reconhecido conceito de “3ª Plataforma”, que acabou por prever toda a transformação que a indústria de IT viria a atravessar na última década, conversou em exclusivo com a IT Insight sobre o que se avizinha para o IT com o despertar da economia digital.

 

IT Insight – No briefing que levará ao IDC Directions 2017, diz que estamos no início da economia digital (DX). Como deverá evoluir num futuro próximo?

Frank Gens – A economia DX centra-se na forma como a empresas estão a utilizar tecnologias de terceira plataforma – cloud, AI, Internet of Things (IoT), etc – para criar novas operações de negócio, relações e ofertas digitais. Em 2016, apenas 10 a 20% da economia global, se tanto, estava digitalizada. Em 2022, prevemos que este valor ronde os 50%. Isto significa que as empresas – e indústrias inteiras – serão definidas. As empresas serão definidas pela sua capacidade para se tornarem efetivamente nativos digitais - para pensarem e operarem como nativos digitais.

 

Como será a indústria de IT dentro de 10 anos?

A indústria do IT – como grande parte das indústrias– estará centrada na cloud (enquanto modelo standard de entrega de IT), que permite criar ecossistemas digitais vastamente interligados, construídos em torno de grandes comunidades e plataformas especializadas por indústria. Os fornecedores de IT precisam de aprender como conectar o seu próprio valor/IP às mega- -plataformas cloud certas, a dispositivos de IoT situados no edge da rede, comunidades de developers/ programadores, a comunidades de data providers, intervenientes dos canais digitais e a líderes da indústria de plataformas. A escala do supply digital dos fornecedores de IT, das redes de distribuição e dos clientes será colossal – espera-se pelo menos um aumento entre 100 a 10 mil conexões do ecossistema digital.

 

No presente contexto, que prioridades devem ter os CIO?

Os CIO têm de ajudar as suas organizações a percorrer o caminho que lhes permita tornarem-se nativos digitais nos próximos três a cinco anos. Já deveriam, aliás, ter começado. A IDC entende que isto requere novos modelos organizacionais, skills digitais, novos KPIs e roadmaps digitais, bem como o estabelecimento de uma nova plataforma digital que suporte novas ofertas, operações e relações.

 

A robótica e a inteligência artificial têm o potencial de vir a ser verdadeiramente disruptivos para as organizações e seus modelos de negócio. No que toca à robótica, quem, dentro das organizações, deve liderar a adoção? O IT ou os C-Level executives?

Os grupos responsáveis pela “OT” (operational technology) – encarregues, por exemplo, da área de produção e das operações – detiveram até ao momento a responsabilidade pela robótica e por outras tecnologias “não-IT”. Prevemos que tal assim se mantenha. Mas também assistiremos a uma parceria crescente entre as OT e as TI nos próximos anos, à medida que os dispositivos OT se tornam dispositivos de IT – isto é, à medida que a conectividade se torna um padrão no IT e que os dispositivos de OT se conetem à IA/analítica e a outros serviços de back-end na cloud. Os robôs estarão mais conectados a um mundo mais alarga- do do IT, adquirindo capacidades mais avançadas, para uma cibersegurança em cadeia. Portanto, as organizações devem esperar que nos próximos tempos os robôs e outros dispositivos edge apareçam no radar do IT. na cloud. Os robôs estarão mais conectados a um mundo mais alargado do IT, adquirindo capacidades mais avançadas, para uma cibersegurança em cadeia. Portanto, as organizações devem esperar que nos próximos tempos os robôs e outros dispositivos edge apareçam no radar do IT.

 

Como é que a IA irá afetar o próprio papel e atividade do IT?

Podemos esperar automação em algumas áreas, como por exemplo a cibersegurança? Sim, a IA está a entrar em todas as áreas – no IT e em todos os níveis organizacionais – entre as quais a análise automatizada de grandes volumes de dados que possam levar a uma maior eficiência, novas capacidades/ insights, e mitigação/prevenção de riscos. Já estamos a ver grandes fornecedores de IT a integrar tecnologias de IA no mundo do ITSM (IT service management), e veremos uma expansão radical da IA nas operações, desenvolvimento e serviços de IT ao longo dos próximos anos. Isto irá conduzir a mudanças e a reduções significativas na força de trabalho na maioria das organizações de IT.

 

IT Insight é media partner do IDC Directions 2017.

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

IT INSIGHT Nº 11 Dezembro 2017

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!