Multicloud: It’s a brave new world

Multicloud: It’s a brave new world

Ao reler as palavras de Huxley no Admirável Mundo Novo, não consigo deixar de pensar que este livro nunca foi tão próprio no tempo em que vivemos

O enredo desta obra intemporal passa-se em Londres no ano 2540 (632 DF – “Depois de Ford” – no livro) e antecipa desenvolvimentos em tecnologia reprodutiva, hipnopedia, manipulação psicológica e condicionamento clássico, que se combinam para mudar profundamente a sociedade. 

O admirável mundo novo acontece em todos os momentos e não será menos verdade que esse mundo novo, nas áreas tecnológica e de inovação, desenvolve-se a uma rapidez estonteante e sobre a qual as organizações respondem a inúmeros desafios de adaptação e adoção destas novas tecnologias.

O conceito de multicloud é um admirável mundo novo e abrange os variados modelos de serviços Cloud, SaaS, IaaS e PaaS e consiste na utilização de duas ou mais estruturas desses mesmos serviços. A mais-valia da sua combinação permite-nos adotar tecnologias de diversos fornecedores, modelos ou tipologias, resultando daqui um ganho concreto para as organizações, que ganham a capacidade de responder mais rapidamente aos seus desafios, escalando na sua capacidade computacional, segurança e disponibilidade.

Porquê uma estratégia multicloud?

As estratégias multicloud têm como grande objetivo potenciar o melhor dos três mundos cloud: SaaS, IaaS e PaaS. Quais serão as principais vantagens desta abordagem?

  • Otimização de Investimento – a opção pelo modelo multicloud permite usar a combinação de serviços mais competitiva em termos de preços e capacidade de recursos.
  • Integração de Serviços – com a multiplicidade de fornecedores cloud, a integração de serviços entre plataformas é cada vez mais rápida e facilitada, permitindo combinar serviços e ferramentas de forma mais personalizada e enquadrada nas necessidades de cada organização.
  • Resiliência no armazenamento de dados – este modelo torna-se ainda mais adequado como forma de evitar a perda de dados ou tempo de inatividade devido a falhas.
  • Orquestração e Automação – As ferramentas de orquestração automatizam e coordenam processos complexos como o armazenamento de dados, configurações de aplicações, servidores web e balanceadores de carga.
  • Padronização do modelo as-a-Service – À medida que tecnologias como a virtualização e serviços cloud substituem os data centers, as configurações dos sistemas aumentaram em número e complexidade, sendo que o modelo multiplataforma promove ainda mais o uso de tecnologia como uma experiência ao serviço das organizações.
  • Flexibilidade e Escalabilidade – A versatilidade destes modelos permite que as organizações mantenham os recursos computacionais mais próximos dos seus utilizadores, garantindo um desempenho mais assertivo e com uma latência menor.
  • Segurança e Business Continuity – Este tipo de ambientes tem a vantagem de reduzir o risco de perda de dados ou tempo de inatividade, garantindo alta disponibilidade e uma panóplia de novos serviços relacionados com segurança.
  • Alinhamento com normas internacionais – Os fornecedores multicloud garantem um estreito alinhamento com as normas internacionais, aplicando da melhor forma, as indicações relativas à privacidade e segurança dos dados. A existência de várias localizações (regions) permite responder aos vários contextos e especificações de cada país e/ou continente.

Destaco ainda três tendências no mundo multicloud:

  • FinOps – Com a multiplicidade de plataformas e serviços, e com a massificação de serviços cloud, o controlo de custos torna-se complexo e desafiador para os gestores das organizações. O modelo de operação FinOps surge como uma solução eficiente e que permite às empresas otimizarem seus gastos em serviços cloud multiplataforma e garante a concretização de resultados previamente definidos.
  • Adoção de modelo Platform-as-a-Service – A adoção do modelo PaaS é claramente uma oportunidade de evolução dos sistemas atuais. Com capacidade de criação de um ambiente completo que permite disponibilizar aplicações complexas e nativas em cloud, esta abordagem tem a vantagem de evitar custos e complexidade inerentes a modelos de licenciamento e minimizar a infraestrutura de aplicações subjacente e middleware. Os fornecedores tipicamente gerem a disponibilidade das plataformas, ficando as organizações focadas naquilo que realmente acrescenta valor, os seus serviços.
  • Cloud Managed Services – Uma estratégia multicloud torna as organizações mais ágeis, reduzindo custos e aproveitando ao máximo as novas tecnologias e serviços que todos os dias nos desafiam. Mas mudar e funcionar num ambiente multicloud pode ser desafiante, sendo que as organizações contam com os seus parceiros para garantir uma gestão completa, unificada e segura deste admirável mundo novo.

Independentemente da estratégia a seguir: seja a via cloud pública ou híbrida, estou convicto de que o caminho a seguir deve invariavelmente incluir uma abordagem cloud, o que vai permitir às organizações reagirem de forma mais rápida e assertiva aos novos desafios digitais, sobretudo neste contexto do novo normal, onde as soluções cloud ganharam ainda maior relevância, conferindo às organizações maior flexibilidade e eficiência no dia-a-dias das suas equipas e das suas operações.


por Pedro Rebelo, Cloud Services Director na Bizdirect

Tags

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

IT INSIGHT Nº 26 Julho 2020

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.