Países de língua portuguesa e espanhola alvos de trojan bancário Numando

A Eset lançou um alerta sobre o malware, que utiliza janelas falsas, funcionalidades de backdoor e serviços como o Youtube para armazenar a sua configuração remota

Países de língua portuguesa e espanhola alvos de trojan bancário Numando

Numando é o nome do trojan bancário que captou a atenção da Eset, que tem como alvo principal o Brasil, mas também outros países de língua portuguesa e espanhola, incluindo Portugal. Segundo a empresa em comunicado enviado à redação, o Numando é semelhante a outras famílias de malware do mesmo género, recorrendo a janelas falsas, funcionalidades de backdoor e abuso de serviços públicos como o YouTube para armazenar a sua configuração remota.

Os cibercriminosos da variante de malware estão ativos desde pelo menos 2018 e “embora o Numando não esteja ao nível de atividade de outros trojans como o Mekotio ou Grandoreiro, tem sido consistentemente utilizado desde que o começámos a monitorizar, trazendo novas e interessantes técnicas ao conjunto de truques dos trojan bancários cujos alvos são países de língua portuguesa e espanhola”, completa Jakub Souček, coordenador da equipa Eset que analisou o trojan.

Segundo a empresa, as capacidades de backdoor do Numando permitem-lhe simular ações de rato e teclado, reiniciar e desligar a máquina infetada, exibir janelas falsas, tirar capturas de ecrã e fechar processos do browser, recorrendo a janelas falsas para roubar dados sensíveis das suas vítimas. 

Contudo, o Numando, distribuído quase exclusivamente por spam, apresenta uma nova técnica que utiliza arquivos ZIP aparentemente inúteis ou imagens BMP anormalmente grandes para esconder a carga maliciosa. Estes arquivos ou ficheiros BMP parecem ser legítimos à primeira vista, e as imagens até podem ser abertas num visualizador sem apresentar erros. 

Como outros trojans bancários do mesmo tipo, o Numando aproveita-se de serviços públicos para armazenar a sua configuração remota, YouTube e Pastebin. Com base no alerta da Eset, a Google já tomou providências e removeu os vídeos do Youtube em questão. 

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 33 Outubro 2021

IT INSIGHT Nº 33 Outubro 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.