Pandemia melhorou competências de cibersegurança do IT

Estudo da Sophos indica que o aumento de ciberataques durante a pandemia levou as competências em cibersegurança a crescerem em cerca de 82% das equipas de IT

Pandemia melhorou competências de cibersegurança do IT

A Sophos divulgou as conclusões da sua investigação global, “The IT Security Team: 2021 and Beyond”, que demonstra como os crescentes desafios de segurança durante a pandemia ofereceram às equipas de TI uma oportunidade única para desenvolver as suas competências de cibersegurança. A vasta maioria das equipas de TI que, ao longo de 2020, enfrentou um aumento de ciberataques (82%) e uma maior carga de trabalho de segurança (84%) reforçou as suas capacidades e conhecimentos de segurança. Apesar dos desafios criados pela pandemia, 52% das equipas de TI inquiridas afirmou que a sua moral aumentou em 2020.

O aumento de ciberataques durante a pandemia impactou as competências de segurança TI em todos os setores do mercado cobertos por esta investigação, incluindo educação (83%), retalho (85%) e saúde (80%). O inquérito abrangeu 5.400 decisores de TI em organizações de média dimensão em 30 países na Europa, América, Ásia-Pacífico e Ásia Central, Médio Oriente e África.

2020 foi um ano sem precedentes para as equipas de TI em todo o mundo”, afirmou Chester Wisniewski, Principal Research Scientist da Sophos. “Os profissionais de TI desempenharam um papel vital, ajudando as organizações a prosseguir o seu caminho apesar das restrições e limitações impostas pela COVID-19. Entre outras coisas, permitiram que as instituições de ensino transitassem para a modalidade online; que os comerciantes efetuassem transações online; que as organizações de saúde proporcionassem serviços e cuidados digitais em circunstâncias incrivelmente difíceis; e garantiram que as entidades públicas continuavam a providenciar serviços essenciais".

"Muito deste apoio foi proporcionado a grande velocidade, com equipamentos e recursos limitados à disposição e enquanto enfrentavam uma onda crescente de ciberataques contra a sua rede, endpoints e colaboradores. Será um eufemismo dizer que a situação foi muito desgastante para as equipas de TI. No entanto, a nossa investigação demonstra que, em muitos casos, estes desafios não apenas criaram equipas de TI mais capacitadas, como também mais motivadas e preparadas para um futuro ambicioso. À medida que cada vez mais países estão a começar a planear a vida após as restrições da pandemia, temos uma excelente oportunidade para implementar novas políticas de TI e segurança; adotar ferramentas modernas mais seguras para gerir os colaboradores e as operações fora do perímetro de TI; construir equipas especializadas que conjugam talento interno e em outsourcing; e introduzir plataformas de segurança que combinam a automação inteligente com os conhecimentos de threat hunting dos humanos. Não é possível voltar atrás. O futuro poderá ser tão sem precedentes quanto o passado”, conclui.

As principais conclusões do inquérito global “The IT Security Team: 2021 and Beyond” da Sophos incluem:

  • As exigências às equipas de TI aumentaram, uma vez que a tecnologia se tornou o principal facilitador de organizações dispersas e digitais. A carga de trabalho geral de TI (excluindo segurança) aumentou para 63% das equipas de TI, e 69% registou um aumento na carga de trabalho de cibersegurança.
  • Os adversários foram rápidos a tirar partido das oportunidades apresentadas pela pandemia: no geral, ao longo de 2020, 61% das equipas de TI reportou um aumento no número de ciberataques direcionados à sua organização.
  • A maior carga de trabalho de segurança e a maior quantidade de ciberataques permitiram às equipas de TI reforçar as suas competências e conhecimentos de cibersegurança. É provável que muito deste desenvolvimento profissional tenha consistido em aprendizagem informal durante o trabalho, à medida que as equipas enfrentavam novas exigências de tecnologia e segurança, muitas vezes sob pressão intensa e de forma remota, não no seu local de trabalho habitual.
  • Enfrentar desafios em conjunto reforçou a moral das equipas. A moral das equipas de TI também melhorou em muitos casos; de facto, mais de metade (52%) das equipas de TI inquiridas afirmou que isso aconteceu ao longo de 2020. Frequentemente, a moral parece ter aumentado em linha com uma maior carga de trabalho e ataques mais intensos. Por exemplo, as vítimas de ransomware registaram um maior aumento da moral do que as equipas que não foram atacadas (60% vs 47%). Tal foi também influenciado por circunstâncias externas e pessoais durante a pandemia, como confinamentos locais, a impossibilidade de ver a família e outros fatores. Independentemente disso, as conclusões sugerem que um propósito comum, um sentimento de valor e enfrentar as adversidades em conjunto ajudaram as equipas de TI a ficar mais ligadas e motivadas.
  • As experiências de 2020 alimentaram as ambições de contar com maiores equipas de TI e utilizar ferramentas avançadas, como a Inteligências Artificial (IA), nas futuras estratégias de tecnologia. Muitas das organizações parecem ter entrado em 2021 com planos para aumentarsão das suas equipas de TI internas e também de outsourcing, e para abraçar o potencial de ferramentas e tecnologias avançadas. A investigação conclui que 68% das equipas de TI prevê um aumento da equipa interna de segurança de TI até 2023, e 56% antecipa que as equipas de segurança de TI externas também cresçam ao longo do mesmo período de tempo. A esmagadora maioria (92%) espera que a IA ajude a lidar com o aumento crescente e/ou a complexidade das ameaças. Tal pode dever-se, em parte, ao facto de 54% das equipas de TI acreditar que os ciberataques são agora demasiado avançados para que as equipas internas os possam enfrentar sozinhas.
Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 32 Julho 2021

IT INSIGHT Nº 32 Julho 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.