Branded Content

Cibersegurança num mundo orientado à Customer Experience

Um dos pilares da Transformação Digital de qualquer organização é a melhoria significativa, primeiro, e sistemática, depois, da customer experience dos seus clientes

Cibersegurança num mundo orientado à Customer Experience

Nos vários pontos de interação com clientes, por pessoas ou através de automatismos (chatbots, etc.), uma das preocupações principais dos decisores é que a utilização dos serviços seja percecionada pelos primeiros como fácil, intuitiva, rápida e cómoda, entre muitos outros adjetivos. Entre os “outros adjetivos” incluem-se, cada vez mais, os associados à cibersegurança.

 

Gerar confiança

A gestão deste tema (i.e. como encarar a cibersegurança na elevação da experiência de utilização de serviços ou produtos) deve ser endereçada por duas vias complementares.

Por um lado, é inegável o reconhecimento de que qualquer incidente de segurança pode comprometer de forma grave, eventualmente fatal, a relação com um cliente, pela degradação da sua experiência de utilização. Tal é verdade independentemente da sofisticação dos mecanismos de interação disponíveis.

Os exemplos são inúmeros e nada improváveis nos dias de hoje: a) um cliente bancário que não consegue aceder ao website do banco ou realizar operações no seu dispositivo móvel porque o banco está a ser alvo de um ataque DDoS (negação de serviço); b) um utilizador residencial de um ISP que vê os seus dados cifrados e alvo de resgate por um grupo criminoso porque o seu computador pessoal foi infetado através da Internet; c) uma família que descobre que a sua babycam pode ser consultada por qualquer pessoa na Internet devido a uma falha de desenho do produto.

Qualquer das situações indicadas provocaria incómodo, mal-estar e sérias dúvidas relativamente à continuidade contratual de um cliente dos serviços em questão.

 

Melhorar experiência

Por outro lado, é um lugar comum a assumpção que o reforço dos controlos de segurança (autenticação, autorização, validações complementares, cópias de segurança, assinaturas digitais, etc.) de um produto ou serviço pode comprometer a experienciação dos mesmos. Tal é verdade se a escolha dos controlos a serem implementados tiver em baixa consideração o impacto no utilizador. Ou, por outras palavras e recorrendo aos domínios do design e arquitetura, se a “forma” escolhida para os controlos não for a mais adequada para implementar a “função” desejada.

Efetivamente, em cibersegurança, pode-se recorrer a múltiplas técnicas e tecnologias, e até processos, para a prossecução de um mesmo fim. É na capacidade de tomar a decisão certa sobre que implementação de controlo usar que a cibersegurança une mãos com a gestão de produto ou serviço num contexto de customer experience.

Usando o universo dos serviços digitais como exemplo, a frustração de um utilizador na navegação de um processo de compras online pode ditar o seu afastamento. Tal é principalmente verdade numa era de “consumer power” em que a mudança de prestador de serviço está à distância de um clique. E a frustração mencionada pode derivar de inúmeras situações, praticamente todas associadas à necessidade de garantir a segurança da transação. Entre muitas outras, as seguintes são exemplos de situações “frustantes e incómodas”: a) demasiados passos no processo de registo; b) preferências pessoais de um sistema online que não são mantidas entre sessões; c) múltiplos passos de login em secções distintas do mesmo sistema ou sistemas conexos; e d) experiências distintas entre browsers ou entre site web e aplicações móveis.

 

Investimento com retorno

A este tipo de situações de natureza mais operativa surgem ainda os eternos temas da necessidade de memorização de palavras-chave, idealmente complexas e distintas entre sistemas, ou do risco associado à perda de um dispositivo móvel que seja o mecanismo de autenticação de segundo-nível para acesso a um sistema.

Existem hoje em dia soluções que tentam endereçar esta dualidade, a da promoção da segurança e privacidade dos utilizadores ao mesmo tempo que se reforça a excelência da experiência de utilização. Soluções que, por esta sua entrega, devem ser percecionadas pelas organizações como um investimento e não como um custo.

A escolha adequada da “forma que siga a função” está ao alcance dos consultores de cibersegurança com visão de negócio. E a missão dos gestores de produtos e serviços que tentam surfar a enorme onda da Transformação Digital é garantir que estes fazem parte da sua equipa.

 

Branded Content

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 16 Novembro 2018

IT INSIGHT Nº 16 Novembro 2018

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.